CAPITULO 28- a s s h o l e

266 20 0

- Como você está? - Alice entrou no meu quarto. Eu estava jogando um biquíni e uma toalha na bolsa.
- Como eu deveria estar?
- Você sabe que isso não vai durar, não sabe? Não vale a pena você sentir qualquer coisa por aquele...imbecil.
- EU NÃO SINTO NADA, ALICE! - Gritei, jogando as coisas no chão. Eu estava furiosa.
- Realmente? - Ela se sentou na cama pra me encarar. Alice era calma, o oposto de mim.
- Eu estou com inveja.
Ela soltou uma risada, mas logo se repreendeu.
- Inveja? Disso? - Ela estendeu o envelope.
- Quer dizer, não sei, caralho...
Ela pigarreou.
- "Sr. Sra & Srta. Wengrov,
É com muito amor e honra que Pedro Galharte e Mariana Rosa os convidam para sua cerimônia e festa de casamento..." É sério que você está com inveja desse convite cafona?
- Eu sinto inveja do jeito que ele não sente remorso algum, dor alguma, sinto inveja por ele não ter o psicológico fodido por causa do nosso relacionamento como eu tenho.Ele vai se casar, Alice, eles vão ter filhos e eu...eu vou levar essa merda pro resto da vida. - Eu me sentei na cama, exausta.
- Eu não acredito que ele te convidou. Sério, como ele teve a capacidade? Sua mãe disse que o convite chegou já tem um mês.
- Um mês? - Eu arregalei os olhos.
- Ela não quis te entregar.
- Deus... espera, quando é essa merda?
- Dia 20.
- E hoje é?
- 17.
Eu coloquei a melhor máscara de determinada.
- Você não está pensando em ir, está?
- Eu não perderia por nada.
- Lisa!
- Qual é, Alice.
Peguei meu celular e disquei o número de Mariana.
"Alô?"
"Oi, Mari!! É a Lisa!! Wengrov"
Alice estava boquiaberta, mas eu apenas sorria.
"Lizzy, quanto tempo...aposto que está ligando pra saber detalhes do casamento!" - Ela riu. Vadia.
"Na verdade, Mari, queria te pedir um favorzinho...sabe, eu estou morando com a família do meu namorado, será que tem como eu levá-los no casamento? É algum incômodo? Se não tiver como, tudo bem..."
"Claro que não tem problema! Quantos convites te arrumo?"
"Ah, obrigada, você é mesmo um anjo! Quatro, por favor"
"Prontinho, anotados."
"Muiiiiito obrigada!"
"Beijos, querida"
"Beijos!"
- Você é uma desgraçada, Lisa.
Eu ri.
- Que foi?
- Quem é a quarta vítima? Com você só moram mais três.
Eu sorri, esperando que ela percebesse.
- Você não vai me arrastar pra essa merda!
- Qual é, Alice...eu pago seu vestido. Da marca que você quiser.
Ela fingiu pensar, mas eu já sabia sua resposta.
- Claro que sim. Agora pega essa bolsa porque eu preciso tomar sol.
Eu bati palminhas, me arrumando pra ir pro clube com Alice.
Era fácil fingir que Ian não existia na minha vida, eu só precisava ficar perto de Alice. Ela me lembrava a época que eu apenas tinha uma vida boa, sem complicações.
Não que Ian fosse uma complicação, porque eu o amava, mas era uma delicia me sentir independente, e ele tirava isso de mim.
- Você acha que o sol vai bater aqui? - Alice perguntou, puxando uma espreguiçadeira pra perto da piscina.
- Acho que sim, tenta...aí meu Deus.
- Que foi? - Ela se virou pra ver o que eu estava encarando. - Ai meu Deus. - Ela repetiu, sorrindo pra mim.
- Ele estava totalmente encarando a sua bunda.
- Você acha?
- Claro que estava, pra minha é que ele não estava olhando.
