Capítulo 34 - Ravi

25 6 0


Desperto quando o sol já está alto. O lado de Ivy na cama está vazio e frio, sinal de que ela se levantou a algumas horas. Respiro profundamente, seu cheiro doce está por todo o quarto, um sorriso vitorioso se espalha por meu rosto, minha esposa, a cada dia que passa sinto-me mais conectado a ela. Me espreguiço devagar, os estalos acompanham meus movimentos, sinto apenas um pouco de dor nos músculos. Então meus olhos batem em um pedaço de papel, o pego intrigado.

"Meu amor, fui ao centro de treinamento, não quis acorda-lo, você precisa se recuperar, amo você por toda a eternidade, um beijo. Sua Ivy".

Aquela soberana ia me enlouquecer. A amo tanto e sinto necessidade de protege-la, mas sei o quanto é difícil para aquela cabeça dura me deixar cuidar dela. Ivy enxerga meus gestos como dominação, e talvez seja um pouco, mas o principal é que quero que ela não sinta necessidade de colocar tudo sobre suas pequenas costas, quando voltei de minha longa viagem Ivy chamou minha atenção por sua beleza e espirito livre, mas também percebi o quanto estava sobrecarregada, quero dar tempo a ela, para que descanse depois de longos cem anos cuidando de minhas posses, agora suas posses também.

Depois de tomar um banho, me vestir e comer me dirijo ao centro de treinamento. Chocado vejo Ivy, ela está concentrada em uma luta de espadas com Spike, o único som que se ouve é das armas se chocando no ar, tenho que admirar a força e coragem de minha esposa, ela é uma verdadeira guerreira, sim, preciso admitir, mas isso não me impede de querer protege-la de tudo que a ameaça. E quando seu monstro chegar? Só o pensamento é o bastante para me fazer dar um passo em direção a ela.

- Vai ficar espiando irmão? – Doriam aparece ao meu lado, me surpreendo com sua repentina chegada. Sua feição relaxada me diz que o casamento fez bem ao meu irmão. Contudo seus olhos parecem estar mais claro, sempre foi um vinho intenso, agora estava mais fraco, sem tanto brilho. –Sou tão belo que agora me encara irmão?

- Desculpe, você mas reparou que seus olhos estão mais claros? – Comento, suas sobrancelhas se estreitam e ele me fita com tedio.

-Pode ser que paixão tenha me mudado. –Diz ele. – Então, quando cheguei você parecia prestes a invadir a arena. Algum motivo?

Faço um gesto de não se preocupe.

– Estou apenas observando as habilidades de Ivy. –Digo.

- É uma boa guerreira. – Diz ele e concordo. –Mas ao que parece você parecia preocupado com a segurança dela.

- Queria poder protege-la, e enfrentar seja lá qual for o monstro que Ivy terá que enfrentar. – Confesso a Doriam, aquilo estava na minha cabeça desde o casamento, aquela preocupação com o que minha pequena iria enfrentar. – Lembra das trevas que você precisou expulsar? Você usou quase todo seu poder de determinação e demorou alguns anos para se recuperar totalmente daquilo.

- Entendo como se sente, também não quero vê-la sofrendo. – Doriam fala se referindo a Terna. Concordo com ele dou-lhe tapas gentis nas costas.

- Queria tanto poder lutar no lugar dela. – Suspiro cansado. – Mas vamos mudar de assunto. Quando vão voltar ao reino?

Ele me olha sério, e por um instante não reconheço meu irmão. Seus olhos estão um tom acima do vermelho, em vez daquele vinho de sempre. Então ele sorri.

- Calma irmão, quero minha esposa só para mim, por mais alguns dias. – Doriam hesita. –Entende?

- Compreendo perfeitamente esta vontade, mas como sabe nossas obrigações atrapalharam. – Conto. – Acho que Fairy e Drakon vão fazer um jantar em homenagem a todos nós.

- Eles já sentem nossa falta? – Pergunta Doriam. –Eles mais do que ninguém deveriam compreender essa vontade de aproveitar nossas companheiras.

-Tem razão, mas não se fala para uma pedra mudar sua forma, assim como não falo para eles, não serem como são. Acho que desde o primeiro dia de casamento, Ivy e eu jantamos com nossos supremos, mas você e Terna ainda não apareceram. – Pisco para ele. –Contudo Ivy é carente deles, ela gosta de companhia e semi soberanos ao seu redor, Terna sempre foi mais tímida.

-Sim. –diz Doriam. –Sua esposa aprecia boa companhia.

Fito minha esposa na hora que ela derruba Spike no chão, seu rosto abre um sorriso imenso quando vitoriosa ela o ajuda a Spike a se levantar, ele ri quando seu filho Lex aparece para dizer que ganhou a aposta feita pelos guerreiros.

- Você apostou contra mim? – Pergunta Spike sorrindo para Lex.

Seu filho, semi soberano do fogo azul, revira os olhos e dá de ombros.

- Na verdade apostei a favor de Ivy. E ganhei algumas horas de massagem, enquanto meus colegas fazem a ronda no meu lugar.

Fico orgulhoso diante aquela cena, Ivy parece maravilhada enquanto conversa com todos. Seu rosto rosado devido ao seu entusiasmo.

- Vou voltar para meu reino, Terna deve estar me esperando. – Avisa Doriam.

Concordo enquanto meu irmão me dá as costas indo em direção ao seu portal. Me dirijo a minha esposa, pego Ivy nos braços e a beijo. Ela dá um gritinho de felicidade e pisca seus olhos dourados em minha direção.

- Senti sua falta. – Diz ela entre sorrisos.

- Então, minha pequena, vou leva-la de volta para nosso aposentos. – Sussurro em seu ouvido. Ela me lança um sorriso de canto, e se despede de seus amigos.

-Receio que terá apenas até o almoço para me curar desta saudade. –Diz ela travessa.

-Ora minha pequena, então não percamos tempo.

Os Soberanos de GardiaLeia esta história GRATUITAMENTE!