Capítulo 2 - A Reviravolta

742 48 22

O círculo de oração mal havia começado, mas já estávamos sentindo a presença de Deus bem perto. O grupo das irmãs foi convidado para louvar ao Senhor enquanto a igreja continuava glorificando sem cessar. O ambiente era fervoroso, não tinha como resistir. Até o coração mais duro e frio render-se-ia naquele momento. Ao meu lado, Lídia não continha as lágrimas e louvava com a alma, sentindo o toque divino.

— Quero convidar as duas moças Lídia e Hellen para louvarem com um hino. Aproveitando a oportunidade, faremos o recolhimento dos dízimos e ofertas para a casa do Senhor.

Gelei. Não estava esperando uma oportunidade, queria apenas ouvir Deus falar e ficar no anonimato. Mas levantamos, enquanto pensávamos em um hino que ambas soubéssemos. A oração terminou, e tomamos os nossos lugares à frente dos microfones.

Escolhemos um hino que, apesar de ser bem conhecido e cantado nas igrejas, ainda tocava bastante quando cantávamos. Não sei para quem ouvia, mas para mim era uma oração cantada. "Espírito Santo, ore por mim. Leve a Deus tudo aquilo que eu preciso...". Cantei o que o coração queria dizer, não foi difícil sentir as palavras já que saíam como a minha própria oração de todos os dias. Em dado momento, uma brisa fez-se sentir em toda a igreja, trazendo um mar de manifestações espirituais desde o último banco até o lugar onde estávamos.

E quem conseguiu louvar depois disso? Eu sentia como se estivesse sendo abraçada de uma forma completamente diferente. Um abraço forte, do qual eu não conseguiria me soltar. As lágrimas jorravam sem controle, e uma alegria sobrenatural me invadiu. Foi inesperado, mas perfeito. Deus sabia o quanto eu estava precisando daquele abraço, e a graça foi derramada sobre mim. Meus "níveis" de fé se elevaram, e tudo parecia irreal. Digo até hoje que mesmo sem asas, naquele dia eu seria capaz de sair voando dali.

Voltamos aos nossos lugares como crianças, sentindo em cada célula a presença do nosso Criador. Não tem como explicar para alguém que nunca sentiu essa alegria como é revigorante sentir a presença de Deus. A pregação foi transmitida por um obreiro convidado. A palavra foi sobre a fé, que deve ser o fundamento principal para a edificação espiritual do crente.

Sem fé não podemos agradar a Deus. Sem a fé não cremos na bíblia, não cremos nos milagres que Deus fez, faz e fará. Acreditamos na existência de um Deus que não foi criado, mas que é eterno, onisciente, onipresente e onipotente. Somos instruídos a manter a fé mesmo quando tudo parece estar dando errado, ainda que os nossos esforços pareçam vãos, porque "a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem." (Hebreus.11:1)

Senti que aquela palavra se aplicava a mim. Apesar de ter fé, por muitas vezes me deixei levar pelas dúvidas, pelas dificuldades que apareciam e se colocavam entre mim e algum sonho ou objetivo que eu tinha em mente. Minha fé ainda era uma criança pequena, que precisava ser alimentada a todo o momento, e exercitada para não ser derrubada pelos ventos das adversidades. Decidi que a partir daquele momento não mais deixaria que as dúvidas esmagassem a minha fé no impossível. Mal sabia eu que algo aconteceria para me testar.

Me lembro daquele dia como um dos mais marcantes da minha vida. Depois do episódio na hora do louvor, algo mais me chamou a atenção. Durante os louvores do círculo de oração, uma voz diferente acompanhava os hinos. Uma voz forte, fazendo uma divisão de outro mundo. Sempre fui muito atraída pela música. De todos os talentos do mundo, meu sonho sempre foi viver a música como sendo uma parte de mim. Parabenizei mentalmente a ótima desenvoltura do dono da voz. Só mentalmente mesmo! Se era uma coisa que eu não gostava de fazer era falar com rapazes sem conhecer. Vergonha? Pavor? Besteira minha? Não sei dizer, mas sempre fui de ficar mais na minha.

A curiosidade pode ter falado mais alto. Quando terminou o culto, disfarçadamente procurei a trajetória que a voz teria feito para chegar aos meus ouvidos. Posso dizer que não acreditei assim que vi, mas repensei e me censurei pelo meu juízo precipitado. À minha frente estava um rapaz de estatura mediana, pele morena e olhos claros.

Não sei se pelo tamanho ou outra coisa qualquer, mas não acreditei que a voz era dele. Acho que esperava alguém de 1,90m, feições de cantor e uma clave de sol bordada no bolso da camisa, combinando com o acessório de gravata. Esse era o meu pré-conceito do que seria um cantor. Mas é óbvio que talento não é algo que venha escrito na testa ou no bilhete de identidade. Que ideia, a minha...

Alguma coisa mudou em mim depois daquele dia. Não posso dizer que foi influência do tal sujeito que cantava maravilhosamente bem. Até porque a minha primeira impressão já foi descrita. E posso dizer, com toda a certeza desse mundo, não existe amor à primeira vista. Existe sim admiração, mas amor é com o tempo. Não sei se felizmente ou infelizmente, mas nenhum desses foi o meu caso. Foi mais uma cena divertida do que romântica.

— E aí? No quê você está pensando? — Lídia sempre interrompia meus devaneios mais criativos e poéticos. Era um talento invejável, admito.

— Nada, só sobre a vida mesmo...

— Uhum...ainda estamos falando da sua, ou por algum acaso seu pensamento viajou nesses dois segundos entre a minha pergunta e a sua resposta?

— Você consegue colocar palavras até nos meus pensamentos. Que controladora...— Faço um ar de amuada, para dar ênfase.

— Sei...não vou pedir que me explique, nem me conte nada. Mas eu te dou um conselho, aproveite e exercite a sua fé.

— Como? — Me fiz de desentendida — Você consegue ser bem subjetiva, Lids... — Eu sabia exatamente do que ela estava falando. Na verdade, ela também sabia (que eu sabia). Me conhecia melhor do que eu mesma.

— Guarde e aguarde, simplesmente. Não preciso me explicar. Espere e você verá como eu tenho razão.

Aprendi a acatar os conselhos que Lídia me dava. Com vinte e três anos, a experiência dela me proporcionava um manual completo sobre vida e as escolhas que fazemos. Não hesitei e registrei mentalmente mais um conselho. Começava aí uma história inusitada e aparentemente impossível de se realizar. A história que me emociona até hoje ao ser contada. Lídia nunca quis me revelar, se ela já sabia de tudo desde o princípio. Mas ela pôde viver comigo os melhores momentos da minha vida. Ali começava a mais bela canção de amor já escrita e tocada. Ali começava de verdade a vida de Hellen Danielle, a minha vida.

E antes que você se pergunte, preciso deixar claro que história de amor também devemos viver com o nosso Criador. Alguém que não tenha uma relação direta e íntima com o Senhor, não conseguirá entender o que é amor incondicional. Com o tempo eu iria descobrir que poderia sentir mais amor do que poderia imaginar. E Deus era o motivo.

A partir daquele dia, os planos de Deus começaram a ser revelados para mais uma família. Muito cedo para ser considerada, mas Ele já tinha todas as páginas em suas mãos, e mais uma estava sendo virada. Meus planos estavam começando a ganhar forma, mas será que os de Deus estavam acompanhando esse crescimento?

Liberdade - Uma história de amor e fé [Não Concluído]Leia esta história GRATUITAMENTE!