Capítulo 28 - Ravi

33 6 1


Horas antes.

Perfeita, minha pequena está linda. Seu sorriso transborda de alegria, desde que ela entrou, não pude tirar meus olhos dela, meu amor, que caminha graciosamente ao lado do Supremo Soberano. Naquela noite, quando as portas se abriram, Ivy parecia mais uma divindade do que uma soberana. Meu coração saltava no peito, tamanha a força que ele batia.

Ouvi calmamente enquanto ela dispensava com muita elegância Rá e Ferock, seus olhos brilharam quando o presente deles foi visto no céu, e ela correu até a janela. Ivy nunca ia mudar, os protocolos foram esquecidos enquanto ela admirava a beleza do céu.

Quando ela era nova achava isso irritante, agora sorrio, como o bobo apaixonado que sou.

Ela se virou para mim, os lindos olhos dourados brilhando de emoção, não me movi enquanto ela vinha em minha direção, com um sorriso maroto nos lábios. Foi com muito esforço que não a beijei, meu corpo inteiro protestava para estar mais próximo a ela, quando senti o cheiro de Ivy, uma mistura de orquídeas e mel quase não fui capaz de me controlar.

Sorrio para ela, e seus olhos brilham.

- Quem diria Soberano da Coragem, que depois de tantos anos, chegaríamos a este momento. – Ouço a voz doce dela enquanto ela sorri para mim. – Não havia escolha a ser feita, quando você voltou depois de passar cem anos fora e eu o vi, meus sentimentos despertaram e, desde aquele momento, soube que era com você que passaria a eternidade. Até aquele momento, não fazia ideia de que poderia me apaixonar tão incondicionalmente e me sentir tão completa ao entregar meu coração a você. Eu amo você Ravi e, se você me quiser, quero ficar ao teu lado por toda nossa existência.

Como se eu fosse recusar a única mulher que realmente quis durante toda minha existência, a única que seria capaz de amar, a soberana que roubou meu coração com um único sorriso. Não espero mais e a beijo faminto, selvagem.

- Minha pequena, és minha amada. – Sussurro fitando seus olhos dourados. É só o que consigo dizer sem parecer um tolo emocionado.

Sem soltar a cintura de Ivy, retiro do bolso uma caixinha de veludo vermelha. Abro com cuidado e percebo quando ela abre sorriso radiante novamente. Ela já não consegue segurar as lágrimas. As alianças são grossas e a dela tem duas fileiras completas de pequenos diamantes. Dentro está escrito duas palavras Coragem & Esperança.

- Você sabia? – Ela pergunta baixinho.

- Tive esperanças, se não fosse você minha pequena, não seria ninguém mais. – Respondo enquanto pego sua mão delicada e coloco a aliança, ela faz o mesmo, e a beijo novamente deixando a caixinha cair no chão.

Não noto quando Vikram nos envolve com o colar de folhas e flores para completar o ritual, percebo que já nem precisa daquilo, me sinto completamente ligado a ela e sinto uma emoção diferente de qualquer outra que já experimentei, tudo aquilo que Ivy é, reconheço a esperança dentro de mim. Não foram as flores que selaram nossa ligação, foi o beijo.

Ivy fita meus olhos com um misto de confusão e compreensão.

- Coragem. – Digo baixinho em seu ouvido e ela ri divertida.

Ela se aproxima, fica na ponta dos pés, envolve meu rosto com as mãos e me puxa para baixo quando me beija. Fico perplexo por um segundo apenas, então entendo, ela sente a coragem, sorrio contra os lábios dela.

-Sempre vou amar meu Ravi. – Ela sussurra baixinho.

- Também a amo, minha Ivy. – Acaricio a pele macia de seu rosto e a música recomeça.

É a primeira dança como marido e mulher e quero aproveita-la ao máximo. Danço calmamente com a princesa da minha existência e giro-a por todo o salão. Só tenho olhos para ela que sorri de um jeito tão meigo que tenho vontade de beija-la e leva-la para um lugar onde nós dois possamos ficar sozinhos.

- Não vejo a hora de tê-la só para mim. – Digo em um sussurro rouco em seu ouvido e a vejo corar.

Doriam me pede para conceder a honra de dançar com Ivy, concordo apesar de estar relutante em me afastar dela. Vou até Terna que parece perturbada, e diz que precisa tomar um ar, então me aproximo de minha mãe.

- Está feliz meu filho? – Fairy pergunta quando a giro pelo salão.

- Quis Ivy no momento que a vi quando retornei da guerra, com a mesma velocidade me apaixonei e me perdi naqueles olhos dourados. – Respondo sendo sincero. – Não poderia desejar felicidade maior, do que ter sido escolhido por ela.

Ela sorri e a entrego para os braços de meu pai.

- Parabéns Ravi. – Diz Drakon sorridente. – Faça-a feliz ou vou caça-lo por todo o universo.

- A única coisa que quero é que Ivy seja a soberana mais feliz deste mundo. – Drakon me abraça rapidamente antes de puxar Fairy para si, para continuar dançando.

Um movimento chama minha atenção no canto do salão. Vikram parece concentrado no colar da união e Fran conversa baixo com ele. Me aproximo de ambos.

- Algo errado? – Pergunto.

- Não tenho certeza. – Vikram diz pensativo. – Quando você sentiu que sua ligação com Ivy se completou?

- Hum... – Penso um pouco. – Acredito que quando a beijei.

- Exatamente como eu disse. – Fran se pronuncia pela primeira vez.

- E o que quer dizer isto? – Falo, procurando Ivy com os olhos pelo salão e a vejo perdida em pensamentos olhando a bela lua com a qual foi presenteada.

- Não temos certeza, mas o avisarei se descobrirmos qualquer coisa. – Vikram finaliza a conversa. – Vá até ela General, podemos perceber sua ansiedade.

Chego por trás de Ivy e a abraço pela cintura, seu corpo inteiro se arrepia e ela sorri quando delicadamente beijo seu pescoço.

Os Soberanos de GardiaLeia esta história GRATUITAMENTE!