Parte V

54 11 2


O peso de seu coração a impedia de se mover, até que uma voz não muito alta soa ao seu lado.

- Espero que essas lágrimas não sejam por minha causa...

Briar Rose olha na direção de Phillip. Sua aparência está ainda abatida e cansada e seus olhos semicerrados como se desacostumados a permanecerem abertos. Mas ouvir sua voz é motivo suficiente para que um largo e sincero sorriso brote dos lábios da jovem princesa.

- Sempre dormindo demais, príncipe Phillip. - Briar Rose diz, ainda sem conter seu sorriso.

- Desta vez tenho que dizer que concordo, parece que fui atropelado por um bando de cervos. - Ele responde, franzindo o cenho e tentando se levantar da cama.

- Espere! - Diz Briar Rose. - Está fraco, dormiu tempo demais.

- Mas o que houve? Me lembro de cair, você me trazer para cá. As conversas incessantes de suas tias velhas depois que você partiu...

- Conseguia ouvi-las? - Pergunta Briar Rose.

- Tão bem quanto ouço você agora. Era como uma espécie de prisão em meu próprio corpo, realmente não recomendo a ninguém. - Um tremor passa por seu corpo e seu olhar fica sombrio. Briar Rose sabia como era a sensação, seu treinamento lhe dera todo tipo de experiências, mas não tinha certeza de que todos ficavam alertas desta maneira. - E isso me parece ainda pior quando me lembro que há pouco a assassina de minha irmã esteve aqui e você nada fez para detê-la. - A expressão do príncipe mescla desapontamento e raiva.

- Não temos tempo para isso agora, Phillip. Uma guerra se iniciou e...

- Sempre há alguém em guerra, Briar Rose. E como não há tempo para o assunto que me trouxe aqui? Quero a culpada morta! Se você não vai me ajudar, eu o farei.

- Ela salvou sua vida, Phillip! Eu destruí o antídoto quando quebrei os frascos na cabana de Corvo, você estava lá, viu o que fiz. E foi ela quem me deu o frasco que agora o despertou. - Phillip a encara com um misto de incredulidade e espanto. - É verdade. - Prossegue Briar Rose. - Ela foi só mais uma arma utilizada nessa insana disputa de poder entre nossos reinos. Se deseja os verdadeiros culpados, sei quem são e posso ajudá-lo a puni-los. Mas isso se o reino de Arcose sobreviver.

- E devo acreditar em você Briar Rose, depois de tudo que fez? Como conhece tudo isso, como pode me levar a quem quer que seja?

Briar Rose se ajoelha mais próxima da cabeceira da cama, ficando mais próxima de Phillip.

- Sei de tudo isso porque sou filha do rei Stefan, a herdeira do trono de Diabase, que você provavelmente conhece como Aurora e que, apesar de não muitos saberem, sou também filha da rainha Leah e herdeira do trono de Arcose. Sou uma das assassinas treinadas de minha mãe e por isso fui chamada de Malévola. E sou chamada também de Briar Rose pelas três senhoras que cuidaram de você e sempre cuidaram de mim como se fossem elas mesmas minhas parentes. Por isso Phillip, príncipe de Baltase, prometido em casamento a mim, princesa Aurora de Diabase e Arcose, sei de tudo o que sei.

Phillip continua a encarar Briar Rose como se esperando que ela revelasse o sarcasmo ou ironia de suas últimas palavras, mas a princesa o encara com firmeza e continua a falar.

- Sei que fiz muito para não merecer que confie mais em mim. Meu pai está marchando em direção a Arcose, a esta altura, a guerra já está acontecendo. Arcose não é tão forte como todos costumam pensar, não resistirá a uma empreitada longa. E meu pai sabe disso, Diabase sabe disso. Ele cavalga com dez mil soldados. O único exército que pode ir em auxílio é o seu Phillip, manterei os laços prometidos por nossos pais, para que possa governar os três reinos e colocar um fim a esta guerra insana por poder.

Aurora (COMPLETO)Leia esta história GRATUITAMENTE!