Capítulo 78

13.2K 730 86

- Não - o olhar amedrontado da mulher, mostrava o quanto ela estava espantada ao me ver.

- Então para que você veio aqui? - ela aponta para mim. A porta estava entre aberta, ela encondia-se parcialmente. Seus traços eram de semelhanças estremas aos de Sophia.

- Você pode vir aqui fora, para conversarmos que nem gente? - sorrio. Ela alisa o tecido do vestido, enquanto confere quem estava na rua. Havia deixado o carro em outra rua, Emma e Micael estavam numa lojinha perto.

- Fala, o que quer? - seu tom de voz é baixo, quase um sussurro.

- Sua mãe está aqui? - indago.

- Está.

- Vim ver se precisavam de alguma coisa - menti. Eu estava com uma arma na cintura, eu somente precisava de impulso.

Sua expressão se alivia, um leve sorriso solta seus lábios. - Gostaria de entrar?

Bingo.

- Claro, se não for incomado - digo. Ela volta a passar pela porta, dando-me passagem para sua nova casa.

- Mamãe temos visi..

Agarro Vivian pelo braço, jogando-a contra parede, não sou muito rude. Retiro uma pistola de nove mililitros, um grito alto ecoa pela casa. E nesse momento eu me sinto horrível, mas isso era preciso.

- Preciso que você e sua mãe, venham comigo até a Divisa, preciso que vocês venham comigo - seus olhos marejados, apertam-se. - Então ou você colabora, ou uma das duas vão acabar morrendo. Entendeu?

Ela move a cabeça afirmando freneticamente. Escuto barulho vindo das escadas, rapidamente escondo a pistola.

- Filha, por que gritou? - a mulher que antes era minha sogra, apareceu de camisola.

- Ma-mãe temos visita! - Vivian sorri falsamente. - Ele veio.. levar a gente para assinar o atestado de óbito do papai.

Surpreendo-me com o que diz, até que ela não era tão burra. Talvez ela fosse parecida com sua irmã, fingia-se de santa para dar o bote depois. Sua mãe ao me ver fica desconfiada, ando até ela e ergo sua mão, até beijar.

- Que cavalheiro.. - ela ri. - Então o velho morreu mesmo?

- Sim, preciso de vocês para reconhecer o corpo, teremos que ir o mais rápido possível.

- Sem problemas, ele foi o amor da minha vida. Mas ainda bem que morreu.


Emma

Micael estava tentando paquerar a mulher que vendia cookie. Ela estava com uma caixa de papelão enorme no ombro, de pele branca e olhos verdes.Olho novamente para o relógio, Matthew estava demorando, ele disse que convenceria as duas facilmente com seu 'charme'. Duvido muito, que ele usou esse atributo. Implorou para que eu e Micael ficasse-mos distanciados. O motivo? Nem eu sei o porque, passou pela minha cabeça ele beijando uma das duas. O que me deixava desconfortável, pelo fato de Vivian ser irmã gêmea de Sofhia.

- Não foi dessa vez - ele fala, novamente sentando-se comigo no banco em frente a uma lojinha. - Essas Holandesas não são tão fáceis. Prefiro as Portuguesas.

Sim Karen era portuguesa, o que me deixava com uma pequena inveja. Depois de longos minutos, Matt aparece com as duas. A mais velha estava sorridente, já Vivian não demonstrava nenhuma emoção ou expressão. Aposto que ele beijou a velha. O que não deixaria-me surpresa pelo fato de sua lista tamanha concorrentes.

- Voltamos para Divisa? - Mica pergunta sorrindo, noto o olhar demorado de Vivian nele. Deixa Karen saber disso.

- Para onde estamos indo? - pergunto.

- Iremos liberar o corpo de Willians no IML - um sorriso travesso surge. Matt vai até o porta malas e deposita algo lá dentro, enquanto Micael acomodava elas no banco traseiro. Junto a ele. Eu obviamente iria na frente com Matthew. Em cinco pessoas dentro de um carro alugado, era pra se estressar

Os capítulos ficaram mais curtos, assim posso postar diariamente.
Espero que compreendam! Beijos

Querida BabáOnde as histórias ganham vida. Descobre agora