Jiko Bukken

8 0 0


É difícil começar esse relato, mas tentarei ser o mais fiel o possível e explicar-lhes a situação perturbadora em que me encontro.

Antes de iniciar a narrativa de acontecimentos bizarros em minha vida irei me apresentar, sou Lee Eunhyuk, um ator amador, por enquanto, pois o filme que estou gravando... Tenho certeza que irá surpreender muitos e fará minha carreira decolar.

E a história desse filme é boa?

Simplesmente é uma das melhores que já li, não sei como o diretor (que também é escritor) não pensou em publicar um livro antes para arrecadar fãs.

Voltando a história, ela se trata de um assassinato em série, resumidamente, um cara perde sua sanidade após ser exposto a crueldade da humanidade e começa a exterminar todos os "malfeitores" em seu ponto de vista. E para o desenrolar da história aparece um detetive incumbido de resolver o caso, e esse assassino simplesmente é o seu melhor amigo de infância, o que deixa as coisas mais complicadas. A história é tão bem escrita que senti arrepios após lê-la. E olha que era apenas um resumo quase tão simples quanto esse que apresento a vocês.

Após ler o roteiro que o diretor do filme me enviou o liguei quase que desesperadamente o avisando que aceitaria o papel.

E foi assim que fui como um louco procurar um apartamento em outro país. Sim! Em outro país! Por que tudo isso?

Oras, para o filme ter um ar mais assustador e cheio de enigmas o diretor resolveu grava-lo no Japão.

Minha sorte foi a grande ajuda que tive de meu produtor Leeteuk, que foi exatamente quem me indicou a esse papel.

Bem... para quem nunca foi para o Japão (assim como eu) acha que os produtos do país em geral são mais baratos devido a moeda, (já que 100 ¥ custa um pouco menos que um dólar), e esse foi um grande erro.

Você até consegue achar apartamentos mais baratos só que eles ficam muito distantes da cidade (eles realmente ficam em uma montanha!) e um ser desprevenido como eu, fiquei rodando Tokyo durante o dia inteiro.

Já estava escuro quando Leeteuk me ofereceu sua casa para dormir, (não, ele não morava lá, mas tinha um certo parentesco de sua família que estava no Japão à trabalho) recusei imediatamente e como um passo de mágica vi um anúncio colado em um ponto de ônibus anunciando uma casa "Jiro" alguma coisa (meu japonês é horrível eu sei), apressei-me e fui atrás daquela corretora enquanto recebia reclamações de meu produtor.

A corretora de imóveis ficava bem próximo de onde estávamos, então foi fácil encontrá-la chegando lá comuniquei à recepção que tinha visto o aviso e que queria ver o apartamento o mais rápido possível (disse tudo isso em mandarim) a garota da recepção fez uma meia careta de horror e disse-me para aguardar um pouco.

Logo éramos convidados a subir as escadas até escritório do corretor, mas antes de seguir Leeteuk, a moça da recepção parou-me e sussurrou em mandarim "não alugue esse apartamento, escolha outro para o seu próprio bem" eu iria perguntar o porquê de tudo aquilo só que meu produtor estava com cara de poucos amigos enquanto me apressava.

O corretor nos apresentou por meio de fotos o apartamento, e ainda não acredito que ele estava sendo alugado por um preço tão barato, Leeteuk desconfiado (como sempre foi) perguntou o porquê daquele preço para um apartamento no centro e tão bem conservado, e assumindo uma face séria o corretor nos respondeu que aquele era um Jiko Bukken (realmente não era Jiro...), em outras palavras, um apartamento onde aconteceu um acidente que ocasionou a morte dos moradores ou de um deles.

- Ahhhhhh é só por isso? Vou querer alugar!

Leeteuk me repreendeu e disse que eu deveria recusar a oferta.

Leave me aloneLeia esta história GRATUITAMENTE!