Capítulo 72

12.3K 968 30

Ele havia pedido mesmo? Eu estava nervosa como se isso já não tivesse acontecido antes, o que era mais ainda tenso. Pois sim, ele me queria.

Matthew era complicado, na verdade tudo era desastroso. Quando penso que está perfeito, algo acontece para um dos dois e ambos quebram a cara.

Fico nas pontas dos pés, enquanto coloco meus braços em volta do seu pescoço. Meus dedos trêmulos, complicam e acabo dando um pequeno arranhão em sua pele. Ele faz careta.

- Não foi de propósito - explico. - Matt isso é complicado, o nosso relacionamento é complicado.

Seu sorriso se desfaz, sua pupila dilata mostrando o quanto tira conclusões precipitadas.

- Emma, eu sei... - colo meus lábios aos dele, diminuindo o espaços entre nossos corpos, seus longos braços tatuados se enrroscan em minha cintura.

- Eu te amo Matt - suspiro. Era verdade.

- Então isso é um sim, você vem? - ele parece estar ansioso, ele sempre foi acostumado a ter tudo quando bem quisesse.

- Talvez.. será um sim.. podemos tentar - faço ele sorrir.

Seus cabelos estão despenteado, mostrando que é um esquecido total. Mas ele superou minhas expectativas, minha mãe ficaria orgulhosa de 'nós'.

Seus lábios vão contra os meus novamente, sua língua pede passagem pela minha boca e eu concedo. Suas mãos acabam minhas costas tornando o momento romântico.

Eu havia sentido tanta falta de seus lábios, que era impossível não sentir falta enquanto ele se afasta.

- Acho melhor acordar Savannah, pois temos que levar antes do almoço.

Anui.

Volto para o quarto, com passos calmos. Abro a porta devagar e vejo ela sentada na cama, enquanto se veste.

- Bom dia Sasah - meu tom de voz alegre faz ela sorrir grande.

- Bom dia melhor irmã do mundo - ela me surpreende, sinto-me ao seu lado e ajudo ela a abotoar os botões.

- Eu já vou embora? - ela pergunta com um beicinho.

- Vai voltar em breve - confidencializo.

- Vou é? - indaga.

- Vou fazer de tudo para ter você em baixo dos meus braços - digo pegando ela para um abração.

- Eu to me sufocando - ela reclama, pausadamente.

- Vamos tomar café? Alguém fez biscoitos!

- Como os da mamãe? - ela é tão inocente, que seria uma dor horrível se ela entende-se o que é a morte.

- Sim! Mas como te disse mamãe está no céu, junto com o..

- Menino Jesus? - ela pergunta, para algumas coisas ela é bem esperta mesmo.

- Sim.. - digo a soltando, ela fica aliviada.

Voltamos para a cozinha, enquanto ela fala só te os seus desenhos favoritos. Ela tem tevê a cabo agora, me conta.

- Bom dia - ela diz abraçando Matthew que retribui.

- Tentei fazer biscoitos - sorrio, ela é tão radiante quando estamos todos juntos, que não vejo-a em nenhum momento triste..

- Eu ja fiz biscoitos se quiser te ensino - começo a rir de seu jeito. Ela está tão envolvida que acaba jogando mais farinha em Matt.

- Sabe o quanto é bom - surpreso Matt, também pega um pedaço para experimentar.

Tivemos um café da manhã maravilhoso, há alguns dias parecia que estava faltando algo e estava. Nos juntos era como se a família tivesse outra vez completa, outra vez unida.
Sento-me no sofá, enquanto os dois estão preparando mais biscoitos para Savannah levar embora.

Deixo os dois a vontade, para que ela não fica triste ou algo assim, o jeito que eles se dão tão bem, faz eu ter uma pequena inveja.

***

Como combinado, levamos ela antes do almoço, o que dificultou as coisas para mim, eu estava um pouco sentida, mas eu prometi a ela que iria tentar ficar com a guarda dela.

- O que estas pensando? - Matt pergunta enquanto olho pela janela do carro, as ruas sem movimento.

- Quero ficar com a guarda da Savannah, um pouco difícil mais nada impossível.

- Podemos cuidar disso - ele fala enquanto coloca sua mão em cima da minha.

- Podemos - concordo.

- Você quer ir buscar suas coisas? - ele parece um pouco estranho, talvez preocupado com o fato de não termos mais tocado no assunto. Aceno que sim.

Ele liga o radio enquanto toca uma música calma e contagiante.

- Podemos ir buscar amanhã? - eu não iria precisar de nada hoje, então seria desnecessário. Eu precisava dormir, pois fiquei a noite inteira de olhos em Savannah, havia olheiras muito escuras.

- Podemos - ele parece sorrir. - O que queres fazer agora?

- Eu queria tanto dormir - admito e ele ri.

Acabamos a voltar para o apartamento, meus olhos pareciam que iam fechar a algum momento. Meus passos estavam atrapalhados e eu não sabia ao certo para qual quarto ir. Antes de mencionar algum, Matt me pega no colo e leva para seu quarto.

Querida BabáOnde as histórias ganham vida. Descobre agora