Capítulo 20 - Memórias

8.4K 1.1K 334
                                                  


Já são três horas da manhã. Passei o tempo todo nesta cabine, orando, conversando com meu Aba. Deus é tudo o que me resta. Aqui não tenho ninguém para conversar, exceto Ele. Há um nó em minha garganta. Eu queria gritar. Benjamin ainda não apareceu. Eu tentei, mas não consegui dormir. As palavras que Ben disse ainda ecoam na minha mente. Ele duvida da minha fidelidade, do meu amor. Ele acha que Sarah não é sua filha. Entretanto, o próprio Benjamin disse que acha ela parecida com ele. Não consigo entendê-lo. Quem consegue? Benjamin duvida do meu amor. Eu já não fiz o suficiente para provar meu amor? Meu consolo tem sido a Palavra do Senhor. Leio o Salmo 3.

“Senhor, muitos são os meus adversários! Muitos se rebelam contra mim! São muitos os que dizem a meu respeito: "Deus nunca o salvará!" Mas Tu, Senhor, és o escudo que me protege; és a minha glória e me fazes andar de cabeça erguida. Ao Senhor clamo em alta voz, e do seu santo monte ele me responde. Eu me deito e durmo, e torno a acordar, porque é o Senhor que me sustém. Não me assustam os milhares que me cercam. Levanta-te, Senhor! Salva-me, Deus meu! […] Do Senhor vem o livramento. A tua bênção sobre o teu povo."

Só Deus pode ajudar-me. Preciso desesperadamente dEle. Como cristã, sempre soube que enfrentaria provas e dificuldades, porém, não nessa magnitude. Mas se Deus concedeu-me tudo isso, é porque Ele acredita no meu potencial, Ele acredita em mim e eu acredito nEle.

Se alguém me perguntasse qual o próprosito de Deus, com relação a tudo o que está acontecendo, minha resposta seria: eu não sei. Ainda assim, confio no meu Senhor. Sua Palavra diz que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que O amam. Sua Palavra também diz que os planos e pensamentos do Senhor são maiores e melhores do que os nossos. Sei que, muitas coisas, só farão sentido mais tarde.

Aquela tal de Grace intrigou-me. Várias incógnitas formaram-se. Ela chamou Benjamin de bebê.  Pelo que pude perceber, eles já tiveram "algo". Será que Ben está com ela agora?

O som que ecoou pelo navio, denunciou uma festa, provavelmente na piscina, que já terminou há duas horas. No entanto, Ben ainda não apareceu.

Ajuda-me, Senhor. Em meio às guerras, resolvo adorar ao Senhor e ponho-me a cantar:

Quando todos os meus medos já não cabem mais em mim, quando o céu está de bronze e parece que é o fim. Quando o vento está revolto e o mar não quer se acalmar, quando as horas do relógio se demoram a passar. Muitas vezes não consigo os teus planos compreender, mas prefiro confiar, sem entender.
Eu creio em Ti, eu creio em Ti.
Eu olho pra Ti e espero em Ti.

Louvo em meio às lágrimas.
De repente, é como se o Espírito Santo sussurrasse em meu ouvido:

Quando você sente medo do teu lado eu estou, e é bom que você saiba que eu sinto a sua dor. Nunca, nunca se esqueça, que o mar posso acalmar e que eu sei o tempo certo da vitória te entregar. Este tempo é necessário, pra te amadurecer e depois tem novidade pra você.
Eu cuido de ti, eu cuido de ti.
Descansa em mim, comece a sorrir.
O que eu tenho é bem melhor, pois só eu sei do amanhã. Então recebe um abraço meu, pois da tua vida cuido eu.

Prostro-me aos pés do Senhor e agradeço-o por ter falado comigo. Oro mais alguns minutos, depois, lavo o rosto.

A porta da cabine é aberta. Ele parece surpreso ao ver-me acordada.
Benjamin troca-se, pega um dos travesseiros e deita-se no carpete. Ele não fala nada. Guardo minha Bíblia, oro e tento dormir. Minha vontade é pedir para ele vir dormir comigo. Sinto falta do meu marido. Entretanto, não irei fazer isso. Tenho respeito a mim mesma. Após alguns minutos, sou vencida pelo cansaço e adormeço.

O dia amanhece radiante. Olho para o lado e vejo Benjamin dormindo como um anjo. Meu corpo está sobre o seu e ele prende-me com força. Sorrio ao lembrar da nossa noite de amor.

Contrato de Amor: Memórias - Livro 2Onde as histórias ganham vida. Descobre agora