Capítulo 4

29 0 0
                                    


Capítulo 

4

O orvalho,

umidade do ar

em contato com o frio...


Assim é o amor

em um coração vazio,

pois se condensa,

cristaliza,

vira pedra

e então

se torna pó.


Como amar

alguém que não tem amor para dar?

Como ser amado

quando se tem um coração gelado?


Talvez o orvalho no amanhecer

tenha a resposta

e se não tiver

que a vida possa

tais corações aquecer;

antes que venham a perecer...



HAYATO

          Cinco séculos se passaram desde o encontro de Artemísia com Îasy. A humanidade agora está desesperada para encontrar um novo lar e o Governo teve que passar por mudanças em sua estrutura. Artemísia se torna uma lenda viva; e raras são as pessoas que conhecem a sua verdadeira história.

          — Isso não é coisa para criança. Vá para casa, rapaz, seus pais devem estar preocupados.

          — Salvei sua vida. É assim que você me agradece?

          Artemísia solta uma gargalhada.

          — Se é aventura que você procura, venha comigo.

          Artemísia sai da taberna, como se fosse uma divindade, enquanto Hayato a segue.

          Foi em uma taberna perdida, em um canto esquecido de uma base que se localizava próximo à Europa, que Artemísia e Hayato se conheceram. Ele era um jovem comerciante que começava a ganhar notoriedade no Sistema. Pertencia a uma família que tinha tradição no comércio há gerações. A família de Hayato tinha uma história que, provavelmente, se encontraria com a história do Clã em um passado muito distante; mas a classe de comerciantes de Marte não era tão antiquada quanto o já esquecido Clã. A mãe do rapaz pertencia a uma família da elite de Europa. Seus ancestrais se misturaram a remanescentes do Clã, alguns deles participaram da guerra civil em que Katira liderou o exército rebelde. As tradições do Clã não puderam resistir ao tempo; pois havia poucos sobreviventes e muitas concessões foram necessárias para se criar alianças, tanto políticas quanto genéticas. Gradra, mãe de Hayato; era descendente de cinco séculos de uma tradição que tentava conciliar os interesses de uma classe com os costumes de uma época em que a humanidade parecia perder de vez as rédeas de seu destino.

Artemísia (Habitantes do Cosmos, #2)Onde as histórias ganham vida. Descobre agora