Capítulo 2 - Ivy

100 9 1



Corro pelo reino com o coelho em meus braços, os rizamans chegaram para brincar, e nós vamos nos divertir, eles são criaturas peludinhas e coloridas em forma de bolotas, eles tem pés e mãos pequeninos e grandes olhos da cor de seu pelo. Vou até o grande salão, convidar Terna para se divertir comigo. Ela está sentada em uma cadeira alta tomando chá, seu vestido é tão comprido e verde o que faz seus cabelos ruivos se destacarem, seus olhos possuem um tom de mel e naquele momento olham sábios para a xícara, como se Terna estivesse pensando. Terna esta parecida com mamãe e até a maneira como bebe naquela xícara de porcelana parece como a mamãe tomando em sua taça.

- Terna, Terna, vamos brincar com os rizamans no centro de treinamento? – Pergunto derrapando em sua frente e caindo. Gargalho e olho para ela.

- Ivy você não pode agir desta forma, não podemos brincar e correr pelo reino, todos aqui são adultos e precisamos nos comportar como mocinhas sérias e recatadas, e não correr por este reino com esses seus amigos estranhos. – Diz ela em um tom de voz repleto de tédio.

Pisco e olho dela para meus amigos queridos.

- Mas Terna somos crianças e os rizamans não são estranhos, são divertidos e eles vêm para brincar comigo. Então duas podia... – Tento novamente.

- Já disse que não Ivy, como Drakon e Fairy vão se orgulhar de você, se você corre pelo reino como uma criança mal criada? – Ela acusa.

- Mas Terna. –Reclamo.

- Já chega Ivy, não vou brincar, aprenda a se comportar e poderemos ser amigas! – Finaliza ela.

Reviro os olhos antes de sair do grande salão. Seguida pelos rizamans.

A ideia dos rizamans é tão divertida que mal posso conter a ansiedade. Vou até o quarto de Doriam e pego alguns itens de sua coleção de pedras bonitas, depois vou até o quarto de Ravi e pego alguns itens de sua coleção de armas. Juntos com meus amigos rizamans escondemos todos esses itens dentro da floresta e começamos a desenhar dois mapas no meio do centro de treinamento, um para Ravi e um para Doriam, começo a colorir no chão do centro de treinamento, com os rizamans correndo ao meu redor. Ouço um grito alto quando uma flecha passa a centímetros de mim, indo parar em um dos alvos mais para trás.

- Pequena Ivy, você quer me matar de susto? Não pode ficar no meio do campo das flechas. – Manola me pega carinhosamente em seus braços, ela é uma das semi soberanas mais lindas do reino, com cabelos e olhos cor de fogo e o sorriso sempre gentil e Spike, alto, com os olhos de chocolate derretido, cabelos curtos e encaracolados da cor do sol, recolhe meus desenhos, eles me colocam no chão na sala onde treinam com espadas.

- Aqui é mais seguro para você desenhar, mas não creio que o General vá gostar de vê-la por aqui. – Diz Spike sorrindo. – Mas você tem uma facilidade enorme para tira-lo do sério, o que está fazendo afinal e com todos esses rizamans?

- Escondi alguns itens de Ravi e Doriam, estamos fazendo um mapa para que eles os encontrem. – Digo e Manola e Spike se entreolham.

- Menina Ivy, não acho que isto seja prudente. – Começa Manola.

-É para ser divertido, não prudente, além do mais o Prudente está agora mesmo na sala do trono falando sobre coisas chatas, ele é uma mala. –Digo a última parte baixinho e olho para os lados agitada. –Sua companheira imprudência é bem mais divertida.

-De fato. –Diz Spike e Manola lhe dá um tapa no ombro.

-Entregue este mapa para o Ravi, Spike e você Manola entrega este para o Doriam. –Então abaixo a voz e peço para eles se aproximarem, eles o fazem e sussurro. –Não contem a eles, mas a última parte do mapa é quem descobrir onde me escondi, ganha.

Os Soberanos de GardiaLeia esta história GRATUITAMENTE!