Abný, Rágnuq e os Rocanos - parte 2/3

24 8 0
                                                  

O Sábio lendário entregou a caixa para o Mago barulhento.

— Você está segurando os restos mortais de Abný.

O Sábio contou que mil anos após a morte do opressor, o mundo tinha abandonado um pouco de seus desejos maldosos, mas que dentre os novos governantes, um deles tentou conseguir o poder de Abný.

Rágnuq foi até a tumba de Abný e a violou.

Espalhou com as mãos o pó de dentro do caixão, e encontrou o que o faria ser como o tirado do milênio anterior.

"Serei maior, subirei até o mais alto lugar" pensou.

Mas no momento em que Rágnuq teve este pensamento, foi atingido no olho direito por uma flecha Rocana.

— Malditos Rocanos de orelhas pontudas!

Os Rocanos entraram na tumba como um enxame de abelhas, com suas armaduras douradas e espadas curtas, cortando as cabeças da guarda de Rágnuq.

A guerreira Rocana com um só golpe cortou as duas mãos de Rágnuq.

— Rágnuq previsível. Rágnuq desprezível. Rágnuq nós, a grande nação rebelde, lhe condenamos a morte e ao sepultamento no sal — disse a guerreira com voz doce e calma mas que soava como a voz de um trovão.

Então a guerreira levou um dos braços esticados a frente enquanto deixava o peso de seu corpo sobre uma das pernas e levava o outro braço esticado para trás.

Um movimento gracioso.

E mortal.

Seu movimento desencadeou-se para frente culminando na ponta de seu dedo médio tocando o peito de Rágnuq que morreu naquele instante.

Os sacerdotes Rocanos guardaram o que estava no interior do caixão nesta caixa, usando uma magia antiga e poderosa.

A caixa ficou em segurança no reino dos Rocanos por mais de dois milênios até o dia em que se esqueceram dela.

O mundo conheceu a paz que vemos hoje onde cada um come do fruto de seu trabalho.

E a caixa perdeu seu lugar neste mundo. Um simples erro burocrático e a caixa foi despachada para algum lugar por alguma pessoa que não fazia a menor idéia do que estava fazendo.

Muitos relatos da jornada da caixa jornada foram escritos, mas sempre depois de muito tempo em que a pessoa que relatava tais fatos já não estava mais com a caixa.

Este foi o caso da Rainha da floresta, que encontrou a caixa nas mãos de um esqueleto, dentro de uma caverna e depois de usá-la como peso de papel durante mais de uma década a trocou por um chapéu.

§fim da parte 2/3

Jeff mais leve que o arOnde as histórias ganham vida. Descobre agora