- Não da pra olhar o que não existe.
Nós nos deitamos na espreguiçadeira, fingindo não ter reparado no novo alvo de Alice.
- Ele é uma graça. - Falei
- Quem é uma graça? - Meu pai perguntou.
- O biquini novo de Alice, papai.
Ele revirou os olhos e foi ao encontro da minha mãe, deixando eu e Alice sozinhas.
- O que eu devo fazer? - Alice perguntou, animada.
- Meu Deus, você não tem mais 13 anos, Alice! - Dei risada
- Mas ele é tão bonito...meu Deus, aquilo são olhos claros? Acabei de tomar um tiro.
- Ele está...meu Deus, ele está vindo pra cá!
Alice arregalou os olhos, colocou os óculos de sol e tentou ajeitar o cabelo, mas não que precisasse, já que ela era maravilhosa.
- Com licença, senhoritas... meu nome é Higor.
- Higor - Alice abaixou os óculos - você está fazendo sombra.
Eu a encarei, Alice era incrível, dois minutos atras e ela estava interessadíssima, mas quando ele chegou fez parecer que não tinha nem notado a presença do cara.
- Perdão. - O coitado se sentou numa cadeira ao lado da espreguiçadeira de Alice. Ele era lindo: tanquinho, olhos claros, moreno, cabelo arrumado e barba cerrada. O total modelo de Alice. Eles tinham a mesma beleza. - Posso saber os nomes de vocês?
- Motivos? - Ela perguntou, recolocando os óculos.
Percebi que era a minha hora de intervir. Me sentei na espreguiçadeira, estendendo minha mão para o cara:
- Lisa, prazer. E ela é a Alice.
- O prazer é meu. Estão sozinhas? - Ele estendeu a mão pra alguém que estava chegando, mas não me virei para olhar.
- Sim. - Alice respondeu, sem sair de sua posição.
Higor riu.
- Não estão mais.
Após alguns segundos passaram por mim dois garotos e uma garota.
- Esses são o Felipe, o Tay e a Zara.
- Lisa e Alice. - Sorri
Não que a Zara fosse incrivelmente bonita, mas ela era diferente. De cabelos loiros e curtos, a menina era tão branca quanto qualquer parede. Baixinha e magrinha, parecia ser simpática e estar com o Felipe.
Eles chegaram fazendo barulho, Tay, um branquinho alto e bonito estava com uma garrafa de champanhe na mão.
- Vamos abrir essa aqui, Higor? - Perguntou.
- Qual é, Tay, da última vez tu nem aguentou. - Zara brincou.
- E as mocinhas, bebem? - Tay perguntou.
- Bom, eu sou comportada... - Alice começou, se sentando na espreguiçadeira. - Mas essa aqui pode dar um pouco de trabalho pra vocês.
- Será? Vai deixar a madame te entregar, Lisa? - Felipe perguntou.
- Deixa ela... - Tay entrou na roda - eu gosto de mulheres que bebem.
- Ih, Lisa, já tá na mira do Don Tay. - Higor brincou e só não viu quem não quis que Alice estava encarando o sorriso do menino como se fosse a nona maravilha do mundo.
- Don Tay? - Eu estranhei, rindo pra Tay.
- É só um apelido, gatinha, não fique com ciúme. - Ele rodeou Zara e Felipe, parando atras de mim e me dando um beijo na bochecha.
- Sorry, meninos, mas eu...
E então eu percebi. Eu não tinha namorado. Eu tinha alguém, mas como é que se fala "eu tenho alguém"? Preferi ficar quieta e ser outra pessoa, apenas por um dia.
- Você não o que? - Higor perguntou.
- Não estou interessada. - Empurrei Tay na piscina, sendo condecorada com vários gritos de Higor e companhia. Tay parou na borda da piscina, jogou os cabelos pra trás e me encarou. Caralho, ele era bonito.
