Capítulo 51 - Rafael - PARTE I

297 33 33

Nem todos os finais são ruim, alguns são apenas novos começos.

Rendição

Aurora nem mesmo me olhou enquanto saíamos do colégio. Permaneceu o tempo todo olhando para a mochila parecendo desconfortável e envergonhada dentro das minhas roupas grandes demais e agradeci em silencio por sua distância porque assim não viu quantos olhares horrorizados de pena e repulsa recebeu das pessoas com as quais cruzamos pelo caminho. Eu quis bater em cada uma delas. Por Deus, eu queria bater em Madison e jurei em silencio que a faria pagar por todo constrangimento que eu via nas mãos unidas e retorcidas e nos ombros caídos da minha garotinha perdida. Mas a repulsa que eu sentia por ela ainda era menor a que eu sentia por mim mesmo porque por mais que tenha pedido para que eu me afastasse eu tinha que ter estado por perto.

Ela era vulnerável sozinha.

Eu me decidi por leva-la para sua casa para que pudesse se trocar e me mandar embora se assim desejasse porque ficou claro que não havia me perdoado sobre sua mãe e por mais que eu quisesse retirar o que disse não podia. Não era certo mentir apenas para que se sentisse melhor por mais que esse fosse meu desejo. Empurrei-a até a varanda e olhei para o chão criando coragem para me desculpar e quando os levantei encontrei-a fugindo de mim. Aurora agarrou a maçaneta rapidamente e abriu a porta ainda sem me olhar e eu não suportei deixar que fosse embora.

— Eu sinto muito pelo que Madison fez hoje. — Murmuro vendo-a se retrair ao escutar o nome da filha da puta. Eu cuidaria dela mais tarde quando minha vontade de enforca-la diminuísse e eu tivesse certeza de que conseguia me controlar antes de voar em seu pescoço. — Te prometo que não vou deixar que ela chegue perto de você de novo. — Aurora assente duramente olhando para sua mochila e se decide por retirar de dentro dela seu caderno e uma caneta. Ela olha para a folha de papel, suspira e se debruça para me rabiscar um bilhete me parecendo incomodada.

Isso é impossível a menos que você também não chegue perto de mim. Sua namorada vem no pacote não é?! E por falar nisso você poderia ter arrumado uma melhor, não que ela não seja linda, mas é uma vaca!

— Ela não é mais minha namorada. — Os olhos negros de Aurora brilham quando finalmente me encaram. — Porque eu acho que estou me apaixonando por outra pessoa. — Então o brilho se apaga.

Será que ela realmente não sabe que estou falando dela?

— Não imagino como isso possa ter acontecido porque essa pessoa nunca falou comigo e nas maioria das vezes se recusa a me olhar embora adore que eu a alimente e seja uma cretina que não perde uma oportunidade de arremessar coisas em mim. — Ela se assusta com minhas palavras e pisca repetidamente abrindo a boca e por um mero segundo penso que vou escutar sua voz. Mas Aurora volta a fechá-la enquanto coloca as mãos sobre o peito arfando, como se não pudesse respirar.

— Você está bem? — Ela assente e mesmo assim não me parece bem.

Minhas mãos voam para cima dela e Aurora as agarra colocando-a sobre seu peito então o mundo ao meu redor ganha um contorno diferente. Mais vivo e colorido porque parece que posso sentir seu coração acelerado como se o segurasse nas minhas próprias mãos. Aurora está entregando-o a mim, ou talvez não esteja porque se afasta antes de pegar o papel mais novamente.

Eu nunca serei como Madison, Rafael.

Não se joga tanta perfeição fora.

Não se termina com tanta perfeição. Eu não terminaria.

Enquanto seus pés não tocarem o chão - Aurora & RafaelLeia esta história GRATUITAMENTE!