Cap-26

8K 327 25

Miguel
Eu fiquei desesperado ao ver o corpo frágil de Marina no chão todo ensanguentado, quando dei por mim já estava chorando e a pessoa que causou o acidente não prestou socorro, mas a única coisa que me preocupava era salvá-la.

Quando a ambulância chegou eu não pensei duas vezes antes de acompanhá-la.

Chegamos no hospital e eles a levaram pra emergência. Eu não sabia como dar esse notícia pra família dela e muito menos pra minha, mas tentei. A mãe dela ficou desesperada e já está a caminho e meus pais também.

Eles chegaram e vieram correndo em minha direção.

--Filho como se sente?-- disse mamãe calmamente, mas dava pra ver em seus olhos o quanto estava aflita.

--O que aconteceu com minha filha? Já deram alguma notícia dela?-- mãe dela me bombardeio de perguntas

--Não ainda estou esperando notícias dela-- quando terminei de falar o médico apareceu

--Familiares ou amigos de Marina Salvatore Fonseca.

--Aqui!-- fomos todos para perto do doutor

--Então, Marina teve que passar por uma cirurgia de emergência pois fraturou os joelhos e uma fratura leve na coluna, se a cirurgia der certo ela voltará a andar normalmente, se não acredito que possa ficar em uma cadeira de rodas.

--Mas ela não corre risco de vida né!?-- perguntei aflito

--Não, até agora a cirurgia está tomando um bom rumo. Espero que ela continue forte. Agora vou voltar pra sala de cirurgia, com licença-- e voltou de onde veio

Esparamos por mais duas horas e nada, então eu fui tomar um café pra me manter acordado.

Amanda
Vocês devem estar pensando que fui eu que causei aquele acidente, mas não, eu estava perto na hora e admito gostei de vê-la daquele jeito.

Agora é só botar meu plano em ação.

Miguel
Quando voltei o médico estava lá e liberou minha entrada para ver Marina, já que os outros tinham ido pra casa.

Entrei no quarto e ela estava tão pálida, tão diferente, nem parecia ser minha Marina, mas continua linda.

Me aproximo da cama e a observo.

--Era pra ser eu no seu lugar, mas você se arriscou por mim. Se eu fosse mais rápido poderia ter te livrado dessa. Ah minha linda, acorda por favor-- disse e encostei minha cabeça em sua mão

--Acho que não iria conseguir, foi rápido demais

--Marina, ainda bem que acordou, eu não ia me perdoar se você não resistisse-- falei passando mão em seu cabelo

--Não fique assim. Faria tudo de novo se fosse preciso-- ela disse um pouco sonolenta e eu fiquei ainda mais admirado, ela nem parece ter só 17 anos!

--Eu não sei o que eu faria sem você-- falei e lhe dei um beijo, ela ficou surpresa mas aceitou.
O doutor entrou na sala e a levou pra fazer alguns exames.

Eu saí e vi seus pais e os meus na sala de espera.

--Miguel como está minha filha?--perguntou sua mãe

--Está bem, o médico a levou pra fazer alguns exames e depois vocês vão poder entrar

--Filho como se sente? Já comeu alguma coisa?

--Sim mamãe, eu já comi e estou bem--falei e sentei na cadeira.

Agora estou mais confuso do que nunca. Eu a amo. Não tenho mais dúvidas disso, mas se eu disser isso agora ela vai pensar que é só pelo que ela fez. Vou esperar mais um pouco mais.

Marina
Eu não sentia minhas pernas, mas não queria preocupar mais o Miguel, ele estava se culpando e eu não quero que ele fique ainda mais preocupado.

--Doutor porque não estou conseguindo sentir minhas pernas?

--Por causa da cirurgia, mas se dermos sorte você voltará a andar logo logo.

--Tá certo

Fiz muitos exames e depois voltei pro quarto. E minutos depois meus pais entram, me enchem de perguntas, conversamos bastante

--Filha eu ainda não entendi o porque você fez... Ham... Porque tirou ele da frente do carro, mas não tirou a você mesma?

--Pai, eu não sei. De repente me bateu um desespero de ele ser atingido e morrer que eu preferi o empurrar, ele até tentou me puxar mas o carro estava rápido demais. O que importa é que não estou morta e nem ele.

--Você o ama?--mamãe perguntou. Fui pega de surpresa

--É...eu...eu não sei-- gaguejei-- é tudo muito confuso, sabe? Não dá pra saber ao certo-- falei cabisbaixa

--Tudo bem princesa, você não é obrigada a amá-lo

--Mas eu não queria ter que me divórciar pai. Eu não me vejo mais numa vida sem que ele esteja por perto. Eu não sei mais ficar longe dele.

--Own, meu bebê está amamdo-- disse mamãe e eu fiquei constrangida

Será que ela está falando a verdade? Acho que sim! Mas ainda não tenho certeza.

UHU mais um meus amores!
Até o próximo cap!
Bjos no coração!
Téèh 💕

Casamento Forçado Leia esta história GRATUITAMENTE!