Capítulo 7

49 9 13
                                                  

Yuuto ajeitou a mochila e abraçou sua avó. Então fez o mesmo com o homem ao lado dela, seu avô.

— Obrigado por tudo.

— É, valeu — disse Yuuka, fazendo o mesmo. — É tão bom relaxar e comer a sua comida, vovó.

— Quando vocês vão visitar de novo? — o senhor perguntou com sua voz grave.

Os irmãos trocaram olhares rápidos entre si.

— Estaremos aqui pro festival — respondeu Yuuka. — Nem em sonhos eu perderia esse ano.

— O do ano passado foi muito bom. — O senhor riu. — Yamamoto bebeu pra celebrar seu...

Enquanto sua irmã e avô conversavam sobre o festival do ano passado, Yuuto afastou sua avó dos dois para falar com ela.

— Mais uma vez, obrigado por me ajudar com isto — sussurrou o professor, batendo na mochila com sua mão livre.

A senhora sorriu e acenou com a mão.

— Já disse que gosto de ajudar você. Mas nunca pensei que faria um vestido desses — disse, rindo, suas bochechas um tom cor-de-rosa. — Apenas lembre-se de tirar fotos. Adoro ver você nessas roupinhas fofinhas, mas preciso dizer que algumas são um tanto provocativas demais.

Yuuto mostrou um sorriso nervoso e soltou uma risada aguda.

— Qual é, vovó. É tudo em prol da arte — disse, tentando mudar de assunto. Nunca mais mando uma foto pra ela, Yuuto fez uma nota em sua cabeça. Até hoje, o professor mostrou apenas as fotos normais, somente as que ele pensou que sua avó aguentaria.

Graças aos céus ela não sabe do meu blog. Se ela visse as fotos com minissaias... ou as em uniformes de natação... e os combos? Aposto que ficaria doida, pensou. Nem cogito as pinturas do Seiji-kun... Pensar no artista fez Yuuto olhar para sua bolsa, seu rosto ficando quente. Se a vovó soubesse por qual motivo quis este cosplay, ela com certeza teria um ataque.

— Terra para irmãozinho. — A voz de sua irmã trouxe sua mente de volta. — Precisamos ir. — Yuuka envolveu o braço no pescoço dele e o arrastou.

Eles se despediram de seus avós novamente antes de passarem pelas catracas. Quando escutaram o sistema de som avisando que o metrô estava prestes a partir, os dois correram. Ainda que fosse uma hora agitado do dia, o vagão estava bem vazio, então foi fácil arrumarem acentos.

— Que sorte — disse Yuuka, tirando a grande mochila das costas. Ela a colocou no chão, entre as pernas, e sentou. Yuuto sentou ao lado dela, colocando sua bolsa no colo. — Nunca que arrumaríamos assentos tão bons nesse horário se fosse na cidade.

— Pois é. — Yuuto inclinou sua cabeça para trás e fechou os olhos, apreciando o movimento rítmico.

— Eles pareciam melhores do que ano passado — disse Yuuka após um período de silêncio.

— Sim — Yuuto concordou. — É difícil pra eles, mesmo depois de vinte anos.

— Ver os filhos dos amigos deles se reunirem deve ser difícil. Especialmente a Tanaka-san. Ela era a melhor amiga da mãe quando crianças.

— Eu gosto das histórias dela. Ela faz a mãe parecer uma delinquente vida louca quando jovem — disse o professor, rindo. Yuuka riu também. — A vovó me contou que queria manter o passado da mãe escondido de nós.

— Falando na vovó. — Yuuka virou-se para seu irmão. — Você praticamente ficou toda a Golden Week com ela. — Sua irmã franziu o cenho. — O que vocês dois estavam costurando?

Por favor me chame de Professor!!Onde as histórias ganham vida. Descobre agora