QUESTIONÁRIO.

360 37 0

Após comer metade de uma pizza de marguerita, Lisa deitou na cama e colocou os braços na testa, cruzando-os.

- Eu vou dormir na cama. Você pode dormir no chão, se quiser. - Falei.
- Você é engraçado, Ian.
- Sou?
- Sim. - Ela deitou de bruços, abrindo completamente os braços e as pernas, tomando conta de metade da cama.

Eu pude notar o quanto a bunda dela parecia incrivelmente redonda naquela posição. Ignorei o pensamento obsceno e sentei no chão, dando de frente com o rosto dela.

- Levante-se. - Falei.
- Acho que não, Ian Castelli.
- Agora, Lisa Wengrov.
- Por que o seu nome me parece tão comum?

Ela semicerrou os olhos.
Eu engoli em seco.

- Não sei.
- Eu sei...de algum lugar...eu conhe...AH! - Ela se sentou rapidamente, me encarando. - Você tem alguma coisa a ver com os hotéis Castelli?
- Meus pais são donos de alguns.

Odiava falar sobre minha família, se Lisa insistisse no assunto eu precisaria ser grosso.

- Entendi. Nossa, você tem algum parentesco com Amora Castelli? Eu me lembro até...
- Ela era minha irmã. - Interrompi, antes que Lisa pisasse em território proibido. Não pude conter meus olhos, que encheram de lágrimas no momento que ouvi o nome de Amora.

Percebi que ela se encolheu.
- Podemos não falar disso. - Ela sugeriu.
- Seria uma ótima ideia.
- O que você faz da vida além de viajar?
- Isso é um interrogatório?
- Sim.
- Viajar é o que eu faço da vida. Eu tiro fotos.
- Tire uma minha.
- Agora?
- Não, claro que não, estou horrível, mas tire uma minha quando você achar que estou apresentável.

Fácil. Vou tirar fotos dela todos os dias.

- Combinado. E você? o que a grande Lisa Wengrov faz da vida?
- Bom, eu estudo, eu faço ballet, natação, aulas de piano e ajudo na empresa dos meus pais.
- E você respira quando mesmo?
- Palhaço. - Ela soltou um riso baixo. - Eu consigo me organizar, embora não goste de 60% do que faço.
- Do que você gosta?
- Eu gosto de paz.
- E o que te da paz, Lisa?
- Eu já nem sei mais. - Lisa deu de ombros.
- Se não gosta, por que faz?
- Você não gostaria de irritar Mercedes Wangrov. Minha mãe paga todas as minhas aulas e ela não aceitaria que eu abandonasse alguma delas.
- Nem que fosse pra te ver feliz?
- Eu sou feliz! - Ela falou, na defensiva.
- Você parece não acreditar nisso.
- Que horas são?
- Quase três da manhã.
- Me deixe dormir. Amanhã eu tenho aula. - Ela se deitou, virando para o lado onde eu não estava.
- Lisa, eu não...
- Sabe, Ian, eu não te conheço. Você não me conhece. Então quem você pensa que é pra julgar se sou feliz ou não? - Ela jogou as palavras na minha cara, sem se virar.
- Não foi a intenção.
- Eu não...eu não...Deus, eu sei! Eu só queria ser livre.
- Você está na casa do irmão de um estranho que conheceu a menos de 24 horas. Você é livre, Lisa, só precisa de lembrar disso de vez em quando.
- Nem eu iria a guerra por mim, Ian.

Eu apaguei a luz do quarto e deitei no chão. Estava tão cansado que adormeci ali mesmo.

O sol queimava na minha bochecha e eu precisei levantar. Lisa não estava na cama, e eu presumi que ela tinha ido embora. Levantei num pulo.

- Lisa? - Abri a porta do quarto, me deparando com Lisa e Gabriel jogando videogame no sofá da sala. Bastardo.
- Bom dia, bela adormecida, o chão estava como você gosta? - Gabriel perturbou.
- Lisa, você não...
- Tenho planos para nós hoje, vá colocar uma camiseta. - Ela disse - E vê se coloca do lado certo dessa vez.

LISA [COMPLETO - EM REVISÃO]Leia esta história GRATUITAMENTE!