Capítulo 9

5.4K 585 56

Oie, tudo bem?

Vamos conhecer um pouco mais dessa história!! 

________________

________________


CAPÍTULO IX

Levantei-me bem dispostas e fui para a janela respirar o ar puro e fresco da manhã. Naquele horário o pomar bem cuidado ficava ainda mais colorido, com uma grande variedade de árvores frutíferas, sendo que as laranjeiras eram as mais carregadas. Estava tudo quieto e silencioso do lado de fora, as vozes infantis partindo apenas das salas de aula no primeiro andar. Com as professoras tomando conta das crianças, eu não sabia exatamente qual seria a minha função, restava perguntar a Miguel e assim ter um bom pretexto para falar com ele sem parecer oferecida.

Durante o banho, ao fitar-me no espelho do banheiro, notei o quanto estava diferente, com a pele mais saudável e luminosa, as olheiras que me acompanhavam desde que comecei a passar minhas noites em claro não existiam mais, até os olhos tinham ganhado um brilho novo, o que atribuí às noites de sono que há muito tempo não tinha.

Animada com a mudança, decidi dar maior atenção ao visual e escolhi um vestidinho amarelo claro, com elástico no decote sem alças, apertado na cintura com a saia curta soltinha. Deixei os cabelos soltos, passei um pouco de gloss e calcei chinelos enfeitados com miçangas coloridas, para que ficasse bonita sem passar a impressão de que tinha me produzido demais.

No primeiro andar, fui recebida por um Denilson sorridente e caloroso, da forma como todos os demais funcionários se mostravam, o que me surpreendeu um pouco, visto que, no fundo, eu esperava pela hostilidade deles, afinal por duas noites seguidas atraí o patrão para o meu quarto, um homem Santo, embora nem minha consciência me acusasse por cobiçá-lo, me sentia culpada apenas pelo plano maligno, elaborado por Valentina, que havia por trás das minhas intenções e embora não fosse apenas esse o motivo que me incentivava a atraí-lo — mas também o desejo ardente de ser sua, mesmo que por uma noite apenas —, não podia nem pensar no tamanho do ódio que Miguel sentiria se descobrisse a verdade. Era melhor nem pensar nisso mesmo.

Perguntei a Gabriela, uma das cozinheiras, onde encontrá-lo e ela gentilmente mostrou-me onde ficava a entrada de um porão, algo que eu só tinha visto em filmes antes, nem sabia que existia de verdade. Diferente dos porões fictícios, aquele era limpinho, cheiroso e bem iluminado, decorado com armários de aço novos, muitas caixas de papelão bem organizadas em uma pilha, brinquedos e a mesa retangular com computador atrás da qual Miguel se encontrava sentando, tão concentrado na tela do aparelho que demorou um segundo para notar a minha presença.

— Oi. Não quero incomodar. — sorri pela simples satisfação de olhar para seu rosto lindo.

Ele me encarou a princípio sério demais, fitando-me fixamente, depois abriu o mais irresistível dos sorrisos, seu olhar assumindo um brilho árduo.

"Miguel, querido, você já está na palma da minha mão. Só ainda não se deu conta disso."

— Você não incomoda. Senta aí.

Desejo Proibido (AMOSTRA)Read this story for FREE!