CAPITULO 16 - back in time.

433 44 3

02/12/2015.
Talvez os pais não saibam, mas os filhos dele de 20 anos adoram uma festa, mas eles odeiam se arrumar para elas.
- Ian!!!!!! É a porra da minha formatura e você tá no banheiro tem 20 minutos!
- Use o seu banheiro, Amora!
- Eu até usaria se a merda do Gabriel não tivesse cagando no meu banheiro. Nossa mãe não entende que deve dar um quarto pra esse menino, porque mesmo que ele já tenha ido embora tem um ano ele adora vir cagar aqui em casa.
Saí do banheiro antes que minha irmãzinha destruísse a porta de tanto soco.
- Obrigada, embuste. - Ela entrou, trancando a porta e colocando my chemical romance alto pra tocar.
Amora era um doce. Com cabelos encaracolados e escuros na altura do peito e olhos bem azuis, Amora era a luz da nossa vida a 17 anos, mas ela não agia como tal.
- Da pra parar de cagar no banheiro da Amora? Ela usa o meu quando você apossa o dela. - Gritei pra Gabriel, tendo pena do vaso sanitário e voltando para o meu quarto.
Coloquei um terno, um sapato e joguei meu curto cabelo loiro pra trás. "Eu fico muito bem de terno, porra." Repeti para mim mesmo. Eu era um pouco narcisista.
- Ian, você já está pronto? - Minha mãe abriu a porta do meu quarto, com expressão cansada. Felicia Castelli era a mulher mais bonita do mundo. Loira, no auge dos seus 45 anos, minha mãe estava sempre bem arrumada, mas sempre cansada. Eu e Amora temos os olhos dela, mas Gabriel herdou o castanho do meu pai.
- Estou, dona Felicia, estou.
- Amora?
- No banheiro.
- No seu? - Ela franziu a testa.
- Gabriel...
- Merda, precisamos arranjar um quarto para Gabriel.
- Precisamos.
Acontece que meu irmão era noivo. Com 23 anos, Gabriel Castelli ficou noivo de Diana, uma colega de classe da faculdade dele. Aos 24, ele ainda almoçava e cagava lá em casa, o que indica que nem tudo dava certo no relacionamento deles.
E então Amora saiu do banheiro:
- O que vocês acharam? - Ela perguntou.
Minha irmã era linda. Os cabelos volumosos estavam presos pra trás, em duas tranças, batendo nas costas nuas do vestido. Era um vestido roxo, sua cor preferida, já que Amora era amante de cores escuras, o que sempre destacava seus olhos. Eu amava minha irmã mais do que qualquer pessoa no mundo. Amora Castelli era meu passado, presente e sempre será o meu futuro.
- Você é a irmã mais linda que eu tenho. - A abracei, dando um beijo em sua cabeça.
- Sou a única que você tem, principe Ian.
Quando crianças, minha mãe nos apelidou. Rei Gabriel, principe Ian e Amora adormecida. Gabriel por ser prepotente, eu por ser gentil e Amora por ser preguiçosa. Sempre fomos unidos, mas algo mudou quando Gabriel saiu de casa... nos sentindo traídos e sozinhos, já que nossos pais eram as pessoas mais instáveis do mundo, eu e Amora nos tornamos uma dupla. Éramos nós dois contra o mundo.
- Você vai com isso aí? - Minha mãe apontou para os pés de Amora.
- Mãe... - minha irmã abaixou a cabeça.
- É sua formatura, Amora! Eu não vou permitir que você saia com essa...essa coisa de casa! Vá já buscar um salto.
- Mas mãe...
- Já, Amora!
Amora saiu do quarto emburrada, batendo com o all star preto no chão.
- Você precisa entender que Amora não é sua princesa, Felicia.
- Eu sou sua mãe, Ian, não me chame pelo nome.
- Aja como uma verdadeira mãe pra Amora, que eu começarei a te tratar como uma.
Saí do quarto, descendo as escadas para apressar Gabriel, mas ele já estava pronto e sentado na sala.
- O deu em Amora? - Perguntou.
- Felicia.
- De novo?
Me joguei no sofá ao lado dele.
- Isso nunca vai parar.
Quando minha mãe ficou grávida pela primeira vez, ela pediu a Deus e ao Universo uma menina. Veio Gabriel. Na segunda vez, ela rezou para todos os santos existentes nesse mundo. Veio eu. Quando ficou grávida de Amora, ela  fez um quarto cor de rosa, com bonecas e todas aquelas coisas padrões de meninas. Amora era pra se chamar Sofia, se o Ian de 3 anos anos de idade não tivesse decidido que Amora era o nome mais lindo do mundo por ser o nome da fruta mais gostosa do mundo.
