• 2 •

22 4 2

A última semana antes da mudança foi agitada.

Bem agitada.

Não eram nem oito da manhã quando Guta me telefonou desesperada de animação, querendo que eu fosse o mais rápido possível para sua casa.

Ao chegar lá, fui atendida por Ythan que também estava com uma cara que parecia ter virado o novo milionário do ano.

Eu mal entrei pela porta do quarto todo revirando, tentando achar minha amiga no meio da bagunça, que ela surgiu do fundo do seu closet fazendo uma pose de angel da Victória Secrets.

Guta havia ganhado uma promoção da rádio local em que o vencedor iria para o Brasil na presença de mais dois acompanhantes, durante duas semanas com hospedagem paga e tudo que tem direito, para assistir aos shows de um festival famoso no mundo inteiro, todos os dias vip.

— Isso vai ser fantástico! — Dizia ela em êxtase.

Guta era louca por promoções de rádio e vira e mexe estava sempre faturando algum prêmio altamente doido ou super legal e interessante.

Esse tinha sido o maior e mais caro prêmio até o momento.

— Ei Lola, não se preocupa não, quando seus pais souberem que eu vou com vocês duas, eles ficarão mais tranquilos. — Disse Ythan soando realmente confiante enquanto comia uma maçã.

Imaginei que dessa forma, indo em uma odisseia na América do Sul com meus melhores amigos e confidentes genuínos, seria mais fácil de me despedir do berço onde nasci, simplesmente não me despedindo para valer e sim fugindo do país para sufocar as boas lembranças vividas naquela casa.

— Ok, vou tentar a sorte com os Lakers lá de casa. — Eu disse aos dois, concordando que falaria pessoalmente com meus pais sobre a viagem que Guta queria avisar simplesmente por telefone para eles.

Não fiquei nem trinta minutos na casa de Guta, ela me expulsou dizendo que tinha que preparar as malas e que eu devia ir fazer o mesmo.

Volta para casa e conversei com Jane e Robert.

Meu pai não havia gostado muito da ideia de me ver muito tempo fora e longe de casa, considerando o fato que eu dormi poucas vezes em outro lugar sem ser minha própria cama, a não ser o sofá da sala ou qualquer outro cômodo ou mobília tipicamente conhecida por mim.

Mas no fim das contas ele acabou deixando, contanto que eu trouxesse algum presente para ele.

Terror psicológico para me fazer me comportar direito era seu hobby.

Eu nem ligava, minha família nunca foi mesmo muito tradicional.

Já minha mãe ficou em cólica de tanta preocupação e euforia, porque sabia que era arriscado me deixar ir com meus cúmplices traquinas, porém tinha total certeza que eu me divertiria até esquecer o meu nome na presença desses dois.

É interessante citar o fato de que tinham vezes que ela parecia gostar mais dos meus amigos do que de mim.

E o mais engraçado é que o carinho deles por ela era bem recíproco, considerando que ela os havia visto nascer bem de perto.

Muito de perto.

Minha mãe era médica, formada em pediatria e cirurgiã geral.

Ela estava na sala de parto quando meus dois amigos nasceram.

O parto de Ythan foi ela quem tinha realizado, pois ainda não estava grávida de mim.

Tudo na vida de Ythan era natural, inclusive seu parto.

Sua mãe era o que podemos chamar de hippie e acreditava que o parto normal era uma forma de "respeitar o cosmos".

Entretanto no parto da Guta, minha mãe ficou como supervisora/dinda, checando todos os procedimentos da cesária complicada.

Eu estava em sua barriga há cerca de 5 semanas.

Guta sempre apressada mesmo antes de vir ao mundo, nasceu prematura de 7 meses.

Sua mãe ficava louco e admirada pelo fato dela ser uma bebê muito adiantada e esperta em relação às outras crianças de sua idade.

***

Embarcamos cedo no aeroporto mais conhecido de Idaho em direção a São Paulo, de lá, pegamos outro voo até o Rio de Janeiro.

Ao chegarmos no Brasil, fomos recebidos por uma equipe que fazia parte dos organizadores dá rádio.

Eles nos acompanharam até o hotel, que por sinal era deslumbrante e para piorar ficava de frente para uma praia sensacional.

Eles podiam dar uma semana sem os shows pagos que eu já me daria por satisfeita naquele lugar paradisíaco.

Fomos pegos de surpresa quando disseram que dividiríamos uma das suítes principais do hotel.

No início pensamos que não seria tão confortável porque Ythan teria que ver a gente sem roupa andando pelo quarto.

Acreditamos nisso até ver o tamanho dá suíte presidencial, que foi concedida a nós justamente por Ythan estar presente.

Eu e Guta quase tivemos que beijar o pé dele como agradecimento.

— Vocês ainda me devem. — Ele disse com uma cara cheia de malícia ironizada.

Tentamos inutilmente dormir um pouco após a viagem, já que o primeiro show só era no dia seguinte e queríamos muito aproveitar o quanto pudéssemos fora do hotel, mesmo que a suíte fosse dos deuses.

Nos dias que se seguiram, enchemos a cara, antes, durante e depois dos shows, cantamos, dançamos, tiramos fotos com dezenas de brasileiros e tivemos uns romances de viagem também.

Foi incrível, com exceção do penúltimo dia, que acordamos com a suíte parecendo parte do filme Se Beber Não Case.

Na real, estava bem pior.

Depois de ter vivido uma das melhores semanas da minha vida na viagem ao Brasil, ao lado das pessoas que eu mais amava, quando aterrissamos do voo demorado e atrasado do estado do Rio à Idaho, pegamos um táxi no aeroporto Boise, em direção à casa de Guta e a de Ythan, que na época em que eu morava no mesmo bairro, ficavam todas no mesmo quarteirão.

Durante o percurso, bem no final, o motorista simpático do táxi que era uma Mercedes CLS 400, perdeu o controle pois estava tudo escorregadio devido a neve e derrapou no gelo da pista e logo em seguida, em fração de segundos, capotamos 4 vezes.

Acordei num hospital totalmente desconhecido, desesperada sem lembrar direito dos últimos acontecimentos e em pânico sem saber que lugar era aquele.

Foi naquele momento que o desespero tomou conta do meu corpo e apenas uma pergunta se passava por minha cabeça:

Guta e Ythan, eles estavam bem?



Como prometido, estou liberando o capítulo em fevereiro (não aguentei esperar clarear), tenho notado que muitos livros nessa plataforma são liberados dois caps logo de início, então segui a regra haha. Futuramente atualizarei com imagens e personagens também. Curtam e comentem, a avaliação de vocês leitores é muito importante pra mim! Bjss

Primavera [HIATUS]Leia esta história GRATUITAMENTE!