DEZOITO: NICHOLAS

Começar do início

Minha mãe assente, contente. — Isso jamais seria um problema, Kimberly. Você e o Nicholas são amigos desde que idade mesmo? Treze? Ah, Deus. — ela faz uma pausa, o suficiente para Kim responder:

— Eu tinha doze, o Nicholas tinha treze. 

— Isso! Faz tanto tempo, e vocês sempre se deram tão bem, não entendo porque não assumem de uma vez esse relacionamento, vocês dois tem o total apoio das nossas famílias. — minha mãe parece estar​ radiante, e deve estar mesmo. Ela sempre adorou a Kim. 

— MÃE! — reclamo, pedindo mentalmente por um buraco para eu enfiar minha cabeça enquanto Kim olha para mim com um sorrisinho sarcástico nos lábios. 

— Sua mãe está mais do que certa, Nicholas. A Kimberly é uma garota bonita e todos sabemos que vocês já tiveram uma relação passada. Eu não dispensaria uma mulher dessas. — meu pai dá força a situação, me obrigando a enfiar um garfo de purê em minha boca só para não precisar responder. 

Aos poucos o assunto da mesa vai variando até que chegamos ao assunto de histórias de infância onde minha mãe conta casos meus para Kim. Fico impressionado como a maioria deles envolve o Derek. E deveria mesmo envolver, somos amigos há anos. 

Com o entardecer virando noite, Kim ajuda minha mãe a lavar os pratos enquanto eu os seco e guardo com a ajuda do meu pai. Um trabalho para todos.
Quando finalmente terminamos, eu dispenso a sobremesa e retorno ao meu quarto com a mochila da Kim em minhas mãos. Imagino que ela tenha enchido a mesma de tijolos porque está pesada. 

Com a mesa de estudos arrumada para completarmos a atividade de Física, Kim aparece após longos minutos. 

— Será que dá tempo para vermos um filme? — ela pergunta após puxar uma cadeira e se sentar do meu lado, próximo à mesa. 

— Claro que sim. São coisas simples. — incentivo, demonstrando um sorriso verdadeiro. — Ei. Essa é a camisa que eu te dei de aniversário, não é?
Kim sorri com a pergunta. 

— Sim. Eu disse que havia gostado dela, mas só uso em dias especiais. 

— E hoje é um dia especial? — questiono, franzindo minha testa. 

— Claro que sim. Eu estou com você, teria algo melhor? — ela responde, batucando com a caneta no caderno. 

— É.. — desconverso. — Vamos focar na atividade. 

E é o que fazemos. Após uns bons cálculos e respostas para perguntas do tipo: "O que são isolantes elétricos? E condutores?". 

Após escrever a última resposta, Kim fecha o caderno, se levanta e desaba em minha cama.

— Preciso de um banho antes de nos deitarmos para dormir. — ela sugere. — Me acompanha? 

— Eu já tomei banho. Mas pode ficar à vontade, só vou escovar os dentes e me trocar. — afirmo, forçando minha camiseta para revelar meu peitoral um pouco mais definido por conta dos treinos de futebol. Kim presta atenção por alguns minutos mas logo se levanta e segue para o banheiro levando consigo a mochila. Aproveito a oportunidade para tirar minha bermuda e troca-la por um calção moletom, é o suficiente para uma noite com companhia.
Quando ouço o som da água caindo do chuveiro, me lembro de falar com o Derek.

Nicholas: Derek?
Levo três minutos antes de enviar a próxima mensagem.
Nicholas: Está aí? Podemos conversar?
Derek: O que é, Nicholas?
Nicholas: Seu pai ligou para minha mãe, disse que você estava estranho.. nervoso, o que aconteceu?
Derek: Nada.
Nicholas: Derek, nós dois somos amigos.
Derek: Somos?
Nicholas: Ao menos eu imaginei que fossemos antes de você me dizer todas aquelas coisas, mas ainda assim eu estou aqui caso você precise de mim. 
Derek: Eu não preciso, está tudo bem.
Nicholas: Derek!
Derek: Amanhã a gente conversa, Nicholas.
Nicholas: Esquece!

Recebo algumas outras mensagens mas não tenho tempo para ler. Hoje minha prioridade é outra pessoa. Prometo isso à mim mesmo quando Kim saí do banheiro usando somente um shorts minúsculo de tecido fino e uma blusa acima da barriga. 

— Noite difícil? — ela pergunta, prendendo seus cabelos. 

— Como sabe? 

— Eu te conheço. E essa sua cara não é boa. 

— São apenas um problemas com o Derek. — desabafo, cobrindo meu rosto com as mãos.
— E quando seus problemas não envolvem o Derek, Nicholas? — Kim cruza os braços, parando entre minhas pernas. 

— Vamos esquecer isso. — falo em tom baixo, olhando em seus olhos. — E focar no agora. — sugiro, puxando-a para o meu colo. Nossos lábios se roçam somente uma vez, e então damos início à um beijo que dura por um tempo consideravelmente bom até que ela se afasta.
— Hoje é só o filme, Nicholas. — suas mãos me afastam, fixas em meu peitoral. 

— Kim! — reclamo. 

— Sem reclamar, você terá outras oportunidades. — ela sorri, descendo com seus lábios até o meu pescoço onde deixa beijos quentes e chupadas firmes. 

— Tudo bem. — eu me rendo, jogando-a para o lado, sobre a cama. Fico por cima, entre suas pernas. — Só não se arrependa depois. — pisco antes de me afastar para ligar a televisão, a noite estava longe de terminar para nós dois.

Depois do Ritual (Romance Gay)Leia esta história GRATUITAMENTE!