Quebraprata e Resplendor

94 7 0
                                                  

Capítulo 20

Quebraprata e Resplendor

          Fazia apenas alguns instantes que nós estávamos nos encarando, mas os segundos passavam como minutos em minha mente. A sensação fria do Miasma enchendo meu coração cada vez mais enquanto eu observava a expressão cínica do verme à minha frente. Normalmente eu apenas deixaria o Miasma explodir e avançaria com tudo, mas isso só faria com que ele me guiasse conforme sua vontade que nem da última vez. Mas, no nosso último encontro, eu ainda não havia entendido qual era o meu verdadeiro poder, Dragão havia me dado uma pista um tempo atrás, mas só quando eu enfrentei Kendra que finalmente percebi o que ele queria dizer.

          Respirando fundo, minha mão direita apertou-se no cabo de minha espada. Deixando a sensação fria do meu coração se espalhar para minhas pernas, meus braços, e então finalmente meus olhos. Um processo um tanto demorado, já que eu ainda não estava acostumado a utilizar o Miasma de forma tão precisa, mas Veraprata era o tipo de verme com excesso de confiança que adoraria me dar todo o tempo do mundo para me preparar, só para esmagar minhas esperanças durante a luta. Bem, pelo menos desta vez, eu deveria agradecê-lo.

          Sentindo que estava tudo pronto, meu coração batia irregularmente enquanto eu tentava conter o excesso de Miasma para que ele não saísse do controle, eu foquei minha visão em Veraprata como um todo, disparando contra ele com o máximo de velocidade que conseguia atingir em uma arrancada. A resposta dele foi imediata, uma lâmina prateada se estendendo de suas costas em minha direção. Normalmente elas seriam tão rápidas quanto flechas, o que dificultaria perceber para onde exatamente ela estava apontando, mas não. Desta vez, ela se movia tão rápido quanto uma pessoa em passo de caminhada para mim.

          A sensação era estranha, ainda mais porque eu estava o fazendo de propósito. Tudo parecia ter desacelerado, desde a lâmina prateada vindo em minha direção, até os meus próprios movimentos, a sensação era parecida com aquela que se tem quando seus movimentos ficam lerdos em sonhos. Mas eu não podia deixar meu próprio corpo me distrair, mesmo naquele momento, eu sentia como se o Miasma fosse sair de controle assim que desse a menor brecha possível.

          Focando na lâmina, percebi que estava se movendo em direção à minha perna direita, mas seu ângulo não indicava que ia em direção à minha coxa, só a lateral. O verme queria usar machucados leves para me guiar, assim como havia feito na caverna. Porém, desta vez ele descobriria que minha estratégia não era a mesma. Eu não tentaria desviar de seus ataques, não. Eu iria direto para ele, certeiro como uma flecha.

          Movimentando minha perna só o suficiente para que a lâmina nem chegasse a encostar nela, eu continuei correndo. Outras lâminas vieram atrás da primeira. A segunda veio contra o lado esquerdo de meu rosto, a terceira contra meu braço esquerdo, a quarta contra a lateral direita do meu tronco e uma quinta contra minha panturrilha esquerda. Todas tentando apenas me assustar para os lados, mas nenhuma chegando sequer a me tocar.

          Forçar meu corpo a se mover tão repentinamente se mostrou uma tarefa mais difícil do que eu havia pensando mais cedo, mas por enquanto estava funcionando. Eu estava a apenas dois passos de Veraprata, e ele não havia conseguido sequer me arranhar. Com a proximidade, comecei a botar a segunda parte do meu plano em ação. Contrariando a vontade de meu corpo, comecei a forçar o miasma a recuar, fazendo com que as coisas voltassem a se mover em velocidade normal.

          A mudança em minha percepção quase me fez perder o equilíbrio, mas, mesmo assim, movi meu braço direito contra Veraprata em um arco, a lâmina de minha espada foi parada a apenas alguns centímetros de seu tronco por uma de suas lâminas prateadas. Pela primeira vez desde que eu havia chegado, sua expressão mudou de confiante para raivosa. E então uma sensação de queimação tomou conta do topo de minha cabeça.

Estrela MortaOnde as histórias ganham vida. Descobre agora