Saudade é um pouco como fome

49 1 0

"Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: se quer absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida". (Clarice Lispector)

"É estranho sentir saudade sem ter tido. Do abraço sonhado, de um sono nunca dormido e nunca acordado, de um vento que nunca entrou a janela, de um beijo que nunca molhou."

É um tempo em que os corpos vivem separados e o corpo também deixou a alma lá nos anos, o que torna o humano menos humano e, por outro lado, cobra uma humanidade que nos carrega e nos perde mais. A presença não foi nem será substituída, está apenas ludibriada por uma série de coisas que criamos e, afoita, aguarda pela hora de voltar e unir os corpos, os olhos, as peles, os suores, as bocas; aguarda pela troca de dois em um, pela cumplicidade daqueles olhos que se falam.

Essa ausência da presença é a causa da fome que sentimos na boca, no peito, no sexo, nos olhos, nos ouvidos, nas mãos. O ser humano sempre desejou, mas nunca desejou tanto outro ser humano, porque vivia em bando, depois em comunidade, depois em cidades, até que o muito se tornou nada.

É insustentável viver sozinho e o contrário não é uma escolha, a vida pode ser e ter tudo se nos servirmos dessa parafernália toda que criamos para nos ausentar menos, de nós e dos outros.

"O Sol que brilhou hoje no meu olho, deve ter tocadopelo menos o casaco dela." 

© Dan Porto

www.danporto.com

Viver e ajudar a ViverLeia esta história GRATUITAMENTE!