Quando Amora desceu as escadas, ainda estava linda, mas não era Amora. A minha Amora Castelli era a menina da camisa do Nirvana, do all star preto sujo, do short de cós alto e da repulsa por sutiãs. Era a Amora do Tame Impala, do delineado forte e do batom vermelho borrado. Era a Amora da risada alta, das fotos conceituais e do amor por Donnie Darko. A minha Amora não usava salto e nem aquela maquiagem toda.
- Vamos? - Ela disse, sem animação.
Atras dela, desceu meu pai, Augusto Castelli, alto e de cabelos escuros, uma versão mais velha de Gabriel e minha mãe que com seu vestido azul claro se tornava apagada ao lado dele, mas ainda assim muito elegante.
Já dentro do carro, resolvi que faria alguma coisa pra melhorar aquela noite. Era a noite de Amora, nada tiraria aquilo dela.
- O que foi, Ian? - meu pai perguntou, quando abri a porta do carro.
- Esqueci algo, não demoro.
Em dois minutos eu já estava com uma mochila e dentro do carro novamente.
- Que diabo é isso? - Amora perguntou, mas eu apenas dei um beijo em sua cabeça.
- Você confia em mim?
- Sim, alteza.
- Então pronto.
O salão estava bonito, como toda festa de formatura. Menininhas bem arrumadas, praticamente todas iguais. Após várias sessões de fotos com meus pais, eles foram se sentar e Amora se preparou para ser fotografada comigo e Gabriel.
- Não. - Falei. - Comigo você é só a Amora.
Retirei da mochila seu all star.
- Tira essa merda do pé.
- É pra já.
Ela sorriu enquanto eu passava a mão em seu rosto, tirando o excesso de maquiagem.
- Essa farinha toda da pra alimentar uma África.
Amora ria alto enquanto jogava os sapatos de salto em minha mochila. Mais tarde, eu queimaria aquela merda.
Ela sorriu, deu língua e eu a segurei no colo para a melhor foto de formatura de todos os tempos. Minha irmã era do caralho.
- Olha quem chegou!!!
Amora saiu de perto de mim, correndo pra dar um abraço na gostosa da minha vida. Agnes Masquerin era melhor amiga de Amora, mesmo sendo dois anos mais velha que ela, e também minha namorada. Loira, olhos claros, alta e magra, Agnes era modelo e eu o cara mais sortudo do mundo. Eu não a amava, mas gostava de estar ao lado de uma mulher daquela. Ela e Amora eram amigas desde sempre, mas eu comecei a pegar Agnes só a um ano atrás.
- Baby - ela me deu um beijo na bochecha e posou ao meu lado pra tirarmos fotos com Amora. A amizade das duas sempre foi muito bonita.
A noite seguiu tranquila por algumas horas, meus pais foram embora meia hora depois que a festa começou, então começamos a beber e dançar. Foda-se se Amora era de menor, do meu lado e no dia dela ela faria o que quisesse.
Enquanto estávamos dançando, Agnes me abraçou, fazendo voz de bebe:
- Estou com saudade de você.
Eu estava ignorando ela tinha duas semanas. Às vezes ela era um pouco grudenta.
- Que tal matarmos isso? - Falei, sorrindo de lado.
Ela segurou minha mão e saímos do salão.
Dentro do carro de Agnes, ela já estava no meu colo em dois minutos. Que mulher. Ela me beijava, tirava meu paletó e sorria...que puta sorriso ela tinha.
- Baby. - falou, em meios a gemidos e risadas.
- Que foi?
- Eu te amo.
"Porra, Agnes. Pra que você foi acabar com a porra toda? Vou ter mesmo que te iludir?" Pensei.
- Eu também. - Falei, passando a mão em seus longos cabelos loiros.
Algum tempo depois, enquanto fumávamos maconha e riamos de alguma coisa, Gabriel bateu no vidro do carro de Agnes:
- Foi mal atrapalhar aí, galera, mas algum de vocês viu a Amora?
Tirando as pernas de Agnes do meu colo, eu abri a porta do motorista e encarei Gabriel:
- Ela estava com você.
- Eu sei, brother, fui levar Diana na porta e em dois minutos Amora sumiu. Relaxa, ela deve estar no banheiro, só vim perguntar porque achei que talvez ela estivesse com você.
- Porra, Gabriel. - Eu o empurrei. - PORRA!
Sem entender, Gabriel ficou parado enquanto eu saí correndo pelo salão atras de Amora. Eu era um pouco superprotetor, mas Amora tinha péssimos amigos, então eu tinha razão em ser.

LISA [COMPLETO - EM REVISÃO]Leia esta história GRATUITAMENTE!