Já estava quase voltando para a sala quando o seu celular tocou. Era Dylan ligando de volta.

-Alô?

Dylan estava no seu quarto com o celular no ouvido. Tinha acordado há pouco tempo e quando viu as chamadas perdidas de Jake, ligou para ele imediatamente. Kevin estava dormindo em sua cama, metade do corpo coberto pelo lençol e estava sem camisa.

-Oi Jake... Tudo bem sim. É, eu acordei agora.

-Então... Nós precisamos conversar né? Sobre aquilo. Sobre o que aconteceu.

-Eu sei. Mas eu tenho que te falar uma coisa. Eu vou ficar fora da cidade por uns dias.

-O quê? Por quê?

-Meus pais decidiram passar o natal fora. É só por alguns dias, eu devo voltar logo depois.

-Não podemos conversar antes disso?

-Então... É que eu preciso te falar umas coisas. Mas não quero que seja agora. Pode esperar? É só por alguns dias.

-Mas você vai viajar quando?

-Hoje mesmo.

-Mas...

-Desculpe. A gente se fala quando eu voltar ok? Não pode ser por telefone.

-Não dá pra você passar aqui em casa hoje, rapidinho?

-Eu prefiro falar com você quando eu voltar. Até lá, quero que você pense numa coisa.

-O quê?

-Sobre o que você sente por mim... Não me dá a resposta agora. Pensa primeiro. E aí, depois do natal a gente conversa tá? E não me liga. Vamos guardar pra falar pessoalmente. Por favor.

-Tudo bem...

-Eu prometo que vai valer a pena quando eu voltar. Me espera.

-Tá bom.

-E pense bastante sobre o que sente por mim.

Dylan despediu-se e desligou o celular. Essa viagem com os pais veio numa boa hora. Não queria encontrar Jake por enquanto, tinha muito medo do que ele iria dizer depois que confessasse seus sentimentos pra ele. Uma coisa era lhe dar prazer. Outra coisa era dizer que o amava e que queria que ficassem juntos.

O skatista ainda podia sentir na boca o gosto salgado das sementes de Jake. Tinha engolido tudinho, com o maior prazer do mundo. Seu corpo tremia só de lembrar do que tinha feito. Precisou de muita coragem para tomar a iniciativa, com medo de ser rejeitado. Mas Jake gostou. Estava frustrado por não ter terminado as coisas com a Liza e precisava de uma mão amiga. Ou melhor, uma boca amiga.

Dylan sentiu-se estúpido pelo modo como tinha agido depois. Tinha fugido da situação, temendo qualquer coisa que Jake fosse dizer depois daquilo. Voltou para casa praticamente correndo, sozinho pelas ruas de Hemiltown, sentindo uma enorme felicidade. Quando chegou, tomou um banho e foi dormir. Kevin ainda não tinha voltado quando se deitou na cama e logo adormeceu.

Agora, lembrando-se de tudo, Dylan se sentia ainda mais feliz, mas sabia que precisava ter calma. Não podia forçar as coisas com Jake por enquanto, precisava ser cauteloso. Jake já sabia do mais importante. Não queria que o amigo lhe desse uma resposta rápida, sem pensar. Daria tempo a ele. E não podia criar expectativas para não se frustrar depois.

-Como foi lá na casa da Liza?

Dylan estava tão distraído que não notou quando o irmão acordou.

-Normal – Ele respondeu – Encontrei com o Jake e nós fomos embora.

-Como estava a festa?

-Lotada. Agitada. Não prestei muita atenção.

A Vida de Jake (Romance Gay)Leia esta história GRATUITAMENTE!