DOZE: NICHOLAS

1.6K 235 100

Fico sentado na banqueta da cozinha enquanto Alison expreme​ os limões no liquidificador. Ainda estou zonzo, cansado. E a festa mal começou. Meu olhar vacila novamente e então resolvo ceder, me inclinando para frente para me aconchegar ali no balcão da cozinha, mantendo minha cabeça sobre meus braços. 

— Nicholas? — Alison chama, me forçando a recuperar o sentido. 

— Hã? O quê!? — questiono, direcionando meu olhar para ela. 

— Nossa, você está mesmo um trapo. — Alison ri, enquanto o som do liquidificador ligado é abafado pela música eletrônica. 

— Sim. Meus olhos estão ardendo, minha cabeça está pesando. — as palavras saem arrastadas.
Alison concorda com a cabeça, desligando o liquidificador e então me servindo a limonada em um copo vermelho. 

— Isso não tem maconha, tem? — arqueio uma das minhas sobrancelhas, forçando o riso. 

— Deveria ter, mas eu não sou tão má assim, ou sou? — ela ri, passando um dos fios do cabelo ruivo para trás da orelha. — Olha, eu estou ajudando o Adam com as coisas, fica aí que eu vou procurar o Derek, não saí daqui, okay? — Alison insiste, me fazendo confirmar com a cabeça após tomar um gole da limonade da Beyoncé.

E então ela sai, me deixando a sós com a pior coisa naquela festa: Meus próprios pensamentos e os flashbacks de tudo o que aconteceu no quarto. Tony me chamando para uma conversa, me forçando à um beijo que eu acabo cedendo por talvez estar drogado e bêbado demais, sua tentativa de sexo, meu soco em seu rosto e seu desmaio. Minha cabeça dói.

**

A música fica mais alta e a noite parece não ter início, como também não tem um fim. Alison não volta e o Derek não aparece, me deixando ali sozinho na banqueta por horas, me pergunto o que talvez esteja acontecendo com os outros. Kim, Justin, e até mesmo o nosso "falso amigo" Zac. É bem óbvio que ele só anda e conversa conosco para manter o Adam informado sobre minha relação com o Derek.

Novamente encosto minha cabeça no balcão gélido, minha bunda dói. Tempo demais sentado, daqui à pouco já vou sentir câimbras, sei disso. O cheiro que minha camisa exala é uma mistura de álcool, maconha e suor, me pergunto o que vou fazer para entrar em casa quando amanhecer, rezo para o meu pai já ter ido para o trabalho. 

Não faço contagem de horas, mas sei que permaneço naquela posição por um bom tempo. Se não cochilo é porque a música alta não permite, muito menos a nova mão que toca meu ombro, me puxando.

— Nicholas? — Kim diz, olhando em meus olhos. Está usando uma blusa na cor branca molhada, exibindo seus seios morenos e fartos. A parte de baixo é composta por uma calça jeans e sandálias. Não sei para onde olhar, nem sei porque ela está exibindo aquilo.

— Kim!? — exclamo, assustado, desviando meu olhar dos seus seios para o chão, depois para um grupo de garotas que entram na cozinha para pegar outras bebidas. — O que aconteceu com você? sabe que sua blusa está.. molhada? não sabe? — questiono, me ousando a dar outra olhada naquilo.

Kim cobre os seios com as mãos, notavelmente incomodada com a situação.

— Podemos por favor não falar nisso? Faz parte do meu ritual, conversamos melhor no colégio.— ela me corta, suspirando em seguida. — O que você está fazendo aqui sozinho? E minha nossa, você está acabado. — Kim se aproxima um pouco mais, ficando entre minhas pernas. Suas mãos deixam de proteger seus seios para alisar meus cabelos bagunçados, me permitindo uma outra visão do seu corpo.

