Capítulo 56 - Ned White, parte 1

19 8 4
                                                  

Ned estava cansado de derrotas. A muito tempo não via nenhuma. Droga de cidade. Que povo de merda. Rotina dos infernos e outros pensamentos permeavam seu dia.
A gota d'água foi quando o prefeito lhe mandou prender um inocente por cauda de um capricho e, ao receber a recusa de Ned, o insultou e ameaçou tirá-lo do cargo de xerife. Que idiota! Acha mesmo que me importo com este maldito cargo? Me chame disto novamente e eu vou lhe fazer engolir suas tripas, seu almofadinha de merda. Só que isto não foi um pensamento. Foi a fala furiosa de Ned a um dedo de distância dos olhos do prefeito que urinou mas calças ao ver os as pupilas furiosas de Ned. Fique com sua cidade e toda a escrotidão que nela habita! Pegou suas poucas coisas e partiu sem rumo, em seu cavalo quarto de milha. Na saída da cidade, uma senhora segurando um filho no colo lhe agradeceu, lhe dando um saquinho de balas de canela. Só faltava isto. Odeio bala de canela.

Depois de cavalgar sem direção, decidiu procurar o irmão caçula. Sabia que Frank havia se mudado para uma cidade pequena depois que o sobrinho Jeff nasceu.

Retornou ao último endereço de Frank e iniciou a investigação. Foi parar em um cartório onde encontrou a cópia da escritura das terras que Frank comprara.

No caminho até as terras do irmão encontrou um menino cigano e seu cão. O cão lembrava a Espora, uma cadela pastor alemão que tivera quando os pais ainda eram vivos. Algo estranho no menino lhe chamou a atenção mas não sabia dizer o que era. Deu as balas de canela para o garoto. Duvido muito que goste dessa merda.

Chegou a casa do irmão. Chamou por alguém e depois de algum tempo foi até a porta da casa. Havia sinais de alguém passando por ali recentemente mas as coisas ao redor da casa estavam abandonadas a algum tempo. Girou o trinco e entrou pela porta que não estava trancada.

Jeff mais leve que o arOnde as histórias ganham vida. Descobre agora