Capítulo 36 - 30 de julho (Pedro)

39 5 0
                                                  


30 de julho de 2016

Diário!!!!

Amanhã já é o último dia do mês e senti que ainda não fiz nada de jeito neste.

Ok, ainda tive uns exames e consegui tirar boas notas – sim, elas finalmente saíram e tanto o 13 como o 15,7 me souberam a mel. Finalmente estou livre, livre disto tudo! Não poderia estar mais feliz e, sobretudo descansado.

Essa felicidade traduziu-se também no meu irmão. Quem admira que ele fosse ficar contente por mim? Aquele pirralho é, sem dúvida, único.

Mas uma coisa que achei curioso da parte dele. Uma pergunta que me deixou por momentos sem resposta. Para perceberes bem, o meu irmão confia muito em mim. Cena de irmãos, não é? Acredito que também tenhas a mesma relação com os cadernos aqui do quarto (que comparação tão estúpida), mas percebeste o importante.

"– Pedro... O que achas que deva fazer?

- Como assim?

- Sim... Tipo, como é que soubeste para que curso seguir? Se escolhias Ciências ou Humanidades? Foram os pais que disseram? Que te...

- Não, Marco... - respondi, tentando abafar o riso ao perceber que ele estava mesmo a falar a sério. – Ouve-me... - disse-lhe, ajoelhando-me até ficar ao seu nível. – Tu é que escolhes! És o único com esse poder. Tu tens esse direito. Tal como Harry escolheu combater o mal ao invés de se acomodar com base no que os outros o diziam.

- Tinhas mesmo de comparar com Harry Potter? – perguntou ironicamente, rindo-se.

- Escolhas o que escolheres, tens sempre apoio. E as tuas notas são até boas...

- MUITO BOAS!

- Sim, muito boas! Mas isso deixa-te escolher o que quiseres. Porque tu és bom em tudo! Tens de pensar o que gostavas de fazer. Do teu sonho. Não há limites.

- E se escolher mal?

- Se escolheres mal voltas atrás! Aprendes com isso e depois segues em frente. E só tens de te orgulhar disso. De saber reconhecer o erro. De reconhecer que não estavas feliz a seguir esse caminho. E, nunca te podes esquecer de uma coisa.

- Do quê?

- De que o caminho para voltar a casa, por mais longo que te possa parecer, estará sempre lá para ti!"

Se havia coisa que admirava no meu irmão, era o quão fácil era falar com ele. Parecia por vezes tão sábio ou com dilemas tão... tão "adultos" que me espantava a maneira como depois os verbalizava. Possivelmente dos livros que lia. Adorava ler. Adorava ver as notícias e, no seu tempo no computador, vaguear pelas diversas enciclopédias online. E, vê-lo agora com estas perguntas, lembrava-me do quão difícil tinha sido também para mim. Não ter um irmão mais velho que me pudesse mostrar o caminho. Tive sorte nos meus pais, de me deixarem seguir o que queria. De me fazerem pensar e refletir com as suas palavras nas longas horas a conversar à mesa. A eles, estava verdadeiramente grato, e esperava que o meu irmão contasse agora com um apoio mais reforçado.

A conversa com o João também correu bem! Bastante bem. Tinha ficado incrédulo quando disse o que andava a sentir pela Sofia. Riu-se ainda na minha cara ao dizer-me: "Mas tu mal a conheces!"! E ele tinha razão. E também me ri disso, mas sem dúvida que me tinha escutado e aconselhado. E estou pronto a seguir o seu conselho. A atrever-me a falar mais com a Sofia. Agora que estou resolvido com o Carlos e comigo mesmo a nível académico, tenho de tentar o meu lado pessoal.

E farei isso logo agora!

Ok! Depois de amanhã!

Segunda feira hei de correr por Leiria inteira. Hei de a encontrar. Nem que chegue ao final do dia com as pernas bambas de tanto correr. Sei onde mora, mas a ideia de a encontrar por Leiria acho mais satisfatória. Poderei juntar-me a ela. Começar por ser "um amigo de corrida". Abandonar a sua ideia de parceiro. E assim, quem sabe, evoluir para algo mais.

Mas verás! E saberás!

Abraço,

Pedro

P.S.: Ficas Comigo? (Em Revisão)Onde as histórias ganham vida. Descobre agora