As melhores estratégias. . -Henrique.

1.1K 108 22

         Pra um primeiro encontro não foi tão ruim . Fazia apenas 2 dias que eu havia conhecido ela, e já sabia seu nome , endereço, e até onde trabalha, e agora eu tinha uma informação preciosa . Amanhã era a calourada dela e eu ia dar meu jeito de entrar lá . Talvez umas ligações ,uns favores que uma galerinha me devia e eu estaria dentro. Fui a caminho de casa pensando em como deveria fazer e quando cheguei em casa dei de cara com meu pai me esperando no sofá.
       -Henrique - disse, meu pai se aproximando de mim. Meu pai era um senhor de 47 anos extremamente conservado ,tinha olhos azuis como os meus, e os cabelos pretos já contavam com os primeiros fios grisalhos. Ele e minha mãe formavam um casal lindo. Não conseguia pensar em um casamento mais estruturado, 20 anos de união.
      -Oi pai- Falei torcendo pra que ele não quisesse me dar sermão ou qualquer tipo de broncas .
     - Podemos conversar?- Eu já estava imaginando , era assunto da empresa.
- Pai , eu estou um pouco cansado. Tive um dia longo hoje , passei o dia na faculdade. -
       -Filho queria que você começasse a estagiar logo na gravadora. Você já está no quarto período, e logo logo terminará a faculdade . - Disse ele querendo me convencer.
      -Posso pelo menos pensar ?.- Respondi tentando fugir do assunto. Eu sabia que queria trabalhar na gravadora dos meus pais ,mais não sabia se já estava preparado , eu era jovem e inexperiente, amava a música mais não sabia se esse amor era o suficiente pra direcionar uma empresa.
       - Você tem todo o tempo do mundo filho. Só queria que você soubesse que você me dá muito orgulho .-
       -Obrigada pai. - Eu gostava de saber que meu pai sentia orgulho de mim, mais ao mesmo tempo me sentia pressionado. Já pensou se eu falhasse ? Se eu desse um passo enfalso o que meu pai pensaria de mim?Meu Deus era responsabilidade demais. - Vocês me esperam pro jantar? -perguntei amigavelmente.    Recebi um aceno de cabeça do papai e fui pro meu quarto pra tomar uma ducha.
      Deixei que a água percorresse por meu corpo e levasse com ele toda a tensão. Eu precisava esclarecer minha metas e planos de vida . Eu estava completamente perdido, toda vez que meu pai me convidava pra estagiar na empresa eu entrava em modo de defesa. Mesmo sabendo que eu herdaria aquilo tinha medo de chegar a hora de assumir. Eu não sei porque eu tinha tanto medo de fracassar. Eu não devia ser inseguro. Eu era bom no que fazia . Pelo menos era o que diziam.
      Tentei esquecer um pouco a empresa e tentei focar em como eu faria pra ir na calourada amanhã. Então me lembrei de Ashiley , a ruivinha que estudou comigo no ensino médio e que eu arrumei pro meu primo Vitor, no verão passado. Atualmente ela faz o segundo período de enfermagem e conheceu meu primo em uma baladinha , a mesma ficou extremamente afim dele, e como o Vitor adora mulher , eu dei uma forcinha e eles ficaram. A Ashiley me agradeceu tanto que disse que ficou me devendo um favor. E pelo visto eu ia cobrar mais cedo do que imaginava.
       Sai do banho peguei o celular e disque o número de Ashiley.
     - Henrique, a que devo a honra?- Falou ela com sarcasmo.
     - Oi Ashiley, como você está? - Tentei ser educado.
     - Estou bem, desembucha o que você quer?-
      -Porque acha que quero alguma coisa?- Meu Deus será que estava tão na cara que eu liguei pra pedir alguma coisa?
     - Porque depois que fiquei com o Vítor, você o Bernardo e ele sumiram do mapa. -
     - Ah é que a faculdade ficou muito puxada. - Menti. Nós três realmente tínhamos sumido do mapa. Vitor disse que não queria nada sério com ela , e falou que não queria que eu e o Bernardo ficássemos dando notícias dele pra coitada não criar  expectativas ,então logo depois ele viajou pra Itália pra fazer um curso de fotógrafo.
    - Sei . Diz logo o que você quer. Tenho certeza que ligou pra cobrar o favor .-
     - Bom, primeiro eu liguei pra saber como você estava , mais já que você quer que eu cobre o favor. Soube que vai ter uma calourada pra turma nova de enfermagem amanhã lá no Aqua , e eu e o Bernardo queríamos ir. Você é organizadora né? Pode conseguir que a gente entre?-
       Acho que em toda minha vida eu nunca fui tão cara de pau. Acho que isso que acontecia quando se convivia muito com o Vitor e o Bernardo,mais fazer o que eles eram meus melhores amigos.
      -Sabe que é contra as regras. Só pessoas do próprio curso podem frequentar as calouradas.-
     - Por favor vai, quebra essa pra mim. Em nome dos velhos tempos em que éramos amigos. Lembra que eu te ajudava com os deveres no Ensino Médio?Você quase reprovou em Matemática se não fosse por mim...-
     -Henrique , vou ver o que posso fazer por você. Esteja na entrada as sete e quinze. E leve seu violão. -
     - Obrigada gatinha, sei que sempre podemos contar com os amigos.- Falei sorrindo.
      - Tchaul Henrique.
     -Tchaul Ashiley , até amanhã.-Encerrei a ligação e passei um torpedo pra o Bernardo.
  
" Cancele tudo que você tiver pra fazer amanhã à noite, temos uma calourada pra ir."
  
     Esperei a resposta dele que veio em poucos minutos.

Ao som das batidas do seu coração .Leia esta história GRATUITAMENTE!