Capítulo 27

552 54 8

Oops! This image does not follow our content guidelines. To continue publishing, please remove it or upload a different image.

No momento que dei conta que eu tinha feito besteira, sai correndo do apartamento, tranquei a porta e joguei as chaves na minha bolsa. Corri para o elevador, que parecia estar ocupado.

- Ai que merda! – urrei, apertando o botão de chamada. – Anda! Vamos, vamos!

Olhava para os números subindo: 2° andar, 3° andar.

- MERDA! – disse estressada quando ouvi um barulho.

Olhei para a porta de um apartamento no corredor que se abria naquele momento. Fiquei de boca aberta para quem estava a vir. Um homem que aparentava ter uns 25 anos saia de lá. Usava uma calça jeans preta, tênis preto e uma camisa xadrez com mangas longas. Ele fitou-me e veio na minha direção. Eu o conhecia e tinha muita vergonha dele. O que será que estaria fazendo ali?

- Victoria... – ele disse calmamente. – Era pra ser surpresa. Não queria que me visse ainda por aqui.

Ele sorriu sedutoramente e eu fiquei encarando-o. Por um minuto esqueci meu desespero. Sua voz era a mesma, suave e encantadora. Ele tinha cabelos loiros e olhos verdes e uma barba por fazer, seu sorriso marcante me fez lembrar-se dos tempos de criança, mesmo ele sendo mais velho que eu, éramos tudo um do outro.

Henrique Queiroz e eu fomos amigos de infância. Há tempos eu não o via, era o meu melhor amigo, temos muitas histórias juntos. Minha mãe era melhor amiga da mãe dele. Aos 17 anos ele resolveu mudar-se para os Estados Unidos da América para morar com seu pai, e foi ai que nos separamos. Mantínhamos contato por Skype e nada mais. Éramos grudados, fazíamos de tudo juntos. Até que ele resolveu se alistar e foi para a guerra, ele me mandava algumas cartas, mas eu não aguentei a distância entre nós e fiz muita besteira. A última coisa que eu soube dele, foi a de que havia virado sargento. Depois, perdemos totalmente o contato.

Virei meu rosto do lado oposto, eu não queria ver ele, era doloroso para mim. A porta do elevador finalmente se abriu e entrei o mais rápido que pude, meus olhos estavam ardendo contendo as lágrimas que queriam sair. A presença de Henri fez-me lembrar de coisas muito dolorosas, a qual nunca me perdoaria. Eu estava totalmente constrangida, a porta de ferro ia fechar-se, mas ele correu e entrou rapidamente. Fitou-me e logo seu olhar lançou o chão do elevador.

- Vicky... Quem deveria estar fugindo de você era eu. – ele disse com sinceridade.

Eu estava neutra, joguei minha franja sobre o rosto para ele não perceber o quanto meus olhos estavam clamando para olha-lo.

- O que... Faz aqui? – perguntei com a voz trêmula.

- Muitas coisas. – Respondeu. – Não vim falar sobre nós se é o que quer saber.

Suas palavras surpreenderam-me e o fitei com curiosidade com o cabelo bagunçado no meu rosto.

Ele aproximou-se e carinhosamente tirou a franja espalhada de cima do meu rosto. Fiquei apenas admirando-o, logo me lembrei de Alexis e a porta do elevador se abriu. Sai em disparada sem me despedir de Henri. Ele veio logo atrás e ouvi um bip de mensagem do Whatsapp do meu celular, respirei fundo e parei para olhar.

Sky [COMPLETO]Leia esta história GRATUITAMENTE!