Capítulo 26

19.1K 1.3K 163
                                                  

Maria Lúcia estava com uma cara abatida e de choro, com certeza já tinham contado que Angelo havia falecido. Mesmo assim as crianças a fizeram bem, ela conseguiu sorrir enquanto a Laura e o Luan não paravam de falar que a amavam e que estavam com saudades dela.

Ricardo estava me abraçando de lado até que o Jorge chegou com outro homem no quarto da Maria Lúcia.

- Esse aqui é o Caique, Ricardo. – os dois deram as mãos se cumprimentando e o Jorge deixou o tal do Caique conosco e saiu do quarto.

- Caique, essa é a Clara e aqueles são a família Santos, a família que você foi contratado para a segurança. – Caique era quase um armário de tão grande. Só de ficar com a cara fechada ele poderia assustar qualquer um que estivesse na sua frente . Além do seu tamanho, seus braços eram bem torneados, como se malhasse muito. Mas a questão agora era que Ricardo estava contratando um segurança particular para a Maria e as crianças, ou seja, ele não estava confiando totalmente na polícia e isso me preocupou. O tal do Maurício, um dos caras do Junior, iria ser preso e até poderia ajudar na investigação do caso, mas mesmo assim o Ricardo estava com um pé atrás.

- Muito prazer, Clara. – ele pegou minha mão com a sua mão enorme e soltou um sorriso tímido. Por mais que Caique tenha um jeito de "vou quebrar as pernas de qualquer um" seu sorriso trazia tranquilidade.

- Depois te apresento a Maria Lúcia e as crianças, ela acabou de acordar então o nível de felicidade ali tá extrema. – Ricardo sorriu para o Caique que só assentiu.

- Posso começar meu trabalho agora mesmo, senhor? – Ricardo confirmou e o Caique saiu do quarto para ficar de guarda, acho.

- Esse cara era lutador? – perguntei ao Ricardo.

- Eu não sei bem a história do Caique, só sei que Jorge o conhece e é de confiança. - seus braços voltaram ao redor do meu ombro e continuamos a assistir as crianças conversando com a Maria Lúcia falando sobre a ida do Luan comigo no mercado, sobre eles no dia de treino do Corinthians e sem querer contaram sobre a tentativa de sequestro.

- O quê?! Ricardo você pode me explicar isso? – ele coçou a nuca e começou a explicar o que houve. As crianças a todo momento falaram que estavam bem tentando tirar o problema dos ombros do Ricardo. – Não tem o que se preocupar Malu, o Maurício já foi preso e ele vai ajudar na investigação.

- Ricardo isso tá um perigo, mal acordei e já tem essa bomba pra lidar. – ela suspirou e agarrou seus filhos para mais perto, beijando o topo da cabeça de ambos que abriam um sorriso enorme.

- E tem mais... – ele olhou pra mim e vi que ele iria comentar sobre o apartamento. Se fosse pra contar todas as novidades que fosse agora, então sorri o encorajando. – Comprei um apartamento pra vocês e contratei um segurança particular.

- Mas o quê? – Lúcia se levantou um pouco da cama, largando Laura e Luan, e na mesma hora uma enfermeira apareceu na porta.

- Ela precisa de descanso senhor Ricardo, por favor! - o tom da enfermeira não era de grosseria mas de preocupação com a paciente.

- Eu preciso é saber o que tá acontecendo! – a enfermeira arrumou a cama da Maria Lúcia e a empurrava levemente para voltar a se deitar, enquanto o Ricardo tentava contar as boas novas sem que ela se exaltasse. Depois a enfermeira saiu do quarto e deu uma olhada no Ricardo como se pedisse "pelo amor de Deus, não cause nenhum reboliço". 

- Resumindo: é perigoso vocês voltarem pra casa depois do que aconteceu, você levou um tiro Malu! – ele respirou fundo. - Acho que já é um ótimo argumento, merda!

- Olha a boca Ricardo, meus filhos! - agora Laura e Luan já estavam de pé ao lado da cama da Malu, prestando atenção na conversa e na reação da mãe deles. - E foi um tiro de raspão!

Com a bola toda - em revisãoOnde as histórias ganham vida. Descobre agora