Capítulo 52

14K 1.1K 50

Meus pés, não me favoreciam, eu estava vagarosamente caminhando contra o desejo de fugir. No meu pensamento barreiras tentavam á todo custo, me fazer dar meia volta.

A manhã nublada, deixava o clima mais tenso, a névoa também não favorecia. Pensei em todos os momentos, que pareciam ter sidos mágicos, pelo menos para mim. Para mim.

- Droga - xingo baixinho ao ver o Audi parado bem em frente á minha casa.

Eu estava sendo forte, não chorar.
A porta do carro, é aberta. Tento não parecer desvastada.

- Emma.. - por que quando meu nome, é pronunciado por ele, parece ser perfeito? Seus lábios ficam tão bem dizendo meu nome.

- Emma não é o que você tá pensando.. - ele vem para perto de mim. Analiso sua aparência, uma calça preta, uma camisa branca e jaqueta de couro.

- O que você está fazendo na minha casa? - pergunto irritada.

- Emma, por favor não torne as coisas mais difíceis.

Seus olhos começam a lacrimejar, deixando-me triste.

- Matthew, você me destruiu, enganou, mentiu e manipulou. Enchendo-me de expectativa, em algo que nunca existiria. Sempre me tratou da melhor forma e pior possível, sempre. Não tinha espaço para outra pessoa no meu coração, pensava o mesmo sobre o teu. Mas pelo contrário.. - eu apontava o dedo em sua direção, enquanto quase gritava de raiva. - Você pode inventar mil desculpas, mas você sabe muito bem o que é ter um coração partido.

- Emma não é assim.. - ele tenta. - Nós nem mesmo nos beijamos, era coisa do Sr Willians.. E dependendo de m..

- Até quando você vai ser o cachorrinho, desse cara?

- O que? - ele me olha sem entender.

- Você me prometeu que voltaria, mas acabou me traindo - começo á chorar, queria apenas que tudo acaba-se logo
Vejo Liam, o vizinho, olhando pela janela com seu irmão Sebastian.

- Emma, tudo foi um erro, você não entendeu. Não aconteceu nada, nada. O que eu sinto por você é.. você é perfeita para mim.

Um suspiro longo, sai de sua boca, deixando-me mal.. mas se fosse verdade aqueles flashs não teriam registrado o momento.

- Olha Emma, se eu não gostasse de você, não teria motivo para eu estar aqui, não teria motivo por eu estar tentando proteger você. - ele cerra as mãos em punho. - Droga, eu to fazendo tudo que tenho, para essa porcaria acabar logo. Eu não aguento mais ficar longe de você, se eu não te quisesse não teria falado, para você ir para minha casa...

Ele chega mais perto, mas eu recuo.

- Emma, você não pode simplesmente acreditar na Mídia. Eles falam o que querem.

- Não é tão simples, para mim nem para você. Você estava longe, você não ligava, apenas mandava mensagens. Nem se preocupou em vir me ver mais vezes. Agora tinha tempo para levar outras em restaurante, fingir que tinha uma vida normal. Eu te amo, você dizia que me amava, mas não parece verdade, não quando eu comparo o agora com o passado, talvez você não me amou. Apenas uma paixonite temporária, ao qual você se vê com pena de acabar. Para que mentir quando se tem tudo que quer Matthew? Você é um homem poderoso, mulheres caiem ao seus pés não só por causa do dinheiro, mas pela sua aparência. Então não perca seu tempo comigo.

- Emmanuela, da pra parar com isso. Não seja teimosa.

- Adeus Matt - começo á caminhar em direção á porta de casa.

Os passos acelerados, não ajudam quando sinto suas mãos em meu braço.

- Emma.. deixe eu me explicar.

- ME SOLTA, SOME DA MINHA VIDA. - guspo as palavras, enquanto retiro meu braço.

Seus olhos ficam vermelhos, novamente sinto uma dor tremenda, por não estar nos consolando, por não ter alguém para isso. Ele era tudo que eu tinha pelo, menos era o que eu pensava.. Eu não iria deixar isso acontecer, não mesmo.

Sem olhar para trás, sem diver uma palavra entrei para dentro de casa é desabei, olho pela janela enquanto via pela última vez seu carro partir.

Savannah segura minha mão, com os seus olhos arregalados. Minha pequena. Ela me olha sorrindo e fala:

- Eu nunca vou te abandonar.

Se ela soubesse como é amar, ela nunca amaria. Sempre ouvimos quando criança que devemos aproveitar o máximo da infância. Isso é a mais pura verdade, sem preocupações e compromissos.

Nem minha mãe e meu pai, que eu achava uma linda história de amor continuaram juntos. O amor te faz cego.

***

Filha, você tem certeza que você quer isso? - minha mãe pergunta enquanto, faço uma carta para entrar na Universidade.

- Não vou mais perder meu tempo, não mais - digo balançando os ombros.

Uma semana, havia se passado desde que ele partiu, eu já estava aceitando melhor. Aceitando o fato de ficar sozinha, seria melhor para mim.

- Filha você, tem que viver sua vida, não pode ficar presa á nós. Mas.. só tome cuidado.

- Mãe, eu nem sei se vou conseguir. Eu só quero viver um pouco. - suspiro.

- Eu te Amo, filha.

- Eu também te amo mãe!

Querida BabáOnde as histórias ganham vida. Descobre agora