Editoras #6 - Auto publicação

893 80 49





O barateamento da impressão dos livros proporcionou uma forte expansão do número de pequenas editoras. São editoras conhecidas como independentes por não fazerem parte de nenhum grupo editorial. Essas pequenas editoras são muito diversas entre elas – falaremos mais delas em outro capítulo – mas também são comerciais. Isso quer dizer que, mesmo limitadas a um nicho e tiragens pequenas, elas se sustentam de suas vendas. Exatamente por isso, pagam direitos autorais e não cobram dos seus escritores os serviços de publicação.

Na contramão desse modelo de negócios, existem empresas prestadoras de serviço que cobram pela publicação (parcial ou integralmente). Muitas vezes, elas disfarçam seu modelo de negócio sob o pretexto de uma necessidade mercadológica e exigem uma demonstração engajamento do escritor (compra de uma parte dos exemplares) ou a diluição de risco (o autor compra os livros se a editora não conseguir vender).

Cabe, então, analisar qual é o verdadeiro negócio dessas empresas. Uma das maneiras é entender a dualidade risco-receita dessas "editoras".


Risco-receita

O grande risco de uma editora comercial é não vender. E sua grande receita é a venda de livros. Para vender ela precisa atender uma demanda do seu público. Então, se a editora atender bem as demandas dos leitores por livros, tudo tende a dar certo.

Entretanto, com as prestadoras de serviço a situação é diferente. A maior receita deles é o valor recebido pelo escritor (como será detalhado abaixo) e seu risco, pasmem, é não ter o número suficiente de novos escritores. Parece errado, então que tal exemplos reais de propostas que eu recebi. Mas antes, vamos analisar quanto custa imprimir livros (considerando uma tiragem de 1000 livros e um livro de 300 páginas).


Quanto custa imprimir:

Os valores foram obtidos a partir de consultas ao mercado de forma que os valores mínimos têm qualidade suficiente e os máximos não são abusivos. Em outras palavras, são cobrados valores superiores e inferiores. Atentem que estes são os custos para contratar freelancers, que naturalmente recebem mais do que um profissional empregado regularmente por uma editora.

Leitura crítica: R$250-550

Revisor/preparador: R$ 1000-2500

Capista: R$ 150-500

Prova e diagramação: R$ 1000-2500

Impressão de miolo (páginas): R$ 3000

Impressão de capa: R$ 4000

Total mínimo: R$ 9.400 ou R$ 9,40 por livro

Total máximo: R$ 13.050 ou R$ 13,05 por livro

Total médio: R$ R$ 11.225 ou R$ 11,23 por livro


Exemplo 1: Editora de médio porte

Três dias úteis após o meu envio, recebi uma proposta que consistia em comprar 1000 livros de uma tiragem de 1500. Pagaria R$ 18.500 ou R$ 18,50 por livro. (outra proposta da editora foi compra 500 a R$ 33 por livro – muito pior que esta). A editora não pagaria direitos autorais (e falaremos mais à frente disso). Considerando as muitas críticas à qualidade dos livros (revisão, diagramação e capa) que achei na internet e o tamanho da editora, vamos assumir seus custos como os do Total mínimo, mesmo que sejam ainda menores.

GUIA do Escritor de FicçãoOnde as histórias ganham vida. Descobre agora