Floresta Vermelha - Parte 3 - Final

3 0 0

"No meu mundo... uma mãe que pede para salvar a vida de sua filha em um momento de desespero seria chamada de fraca... isso se alguma Humana tivesse já essa coragem de fazer isso... Pedir ajuda"

O Pedido dela me deixou chocado por um instante, e não soube o que pensar.

"Lobo..." Ouvi em minha mente forçando meus olhos a piscarem. Voltei a pensar.

- Claro que vou senhora – respondi, pegando a mochila de traz e colocando-a no chão, vasculhando dentro dela rapidamente.

- O.... que o senhor vai...? – levantei a pata para ela, pedindo que não falasse até que eu tirasse uma espécie de pó de dentro da mochila.

Me levanto com um punhado daquele pó vermelho olhando para as duas a minha frente, mexo a pata por cima da mochila que some tranquilamente-

- Nossa! – diz animada a garota se abaixando e tateando o chão procurando por algum sinal da mochila- Sumiu mãe! – completa ela olhando para o chão e de volta para sua mãe com um sorriso feliz-

- Né filha... – responde com um sorriso mais calmo.

- Senhora – chamo um pouco sério com o punho fechado.

A mulher me olha um pouco preocupada até eu voltar a falar.

- Não posso salvar a sua filha...

- Por que?! – interrompe a mulher num espanto perplexa.

Respiro fundo e volto a falar.

- Não posso salvar a sua filha somente... – falei e completei – vou tirar as duas daqui e leva-las para onde querem ir, que é o outro vilarejo, maior e mais seguro certo?

- Sim... – respondeu a mulher um pouco sem jeito por ter me interrompido e pegando a mão de sua filha, colocando no seu ombro e a segurando. Com as roupas grandes cobrindo a menor e aquela boina antiga na cabeça da menor.

- Pois bem... – Começo a falar, pegando a minha pata, abrindo-a, apontando para cima e puxando o ar para dentro. Assopro para cima das duas mulheres e voltando a falar -...Que seja realizado... o desejo dele – o pó brilha em cor vermelha a cima delas.

A baixo de seus pés, um círculo com formas geométricas simetricamente alinhadas e formandos desenhos e formas varadas aparecem e giram rápido.

- Dele....? – arregala os olhos a mulher enquanto vê o seu corpo sumir dentro fumava vermelha que aumentava e se engrossava.

- Sim... – respondi – Dele mesmo – completei olhando para os olhos dela, que se enchiam de água.

Minha última visão foi a da mulher abrir um sorriso e desaparecer dentro da fumaça.

"Obrigado Senhor Lobo..." Ouvi em minha mente novamente aquela voz masculina que vinha da cabana.

- Agora você pode descansar em paz certo...? – falei para a cabana em si.

"Sim... Agora posso deixar esse mundo... Sabendo que elas estão seguras... que alguém realizou o meu desejo... Que eu mesmo... Não consegui... Realizar..."

- Que bom – respondi e logo perguntei – Você é.... O Marido da moça certo?

"Sim..."

- Imaginei... – respondi com um sorriso no rosto por poder presenciar tamanho amor.

"E o preço pelo 'serviço' ...?"

Parei um instante e coloquei as garras no meu queixo.

Olhei através das paredes da cabana e vi os outros seres do lado de fora insistentemente tentando destruir a cabana.

-Você ainda pode segurar a cabana não é....? – perguntei.

"Sim..."

- Então... eu quero que você segure a cabana por mais um instante e veja o que irei fazer, para você poder descansar em paz – pedi a ele tranquilamente.

"Está bem"

Ao ouvir a resposta, fechei os olhos e a fumava que não havia se dissipado aumentou e rapidamente escondeu meu corpo.

- Desculpe... – falei para a madeira e para as raízes que estavam em volta e dentro da cabana.

***

Do Lado de fora era possível ver os Ogros, Trolls e Arqueiros que estavam junto com o grupo tomando distância.

Um grupo de Trolls estavam trazendo um tronco de arvore maior que a cabana.

- Preparar! – gritou um Ogro maior que os outros e com a cabeça coberta com um elmo.

Os Trolls que carregavam o tronco foram para trás.

Outros apareceram para ajudar a segura-lo por ser muito pesado.

- Apontar! – Gritou novamente e mais alto para que todos o ouvissem.

Todos que seguravam o grande tronco se prepararam com os pés bem presos ao chão e os olhos amarelos firmes e fixos na cabana.

- Agora! – Gritou ele.

Imediatamente todos os Trolls que seguravam o tronco começaram a correr com as passadas extremamente pesadas na terra, alguns deles não conseguiram acompanhar a maioria e caíram para os lados, até a grande maioria chegar próximo da cabana e antes de encostar.

A Cabana explode em pedaços para todos os lados e junto, um grande lobo preto de olhos com âmbar cintilantes apareceu maior que todos os Ogros e Trolls da fumaça vermelha que se espalhou rapidamente pelo local.

- Ah! – Gritou a grande maioria dos Ogros e Trolls que automaticamente saíram correndo se dispersando, inclusive o próprio líder de todos, alguns saíram correndo logo após ver, não foi preciso gritar.

Logonão era mais possível vê-los pelo local nem o seus gritos, e o grande lobopreto foi sumindo na fumaça que se dissipava agora, lentamente, olhando fixopara a frente e vendo o espirito do homem simples, com roupas simples decamponês e barba por fazer além de descalço sorrindo aliviado e feliz, sumindoprimeiro antes do sol sumir por completo, e o lobo também.    

Contos de Um Lobo na Cidade - Vol. 3 - Histórias de Vidas ParalelasLeia esta história GRATUITAMENTE!