Determinação

56 6 0

Capítulo 18

Determinação

          Depois que a guilda atravessou o muro da escola, cada um dos grupos foi em direção ao seu destino. Senhor Dragão foi o primeiro a desaparecer, provavelmente indo em direção ao centro da escola para chamar o máximo de atenção possível. Senhor Brayan e Senhora Boneca foram em direção a um prédio de três andares, onde ele havia dito ser a direção da Escola do Divino. Enquanto isso, eu, Senhor Sombra e Senhora Tigresa fomos a uma outra construção próxima, mais estreita do que a direção, porém com cinco andares.

          Segundo o Senhor Brayan, lá era onde o mandante da invasão a nossa guilda morava, e provavelmente onde ele estava mantendo minha irmã. Me lembrar dela fez com que eu apertasse o cabo de seu cajado, que carregava preso as minhas costas. Eu sempre fui muito tímida, então sempre acabava dependendo dela para falar com estranhos. Nós sempre estivemos juntas, desde que fomos abandonadas. Se eu não estivesse próxima dela, eu me sentia vulnerável, fraca. Mas agora eu não podia deixar minhas fraquezas tomarem conta de mim.

          Todos estavam dando o seu melhor para trazê-la de volta. Eles estavam invadindo uma das maiores organizações do Divino apenas para isso e o Senhor Brayan estava arriscando lutar contra pessoas que um dia podiam ter sido seus amigos.

          Senhor Brayan... Ele era diferente de nós, ou pelo menos minha irmã gostava de dizer. Ele era gentil, fraco, um tanto inocente, uma pessoa que nem ele normalmente não escolheria ser um Amaldiçoado. Mas ele escolheu esse caminho mesmo assim. Ele pode ter vacilado, mas nunca deixou de seguir em frente. E o olhar que ele tinha quando nos falamos enquanto eu ainda me recuperava estava cheio de determinação, como se não houvesse uma única dúvida sobre o que ele deveria fazer. Mesmo que isso significasse se machucar no processo. Naquele momento, ele parecia ser uma pessoa completamente diferente. Alguém muito mais forte do que qualquer um que já houvesse conhecido.

          — E aqui estamos. Sombra, acredito que já tenha terminado o reconhecimento? — Senhora Tigresa perguntou quando chegamos na entrada da construção.

          Senhor Sombra balançou a cabeça afirmativamente.

          — Consegui verificar o lugar todo. Existem algumas celas no subsolo, achei que a gêmea estaria lá, mas o lugar está vazio.

          — Mas ela ainda está na casa?

          — No quinto andar. Muitos guardas no caminho, um deles é o monstro que ajudou a guilda a invadir a guilda.

          A lembrança da invasão voltou com intensidade. Eu nunca havia visto quem havia causado a explosão que me mandou voando pelo telhado de uma das casas, mas Senhor Sombra o descrevera como um homem alto vestindo uma armadura extremamente pesada. Pensar nele fez um frio surgir em minha barriga, mas apertei o cajado de minha irmã mais forte, me concentrando na vontade de resgatar minha irmã.

          — Isso é estranho. Por que eles manteriam uma prisioneira no último andar?

          — Isso não importa agora, nós vamos ter que passar por eles de qualquer jeito.

          — Justo. Bem, vamos logo então. Quem sabe conseguimos terminar em tempo de ajudar os outros.

          Com isso, Senhora Tigresa e Senhor Sombra entraram na casa. Eu me detive um pouco, olhando para o quinto andar. Minha irmã estava em algum lugar ali dentro, sendo vigiado pelo responsável pela sua captura. Respirando fundo, me preparei mentalmente.

Estrela MortaLeia esta história GRATUITAMENTE!