- Vai ter volta, Elisa.
Eu me levantei da espreguiçadeira e me abaixei na frente de Tay, passando minha mão pelos seus cabelos molhados como se estivesse flertando com ele.
- É Lisa, idiota. - Eu o empurrei de novo.
- Meu Deus, Tay, você foi trouxa duas vezes! - Felipe falou, envolvendo seus braços na cintura de Zara. E então eu senti falta de Ian.
O resto do dia foi assim, risadas e bebidas e salgadinhos na beira da piscina. Quando estava escurecendo, nós éramos os últimos no clube. Na verdade, eu, Tay, Zara e Felipe, já que Higor e Alice haviam nos despistado.
- Ei, amigo. - Tay chamou por um garçom. - Será que você pode me arranjar um violão? - E colocou uma nota de 50 no bolso do cara.
- É pra já, Tay.
- Será que você pode ser mais clichê? - Perguntei
- Poderia, mas estou com muita preguiça de ir buscar seu sapatinho de cristal e meu cavalo Branco, Liserella.
- Asshole.
Quando Higor e Alice voltaram, estávamos os quatro sentados em uma rosa, com Tay tocando músicas antigas. Ele era bom, o que havia me espantado um pouco, e acabou me fazendo cantar uma ou duas músicas com ele.
- Me dá seu telefone. - Zara me pediu, então entreguei meu iPhone a ela.
- Prontinho.
- O que você fez?
Ela se aproximou do meu ouvido, falando baixinho.
- Coloquei o número do Tay. - Ela piscou
- Zara, eu...
- Shh, fica só entre nós duas.
Eu sabia o que Zara estava fazendo, eles eram amigos, mas eu não podia. Eu jamais magoaria Ian daquela forma.
Quando chegou a hora de nos despedirmos, Tay não me deu nada além de um beijo na bochecha, sorrindo de leve. Não que ele não fosse uma ótima pessoa, mas quando eu e Alice entramos no táxi, eu excluí o número colocado por Zara no meu celular. Lisa Wengrov não traía as pessoas.
- E Higor? - Perguntei enquanto tirava os chinelos pra entrar em casa.
- Ele é um deus! Meu Deus, aquela boca...
- Alice! Não preciso saber de detalhes. - Dei risada.
- Tay? - Ela levantou uma sobrancelha.
- Nah...não rolou nada. Nem tem como rolar.
- Você teve vontade?
- Não vou dizer que não tive...
- Lisa!
- Ah, qual é, eu não sou de ferro.
Ela riu e subimos pro quarto. O dia havia sido diferente, mas foi ótimo pra dar uma espairecida, reforçou minha teoria de que eu precisava de um tempo só.
- Me empresta seu carregador? Esqueci o meu na casa de Ian.
Alice então pegou o carregador da bolsa e eu o conectei na tomada.
Sete mensagens.
Grupo "4 é par".
"Lisa nos abandonou" - Amora Castelli
"Volta, cunhada, estou sentindo falta da sua comida" Gabriel Castelli
"LIZZYYYYYYYYYYYYY I MISS YOUUUUUUU ❤️💖❤️💖"  Amora Castelli"
Ian Castelli:
"Ei
Senti sua falta hoje
Está tudo bem?
Me liga"
Amora Castelli:
"Preciso de ajuda com roupa para o casamento que você falou mais cedo
Pode deixar, ainda não comentei nada com Ian"
Decidi que responder apenas Amora seria mais fácil.
"Amanhã te busco as 15h para irmos ao shopping, que tal? Eu e Alice vamos escolher roupas"
"Dando gelo no Ian?" - Ela perguntou
"Apenas com preguiça, voltei da piscina agora, considere-se importante"
"Kkkkkkk 15h está ótimo, te espero na portaria"
"Love u, morena"
"Love u, daisy"

LISA [COMPLETO - EM REVISÃO]Leia esta história GRATUITAMENTE!