Preparação

45 8 0

Capítulo 16

Preparação

          Demorou quase um dia para os ferimentos causados pela Kendra finalmente pararem de sangrar e eles só fecharam depois que Tigresa usou algumas de suas misturas após finalmente ter voltado do contrato que fora cumprir com Dragão e Boneca.

          Coque parecia estar em um estado pior do que o meu. Pelo o que Sombra havia dito, ela tinha sido arremessada para dentro de uma casa, arrebentando o telhado no meio do caminho. Se a madeira já não estivesse apodrecendo, ela não teria saído só com alguns ossos quebrados.

          Como Sombra também não havia tomado uma surra era um mistério para mim. Pelo pouco que ele havia falado enquanto esperávamos os outros voltarem, ele havia lutado com outra membra da guilda de Kendra na rua que ficava de frente para casa onde eu e Coque descansávamos. O local parecia ter passado por um terremoto, como chão quase que literalmente rachado ao meio. O lugar parecia mais uma pequena cordilheira do que uma rua àquela altura.

          No começo, estava com medo que o Divino mandasse outro grupo vir finalizar o serviço. Mas depois de um dia se passar sem nenhuma movimentação, eu já tinha certeza que o grandalhão estava falando a verdade quando disse que eles estavam esperando que eu fosse até eles para resgatar Cavala.

          Dragão não demostrou muita reação depois que contei isso a ele. Ele simplesmente disse para eu esperar até que nossos ferimentos melhorassem. Depois disso, o único contato que tive com os outros membros da guilda era quando a Coque conseguia se manter acordada ou quando a Tigresa vinha tratar dos meus ferimentos.

          E aparentemente já era hora de uma das minhas sessões de socialização, pois Tigresa finalmente havia aberto a porta da nossa enfermaria improvisada. Depois de vê-la fazendo o trajeto da porta até minha cama pelo menos quatro vezes por dia, eu já estava começando a perceber alguns detalhes quanto à forma que ela agia.

          Eu sabia que ela usava o corpo para seduzir os outros desde que havia a conhecido, mas a atenção que ela dava aos detalhes era incrível. Nenhum de seus passos era dado sem ela rebolar, nada muito exagerado, mas o movimento constante era o suficiente para prender a atenção mesmo que inconscientemente. Quando ela ficava parada, pequenos movimentos também eram usados para prender a atenção dos outros. A forma como ela mexia seus braços, como ela se inclinava, até como ela mexia seus lábios quando falava. Tudo para prender a atenção das pessoas ao seu redor em pontos específicos de seu corpo.

          Ela era bem bonita, sim, talvez até mais do que isso. Mas depois que eu comecei a reparar nesses detalhes, não consegui parar de pensar que ela era, provavelmente, a pessoa mais assustadora desse grupo. E ela já havia percebido essa minha descoberta, pois toda vez que nossos olhares se encontravam, ela dava um pequeno sorriso que fazia minha espinha gelar. Como um rato sendo encurralado por um gato.

          Mas, de qualquer forma, ela ainda era uma ótima alquimista e uma boa médica. Eu nem sabia que os ferimentos criados pela espada da Kendra podiam ser fechados, pela descrição dela, eu já estava me preparando para nunca mais poder andar sem muletas. Porém, assim que Tigresa tirou as bandagens de minhas pernas, não havia nenhum sinal deles.

          — Hum, parece que está tudo certo agora. Você deve conseguir colocar peso nelas agora. Mas eu esperava uma recuperação mais rápida — disse ela enquanto apalpava minhas pernas, provavelmente querendo ver se eu ainda sentia dor.

          — A espada dela é um equipamento mágico. Fragarach. Ela controla o ar, o corte não pode ser parado por nenhuma armadura, ninguém consegue mentir enquanto a lâmina toca seu pescoço e os ferimentos nunca se fecham. Bem, pelo menos era o que diziam. Essa última parte não parece tão verdadeira agora.

Estrela MortaLeia esta história GRATUITAMENTE!