Chapter 50: Uma última chance

3.9K 431 89

Escrevi este capítulo ouvindo essa música que está aqui no link acima, espero que gostem!

<3

-

Sean

Por muito pouco eu não estaria mais aqui.

A bala atravessou meu peito e por apenas alguns centímetros não acertou em cheio meu coração. "Um grande milagre", foi o termo que muitos médicos usaram enquanto me tratavam, todavia nada disso me importava. A dor que eu sentia em meu peito não era do ferimento que o tiro me acometeu. Era um dor que tinha nome.

Emma.

Sua falta dilacerava meu peito a cada dia e todo o tempo que passei no hospital, me recuperando, apenas conseguia pensar nela.

A última vez que a vi fora quando desfaleci exausto em cima da pequena maca da ambulância que me socorreu, após isso nenhum sinal dela. Emma não fora me visitar nenhuma vez sequer enquanto estive na uti, ou até mesmo quando fui transferido para o quarto. Todos os dias que conseguia lutar contra os fortes remédios que me davam, eu usava todas as minhas forças para perguntar sobre ela. E a resposta de Travor era sempre a mesma: "Ela não está aqui, irmão." Ver a pena em seu semblante toda vez que me dizia isso nem sequer chegou a me abalar.

O pior de tudo não é a dor do seu abandono, e sim saber que na realidade eu merecia isso. Ela não tem culpa de tudo que aconteceu, não tem culpa do que eu a fiz passar. O único culpado de tudo isso sou eu. Eu mereço sua frieza.

Mereço cada pedaço da sua rejeição.

- Eu não acho que você deveria ir, cara. Dá mais um tempo pra ela... – começa Travor, mais uma vez.

- Eu não posso mais esperar, Travor. Não aguento mais ficar de repouso, sem fazer nada e sem sequer saber se temos uma chance... Eu preciso encontra-la. Principalmente agora que sei a verdade. – coloco o paletó devagar, ainda sentindo um pouco de dor em meus pontos.

- Mas você acabou de receber alta e já vai sair por ai! – reprova ajudando-me a me vestir. – Você quase morreu! Eu sei que é uma droga, mas só porque você descobriu que vocês não são primos não quer dizer que está tudo bem. E outra, se ela quisesse te ver já teria vindo... – suspiro frustrado e abaixo a cabeça.

- Eu não queria dizer... – Travor tenta contornar.

- Eu sei, tudo bem... – continuo arrumando minhas coisas de costas para Travor, sem querer mostrar o medo que suas palavras me trouxeram – Mas se você fosse ela, depois de tudo que eu te contei, também viria? – pergunto olhando sem seus olhos e quando o vejo vacilar recebo minha resposta.

- Não a julgue. – continuo vestindo-me. Precisava sair o mais rápido possível daquele hospital.

- Emma não me deve nada, mas eu preciso tentar. Não posso perdê-la assim. Eu sei que ela também me ama... – suspiro tentando mostrar firmeza. - Ela só... Eu... Só preciso tentar.

(...)

Não passei nem em casa.

Não queria perder tempo.

Travor havia levado algumas mudas de roupas para mim no hospital, então quando recebi alta fui correndo até ela. Não fora fácil encontra-la, Emma estava no único lugar que não imaginava que estaria.

Entrei na Crawford pela garagem para evitar tumultos. Ignorei a todos que pude no caminho e fui direto a sala presidencial, onde recebi a informação de seria lá onde ela estaria. O tempo parecia não passar e quando finalmente a encontrei perdi o fôlego.

Sempre sua Luce  (COMPLETO)Leia esta história GRATUITAMENTE!