Capítulo 2

6.5K 566 87



Anos antes

—Gregory, olha ali a bruxa! —Heitor meu melhor amigo, aponta para onde Shavanna está. O pai de Heitor é um dos sócios da empresa da minha família. —Vamos zoar ela!

—Olha a roupa dela como é estranha. — Digo sorrindo

—Ela é toda estranha, menina feia! —Heitor completa

—Da última vez que falei isso, ela me jogou no lago! —Digo com medo do meu melhor amigo dizer algo e eu ter que pagar como da última vez.

Porém, quem disse que Heitor escuta uma palavra do que eu digo?

—Shavanna! —O idiota chama sua atenção. —Você é ridícula, a menina mais feia que eu já vi na vida! —Ele provoca e começa a rir

Vejo o exato momento em que Shavanna pega uma pedra do chão e acerta em cheio a cabeça de Heitor. Droga, Heitor! Porque você tinha que ser tão idiota?

Dias atuais

Acordo com uma baita dor de cabeça, passo a mão e sinto um pequeno galo causado por aquela louca, ela sempre teve um gênio forte, mas achei que com o tempo melhoraria. Me pego lembrando do exato momento em que a vi naquela porta, do modo como me derreti ao vê-la, ela havia mudado, ela já não era mais a garotinha feia e estranha que eu conheci, agora ela era um mulherão da porra, linda pra cacete e gostosa pra caralho!

Será bem difícil me controlar!

—GAROTÃO, LEVANTA DESSA CAMA, AGORA! — Ela entra no meu quarto feito um furacão e vem em minha direção já puxando meu edredom. —Ai, caralho! —Coloca as mãos nos olhos. —Você está... —Abre uma pequena brecha dos dedos. —Nu!

—O que está fazendo aqui? —Pergunto puxando novamente o cobertor. —Não me diga que se arrependeu de não ter dito a melhor noite da sua vida e quer reverter isso... —Dou um sorriso e coloco os braços atrás da cabeça. —E sim estou nu, mulher alguma jamais reclamou deste fato.

Ela revira os olhos

—Te acordar, oras! Jeffrey estava ocupado e então eu resolvi ajudar a acordar a bela adormecida. — Diz com um sorriso maléfico. —e, o único arrependimento que eu tenho é não ter pego um jarro maior.

—Jeffrey só pode ser burro ou é surdo. —Fico indignado, como Jeffrey pôde deixar essa insolente subir aqui e ainda fazer pouco com a minha cara? —Eu dei duas regras apenas a ele e a primeira foi quebrada, saia do meu quarto agora e mande seu pai subir imediatamente. —Ela tira as mãos dos olhos ignorando completamente minha nudez, vem até onde estou deitado e aponta um dedo no meu rosto, enquanto eu me seguro para não a agarrar.

—Escute bem, primeiro que eu não sua empregada e muito menos tenho cara de ser empregada sua, não é porque estou na sua casa que irei seguir suas regras e me aguentar é o mínimo que você deve fazer depois de tudo que Jeffrey fez por você! —Olho incrédulo para ela, Shavanna continuava a mesma garota abusada de sempre, porém, dessa vez com certa razão, eu devia mesmo isso a Jeffrey, ele deixou sua própria família para não me deixar um órfão sozinho, eu aguentaria esse furacão, eu devia isso a Jeffrey mas, isso não significa que seja fácil depois de ver como ela ficou gostosa pra caralho.

Ela sai pisando duro e eu dou graças a Deus, levanto da cama e vou para o banho tentar esquecer o furacão Shavanna, passo uns bons trinta minutos embaixo do chuveiro, saio do banho, me visto e vou para a sala de jantar tomar meu café da manhã, sento a mesa e Jeffrey solícito como sempre me serve um suco de laranja natural.

—O que você fez com a Shavanna? —Jeffrey pergunta me olhando com uma grande interrogação na testa. —Ela saiu daqui cuspindo fogo.

—Porque mandou ela até meu quarto? —Pergunto com raiva. —Qual a parte de não querê-la zanzando pela mansão você não entendeu?

—Bom, eu estava ocupado e já tinha passado da sua hora de acordar e então, eu pensei...

O interrompo

—Não te pago pra pensar, Jeffrey, te pago para seguir minhas ordens. —Eu nunca havia falado com Jeffrey naquele tom, porém aquela maluca estava me deixando louco e eu não suportaria ficar com ela por muito tempo. —Só estou a aturando por causa de você! Porque ela é sua filha.

—Se o senhor já terminou, preciso me retirar, vou agora mesmo colocar minha filha no seu devido lugar.

Dou autorização para que ele possa ir conversar com a filha. Fico com milhões de pensamentos, nunca pensei que uma simples garota podia me tirar do sério tão facilmente como ela fazia, ela me contrária e nunca ninguém me contrária, minha palavra é quase lei e não seria uma garotinha qualquer que mudaria isso. Saio de casa e vou direto para a empresa, apesar de todos pensarem que sou apenas mais um riquinho que não faz nada além de passar o tempo inteiro fazendo festinhas particulares, eu tenho responsabilidades e no momento em que eu passava pelas portas da empresa eu me transformava em outro Gregory, um homem sério e respeitado por seu trabalho.

—Gregory, meu amigo, a garota era uma baita gostosa, pena que não deu tempo de pegar seu número, eu até tentei, mas, quando eu fui atrás dela, ela já havia pego o ônibus! —Heitor, meu melhor amigo desde a infância estava me contando que havia visto uma garota muito bonita gritando feito louca no meio da praça e que mais uma vez estava apaixonado.

Heitor era o cara que mais se apaixonava que eu conhecia.

—Pelo que você contou —Tiro minha atenção do computador onde estou trabalhando para lhe dar atenção. —Essa garota só pode ser mais uma dessas malucas que querem chamar atenção a qualquer custo.

—Maluca ou não, quero aquela garota na minha cama! —Heitor era um conquistador nato e todas as garotas caiam em seu papo barato, ele era o segundo cara mais cobiçado entre a elite ou melhor, o segundo mais cobiçado entre a mulherada, ele só perdia mesmo pra mim.

—Enquanto não encontra a dona misteriosa, vamos nos divertir com as que já conhecemos! —Digo voltando a atenção novamente pro computador. —Te espero na mansão hoje à noite.

Domando a Fera - Livro 1 (Degustação)Leia esta história GRATUITAMENTE!