Capítulo 5 - Marcos

505 34 6

Aposto que a minha apresentação gerou muita ansiedade por aqui. Entendam, quis dar um tempo de "suspense" para fazer uma entrada em grande! Até porque eu nem sou tudo isso que anuncio, mas quero vos contar a minha parte dessa história que vocês estão acompanhando. Sinto muito pelas vossas unhas roídas, não era minha intenção. Vejam pelo lado bom, não precisam nem pagar a manicure dessa semana! (Sem graça).

Apesar de me apresentar com tanta pompa, sou um jovem de 24 anos, no princípio da carreira. Bastante tímido, por sinal. Particularmente, não é uma qualidade muito apreciada no meu ramo profissional, jornalismo. Mas eu tenho feito os possíveis para diminuir os danos desse "contratempo".

Vou contar-vos sobre o acontecimento que mudou a minha vida, deu a volta completa em tudo o que eu havia planejado para o resto dos meus dias...e me deu o maior presente que eu já recebi.

Naquele dia tudo parecia estar dando errado. Acordei tarde, perdi o meu ônibus para a emissora onde trabalhava, fui correndo e cheguei lá tão suado que parecia ter saído na chuva. Sei que provavelmente você está achando essa descrição um pouco desnecessária, mas eu gosto de imprimir o cenário na mente do leitor. Enfim, consegui chegar com dez minutos de atraso, um deslize que eu procurava evitar ao máximo.

Tirando esses "pequenos" contratempos, o dia terminou relativamente bem. No fim do expediente, juntei todos os meus pertences e fui enfrentar mais um ônibus lotado de regresso a casa. Nunca tive nenhuma sorte em questão de transporte público. Já tentei esperar "o próximo", mas ele sempre vem mais lotado que o anterior. Não há muito a ser feito, o jeito é entrar no primeiro que aparecer e orar para não ser muito espremido e apertado. Sem contar com o perfume humano que parece impregnar suas narinas assim que você entra no transporte público. Toda aquela dignidade que ousamos ostentar quando saímos de casa pela manhã se perde no humilhante acúmulo de corpos humanos suados no final do dia. É como eu disse, minhas descrições podem ser um pouco desnecessárias, mas espero receber algum sinal de empatia dos meus queridos leitores.

Assim que meu transporte chegou, apressei-me para subir e encontrar um lugar vago. Não preciso comentar que isso foi impossível. Mas me conformei com as barras de segurança. Encostei-me em uma das janelas, perto de duas senhoras que conversavam alegremente. Sem querer querendo, acabei ouvindo o que as duas falavam. Quem nunca acabou entretido em uma conversa apenas por estar próximo?

Elas conversavam sobre o culto do domingo anterior. Pelas informações que consegui, elas pareciam fazer parte do mesmo templo que eu frequentava, por isso agucei mais os ouvidos para ter mais detalhes. Faltei ao culto em questão por causa de uma virose que acabou me derrubando. Muita febre e fortes enjoos.

— Marilene, você precisava estar lá! Deus usou o pastor de uma forma linda, falando sobre a vinda de Cristo! Ele falava com muita autoridade, você precisava ver!

— Não consegui chegar, fui visitar os netinhos à tarde e descuidei-me do tempo. Não os via há algumas semanas...

— Eu entendo, mas deixa eu te contar...no final do culto, várias pessoas aceitaram a Jesus e alguns jovens foram batizados com o Espírito Santo! O clima de adoração era perfeito, eu só fazia chorar...

Quanto mais ouvia o relato, mas me arrependia de ter faltado naquele dia. A minha desculpa tinha sido a gripe, mas no fundo eu sabia que as minhas ausências já eram costumeiras. Estava vivendo uma época da minha vida em que ouvia apenas o silêncio de Deus, e isso me entristecia de uma forma que eu não gostava de admitir. Nunca ousei pensar sequer em deixá-lo, isso nunca! Mas a minha alma fraca ansiava por uma palavra de apoio, incentivo...algum sinal de que eu não estava só no mundo. Só uma confirmação. Hoje percebo que Deus falava, mas eu estava sensível apenas às palavras que desejava ouvir. Outras vezes, minha inquietação falava bem mais alto, abafando a voz do meu Pai.

Enquanto prestava atenção às senhoras, não notei que comecei a chorar. Sim, do nada! Acho que comecei a me imaginar naquele culto, sentindo a presença de Deus, e seu abraço de conforto mudando completamente a tempestade em que meu coração estava. Foi então que uma delas me notou e falou.

— Não chore, meu jovem. Jesus te ama. Ele morreu na cruz por você. Não sei o que está lhe incomodando, mas Ele pode te ajudar, não importa o quão impossível pareça aos seus olhos.

Essas palavras foram a desculpa que eu precisava para chorar ainda mais. Enquanto as lágrimas desciam, minha alma era lavada. Eu sabia da morte de Cristo, eu conhecia a bíblia e todas as histórias que me ensinaram desde a infância, mas precisava ouvi-las, mais uma vez. A mensagem da cruz também é direcionada aos salvos, pois muitas vezes nos deixamos levar pelos conflitos e preocupações da vida, afogando nossa alegria em prazos para entrega de trabalho, correria do dia-a-dia...e quando ouvimos o convite para o que está distante de Jesus, no final do culto, entramos em stand by. "Essa parte não é mais para mim." Mas é!

— Deus tem um plano muito grande na sua vida. — Ela continuou falando. — Eu já o vi na igreja, e sei como é fiel em tudo o que faz, e que procura agradar a Deus. Saiba que para tudo o que fazemos há recompensa. Tudo o que fazemos para ajudar no crescimento da obra, tem galardão! E o seu não tarda em chegar. Aguarde, meu jovem. É muito grande o que vem por aí! Muitos nem imaginam, não acreditarão no que seus olhos verão.

Senti uma onda de conforto se aproximando, em minha direção. Aos poucos a paz me inundou completamente. Segurei-me para não falar em línguas ali mesmo. Naquele momento pude ver o quanto eu estava necessitado de um renovo, de repor as reservas espirituais. "Amanhã vou para o círculo de oração, sem falta!", falei mentalmente.

Aquele dia foi confirmação de uma promessa que Deus já havia me feito. Eu sabia que necessariamente não aconteceria no dia seguinte, mas pude sentir esperança em relação ao meu futuro. De qualquer forma, a promessa feita começou a se cumprir no dia seguinte, no Círculo de Oração.

Liberdade - Uma história de amor e féLeia esta história GRATUITAMENTE!