Capítulo 25 - E se eu não sobrevivesse?

8.5K 1.1K 606
                                              


Caio de joelhos na areia da praia. Nunca havia conversado com alguém sobre a perda do meu bebê. O simples fato de falar que eu o perdi ainda me machuca demais. O choro compulsivo toma conta de mim. Benjamin ajoelha-se diante de mim e dá-me um abraço apertado. Eu poderia xingá-lo ou até mesmo bater nele. No entanto, seu ombro é o melhor lugar para chorar, no momento.

Posso perceber que ele ficou surpreso com o que disse. Há um misto de dor e amargura estampadas em seu rosto. Enterro minha cabeça em seu peito e abraço-me a ele com todas as poucas forças que me restam.
Ficamos assim por vários minutos. Ambos sem dizer nem uma palavra. O momento fala por si só. Afinal, estamos sentindo nossa perda. Estamos dividindo a dor, depois de um bom tempo que a carreguei só.

— O que aconteceu, Katherine?

— No dia do acidente... eu contei que estava grávida. Você ficou muito feliz. — sorrio ao lembrar. — Só que... depois de descobrir que você perdeu a memória, eu descobri que perdi nosso bebê.

— Por que não me contou? Era meu filho também.

— Desculpa... eu não fazia ideia do que fazer e estava doendo demais, eu...

— Calma... vai ficar tudo bem. Eu estou aqui. — suas mãos afagam meus cabelos.

— Até quando? Até quando você estará aqui?

— Sempre poderá contar comigo. Temos uma filha, Katherine.

— Sei que pode parecer idiota, mas... enquanto o dia do divórcio não chegar, seja o meu Benjamin. Por favor... Depois você vai embora.

— Não sei se é uma boa ideia.

— E desde quando você pensa? — crispo os olhos. Ben ri.

— É... Está certo, sra. Underwood. — ele assente.

— Será que vão nos encontrar? — miro o belo horizonte, é uma paisagem de tirar o fôlego.

— Talvez... enquanto isso, temos o nosso momento romântico de cinema.

— Momento romântico de cinema? — ergo minhas sobrancelhas.

— Sim. Primeiro, tivemos o momento Titanic. Agora, estamos tendo o momento Lagoa Azul. Seria cômico, se não fosse trágico. — rimos.

— Realmente... — sorrio.

Os hematomas de meu corpo protestam. Queria um analgésico, agora. Relaxo meus músculos e escoro minha cabeça no peito de Benjamin. Suas mãos afagam meus cabelos com carinho.

— Você está se sentindo bem? — ele checa minha temperatura.

— Meu corpo está doendo... são os machucados do acidente.

— Vou ver se consigo um lugar mais seguro para passarmos a noite... Ou vou tentar construir um abrigo.

— Eu vou ajudá-lo. Não quero ficar aqui sozinha.

Ele ajuda-me a levantar e adentramos a mata. Minha mão segura forte a de Benjamin. Procuro não pensar nos bichos que habitam esse lugar.

Encontramos uma pequena lagoa.

— Graças a Deus. Estava morrendo de sede.

Estou prestes a beber da água, quando Benjamin impede-me.

— Deixa eu provar primeiro.

Esboço um fraco sorriso. Afinal, ele parece importar-se comigo, de alguma forma.

Ele bebe um pouco da água e assente. Estava com muita sede.

— Deve estar faminta.

— Um pouco.

— Vem... isso é uma ilha. Devem ter frutas, cocos e uma caverna, gruta, sei lá... algum lugar para passarmos à noite.

Benjamin pega minha mão novamente e caminhamos por mais meia hora. Meu corpo dói. Preciso descansar. Dormir.

— Ben?

— Tudo bem? — ele para de caminhar e encara-me.

— O que você faria, se eu não sobrevivesse?

— Não fale besteiras, Katherine! — seus olhos tornam-se marejados. É isso mesmo. — Eu... eu iria cuidar da Sarah.

— Isso antes ou depois de chorar? — rio discretamente.

Ben ainda se importa.

— Eu choraria por causa da Sarah, afinal, ela acha que eu não perdi a memória.

— Seus argumentos já foram melhores. — há um sorriso zombeteiro no meu rosto.

— Não acredita? — Ben parece surpreso.

— Não. Eu sei quando você é frio e eu sei muito bem quando você finge que é frio. Tem diferença.

— Então, o que eu estou fazendo agora? — sua proximidade faz-me arrepiar.

— Você está fingindo. — sussurro ao pé de seu ouvido.

— Como pode ter tanta certeza? — meu marido tenta manter a pose de durão.

— Eu conheço você. Você não lembra, mas eu conheço. E, por mais que você diga que não nutre sentimentos pelas pessoas, por mais que você diga que só aproximou-se de mim para dormir comigo, sei que você está mentindo. Está na sua cara. Você não lembra, mas você me ama.

— E se você estiver errada?

— O simples fato de você ter dito "e se", já prova que eu estou certa. — o silêncio reina entre nós, por longos instantes. — O que você faria se eu já não estivesse mais aqui?

— Eu... não consigo imaginar uma vida sem você. Não dá. Quem iria me tirar fora do sério?

— A Lauren.

— A megera da minha irmã não me tira fora do sério, ela é um encosto na minha vida. — Rio de seu comentário. — E eu não teria mais ninguém para irritar...

— Você irrita todo mundo... — interrompo-o.

— Depois de nossas brigas, você não estaria mais lá para fazermos as pazes. — uma lágrima rola em seu rosto. — Eu não iria conseguir viver sem você, eu iria sobreviver. É diferente.

— Então, não vá... olha, se sairmos dessa ilha, não vá. Vamos viver juntos e não sobreviver longe um do outro. — acaricio seu rosto.

— Eu sou inconstante, Katherine. Você sabe... eu não posso. Por mais que eu, realmente, sinta algo por você...

Shi... — coloco meu dedo indicador em sua boca. — Não fala mais nada... essa era a parte que você deveria me beijar. — rio.

— Não se preocupe. Isso não é problema.

Ben une nossos lábios de uma forma urgente.

Isto foi confuso? Sim. Tão confuso quanto Benjamin, mas não posso desistir agora. Talvez, minha bênção esteja mais perto do que eu imagino.

Não vou questionar o agir de Deus, vou adorar. Esse é o meu papel. Enquanto eu adoro, o Senhor, mesmo em meio ao silêncio, trabalha em favor da minha vitória.

_________________________

Espero que tenham gostado, meus lindos. Sou grata pelo imenso carinho de vocês. Que o Senhor Jesus os recompense. ❤

Será que #Benrine volta? Eis a questão. Muitas surpresas por vir hehe.

Algumas leitoras já haviam falado e eu já estava com a ideia de criar um grupo no Whatts, com a finalidade de falarmos do livro e principalmente, do nosso Pai. Quem quiser participar, é só mandar o número no privado.

Fiquem com Deus.
Amo vocês ❤

#ContratoDeAmor2 💍❤

Contrato de Amor: Memórias - Livro 2Onde as histórias ganham vida. Descobre agora