Concordo com a cabeça, confirmando a situação. — Eu bebi demais, o Adam nos obrigou a fumar maconha e também comi algumas coisas, depois.. — mordo a língua antes que o depois saísse, o depois que aconteceu no quarto com o Tony. — Depois encontrei a Alison, ela me contou que tudo na festa foi feito com maconha, o bolo, os cookies, os doces, os salgados.. E então riu da minha cara, me fez uma limonada e disse que iria procurar o Derek e ajudar o Adam com as coisas da festa. Ela não voltou e ele não apareceu. — explico, tendo meus cabelos bagunçados para todos os ângulos que a Kim acha favorável à mim.

— Entendi. — ela responde, se aproximando um pouco mais, quase esfregando seus seios em meu rosto. — Por que não pediu para ela me procurar? sabe que eu posso cuidar muito bem de você, até quando vai ficar insistindo nessa coisa com o Derek? tudo bem que vocês estão fingindo um namoro por conta do desafio, mas não precisa levar isso tão à sério, aposto que o Derek está em um dos quartos por aí, transando com várias meninas diferentes. Se ele fosse mesmo seu amigo, estaria aqui. — Kim não me dá um tapa, mas as palavras dela funcionam dessa forma. Ela tem razão, o Derek deveria estar aqui, deveria ter me procurado em todos os cantos da casa para ver se eu estava bem. Ele não fez isso.

— A gente não tem se falado tanto ultimamente, esqueceu? Você me distanciou desde que soube do meu desafio com o Derek, e sabe muito bem que não sou o único nessa de desafios, você também tem o seu. A maioria aqui tem. — respondo após alguns minutos, tendo minhas mãos levadas à cintura de Kim por ela mesma. Se continuarmos nesse jogo, creio que não poderei resistir por muito tempo.

— Eu sei muito bem o que fiz, Nicholas, não precisa me recordar. Você está em seu desafio, eu estou no meu. Fiz coisas horríveis esses dias, inclusive hoje. — ela diz, descendo suas mãos morenas dos meus cabelos para os meus ombros. — Mas eu gosto de você, realmente gosto.. E tem tantos quartos aqui, poderíamos ficar a sós um pouco, o que acha? conversar.. — Kim sugere e eu sinto uma pitada de malicia em suas palavras.

Preciso negar, preciso negar, preciso negar mas não nego.

— Tudo bem então, só conversar. — concordo, à afastando para ficar de pé, sendo mais alto que ela.

Entrelaço meus dedos nos da Kim, deixando que ela me leve até o andar de cima outra vez. É fácil encontrar um quarto livre, afinal, o Adam mora em uma espécie de mansão que caberia praticamente o colégio inteiro. Talvez seja exagero meu, mas é realmente grande.

— Sobre o que você quer conversar? — pergunto após fechar a porta, passando o trinco também. Me encosto na mesma, de madeira. Kim avança à minha frente de forma selvagem, seus cachos estão soltos, lindos.

— Vamos deixar a conversa para depois, acho que você está precisando de cuidados especiais. — ela responde, mordendo seus lábios. Seus dedos da mão direita encontram a gola da minha camisa, me puxando para perto de si. Perdendo a noção do que fazer, apenas permito que ela faça o que desejar comigo.

Kim me puxa até a cama onde se deita, me deixando por cima, suas mãos tiram minha camisa rapidamente, exibindo meu corpo magro com algumas definições. Olhos azuis em olhos castanhos. Sua unha rasga a pele das minhas costas enquanto nossos lábios se tocam, dando início a um beijo quente, repleto de desejo.

— Vou acabar perdendo o controle se você continuar com isso. — sussurro entre o beijo, com minhas mãos percorrendo a blusa que a mesma estava usando, apalpando seus seios. Kim desce com os dedos por minha calça, desabotoando o botão e descendo o zíper, ela demora para responder, forçando minha calça para baixo, exibindo minha cueca em cor preta.

Kim separa seus lábios dos meus por um misero segundo, somente para me responder. — Eu nunca desejei tanto que você perdesse o controle, Nicholas. — ela sorri, tornando a me beijar.

E então eu perco.

Depois do Ritual (Romance Gay)Leia esta história GRATUITAMENTE!