O Caderno, parte 3

126 19 20
                                                  

Folha 4

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

Folha 4

Quando chegou a primavera do ano em que se comiam bolinhos de brócolis, os espirros do mago barulhento ficaram mais frequentes e, por respeito aos moradores da vila o mago transformou dois esquilos pequeninos em dois esquilos gigantes e os atrelou a sua carroça.

Colocou suas coisas sobre a carroça.

Perguntou ao dragão se também queria ir com ele mas o dragão lhe disse que se ele não comesse mais os sapos do mangue, a cidade seria infestada pelos anfíbios e o povo sofreria.

Com tristeza, o dragão disse adeus ao mago barulhento.

O mago partiu e sentiu falta da carne assada.

Os espirros diminuíram e depois de algum tempo, os espirros passaram a acontecer apenas em uma época do ano.

Na vila a vida continuou como sempre porém os cabelos das mulheres nunca mais foram os mesmos.

O Mago barulhento continuou a vagar pelas estradas do mundo procurando um bom lugar para morar, e que tivesse pedras azuis por perto.

O Mago então encontrou um caixeiro viajante em uma estrada cheia e lama e buracos. Os cavalos do caixeiro não conseguiam tirar a carroça de dentro de uma grande poça.

- Olá Senhor caixeiro. Vejo que não é um bom dia para o Senhor.

- Ratzam! Hoje ser dia impossível! Lama Dêrrivel! Lama Dêrrivel !

- Eu posso ajudá-lo - disse o mago barulhento.

Então, colheu algumas plantar ao derredor da estrada, as amassou em uma cumbuca.
Pegou a massa que fez e a mergulhou na lama, deixando apenas um pedaço de fora.

Riscou um fósforo em seu chapéu e acendeu a parte da  massa que estava de fora da lama.


Jeff mais leve que o arOnde as histórias ganham vida. Descobre agora