Um Ensaio Para Shakespeare

259 1 0

Capitulo 1:

Anabelle:

peguei meu livro. Arqueei as sobrancelhas, com uma básica expressão de "saia da minha frente", e fiquei mais revoltada ainda quando ele não o fez

Noah:

Saí da frente da menina e me virei em direção a sala de aula. Já tinha muita coisa na cabeça para ter que agüentar uma patrícinha me importunando.

Annabelle:

Passei os dedos pelo meu cabelo, erguendo novamente o queixo. Idiota. Quem ele pensava que era pra falar assim comigo? Eu sabia que minhas bochechas já estavam tão vermelhas quanto meu cabelo. Que raiva. Mal havia começado o ano e aquele arrogante já tinha me derrubado enquanto lia. Xinguei-o mentalmente por ter desmarcado minha página. Entrei na sala, sentei-me na segunda fileira e esperei aula começar.

Noah:

Quando abri a porta, com uma expressão estranha no rosto não pude acreditar. A menina estava na minha sala. Perguntei a Deus o porquê daquilo, mas teria que agir como uma pessoa normal e jogar o seu joguinho.

- Olá! - Disse para um garoto que sentava na direita. - Primeiro ano na escola, não?

- Cai fora! - O garoto disse com raiva.

- Certo. - vai ser um ótimo ano. – Ai, ai...

A vejo. Esta com o livro em cima da mesa e com um sorriso estranho no rosto.

- Desculpe. - Digo ao seu lado. Estou com uma cara de retardado, mas nem ligo. Não sou uma pessoa má. Ou, é isso que digo para mim mesmo todos os dias antes de dormir.

Annabelle:

Eu admito que tentei esconder a risada quando o senhor tenho-tudo-que-quero não teve tudo o que quer. Ao que parece, não era a única a criar antipatia a ele mesmo sem conhecê-lo. Mas o garoto da touca - e acredite, é o único apelido isento de palavrões - fez o que eu menos esperava. Veio se desculpar.

- Sem problemas. - olhei para cima, encarando-o - Minha maior perda foi o número da página - indiquei para o livro. Romeu e Julieta. Eu era uma Shakesperiana nata.

Fitei-o novamente. Por que algo nele era tão familiar?

Noah:

- Romeu e Julieta. - Disse rindo. - Já ouvi falar! Na verdade... - Encarei a menina que      sorria. - Minha mãe adorava. Romeu apaixonado pela Julieta, os dois morrem no final... - Fui interrompido com um tapa no ombro. Era Janos, o garoto mais popular da escola e também meu melhor amigo.

- Querido irmão! - Janos zombou. - Quem é essa pirralha com quem você esta falando?

- Não é pirralha. - Respondi, mas ele fitou-me com um olhar cruel.

- Bom... - Janos virou-se para a menina e sorriu. - Bom ano pra você, querida! - E se retirou.

Annabelle:

- Pirralha. - sussurrei pra mim mesma quando ele saiu, mas tive certeza que o garoto ouvia.    - Muito maduro da parte dele falar isso. - revirei os olhos, fitando o senhor popular-mas-não-tão-arrogante-quanto-o-melhor amigo - A propósito, sou Annabelle. - estendi a mão.

Noah:

- Noah. - Disse apertando sua mão. Estava quente. E me senti protegido. - Sinto muito pelo meu "amigo", Se é que posso dizer isso.

Annabelle:

- Eu ia falar que "Cada um tem o amigo que merece", mas isso iria soar meio rude. - permiti a mim mesma que risse por um momento - Noah. Nome diferente.

Um Ensaio Para ShakespeareLeia esta história GRATUITAMENTE!