Brasil - Cidade de Sabará - Minas Gerais

13K 419 15
                                                  

"Niki vai me matar que perdi a hora para ir à escola, Droga!", a água fria que sai da torneira é um convite para eu acordar e rápido, se Dário estiver acordado dá tempo dele me levar à escola sem que Niki perceba que acordei atrasada, "Droga

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

"Niki vai me matar que perdi a hora para ir à escola, Droga!", a água fria que sai da torneira é um convite para eu acordar e rápido, se Dário estiver acordado dá tempo dele me levar à escola sem que Niki perceba que acordei atrasada, "Droga...".

Abri a porta e desci nas pontas dos pés, não queria fazer barulho e dou de cara com Dário saindo da cozinha comendo seu tradicional pão de queijo e levando à xícara de café na mão, eu sorri, ele parou na metade do caminho e deixou os ombros cair, parando de mastigar, "perdeu a hora de novo? Está na hora de você aprender a por o despertador para tocar!", diz ele me encarando sabendo o que eu iria pedir, olhei em suplica e juntei minhas mãos, ele sorriu engoliu o café, pegou a jaqueta pendurada no cabide da porta. "Vamos maluquete", dei pulos de alegria e corri para alcança-lo fechando a porta a traz de mim sem fazer barulho e seguimos de carro para a escola, no caminho meu cunhado não falou muito, apenas resmungava e me dava broncas.

"Olha só!... hoje você vai trabalhar em dobro na coxia, eu não vou te ajudar!", Dário arregala as sobrancelhas, ele falava sério.

Sorri para ele estendi a mão. "Fechado".

Dário esperou que eu entrasse na escola, deu a partida no carro e seguiu com um sorriso no rosto, depois que compraram a fazenda, nossas vidas não tiveram mais sossego, minha irmã até que é gente boa, mas maníaca por limpeza e agora grávida do primeiro filho e com a sogra morando com a gente, as coisas perecem mais desgastante do que antes.
Niki é dez anos mais velha que eu, hoje estou com dezessete anos, perdi meus pais em um grave acidente de avião, meu pai era piloto e voltávamos para Minas em seu jato táxi aéreo, papai estava começando seu novo negócio, fomos passar uns dias em Orlando e na volta despencou em alto mar e apenas eu sobrevivi pela coragem e determinação de minha mãe que me tirou de dentro antes que a aeronave afundasse com ela e meu pai presos.

"Alysson?"... Diz o professor pondo a mão na cintura e me encarando nada satisfeito em me ver entrando correndo, "quantas vezes já disse que não quero que entre na minha aula atrasada?"

"Várias vezes, professor, mas não resisto em deixar de assistir suas aulas", Sorrio amável para ele e com olhar de apaixonada, era o professor de História mais lindo que já tinha visto em toda a minha vida, " Você é tão lindo!... Pena que é casado".

Marcelo solta uma gargalhada e os alunos também, ficando vermelho, abana o braço, "sente-se logo antes que eu mude de ideia", e me lança um olhar divertido.

Sempre fui péssima em História, mas Marcelo é ótimo professor e sabe dar uma aula como ninguém, essa era a vantagem de se viver no interior de Minas, todos se conheciam e todos sabiam de suas dificuldades, a diretora a Senhora Adelaide é muito simpática, me ajudou na adaptação quando cheguei muito ferida e traumatizada, mal falava com as pessoas e às vezes tinha surtos de pânico em plena aula, com o tempo meus colegas aprenderam a lidar comigo, a me ajudar a esquecer, hoje éramos inseparáveis.

Um CEO Apaixonado (COMPLETO)Onde as histórias ganham vida. Descobre agora