Chapter 45: Antes só do que mal acompanhada

Começar do início

Como é que é?!

- Você não pode parar aqui! – me estresso ainda mais. - É um ponto de ônibus e eu preciso pegar um, se ficar ai ele não vai parar pra mim! – encaro Sean furiosa, cuspindo cada palavra.

- E aonde a senhorita pretende ir tão tarde? – questiona sorrindo. Aí que ódio, vontade de arrancar esse sorriso idiota do seu rosto. 

Porque ele tem que ser assim?

- Não te interessa! – resmungo emburrada. – Vai embora, não quero você aqui. – ralho mais alto e forte olhando para o outro lado.

Nesse momento Sean liga o carro e sai. Nem olho para onde está indo, apenas o ignoro, sem mostrar que me importo. Confesso que pensei que seria mais difícil... Ele nem insistiu direito! Foi só eu falar mais grosso e ignorar que ele já se foi... Ai que ódio, agora estou com raiva porque ele não ficou. Afinal, o que eu quero? 

- Que ônibus estamos esperando? – pergunta sentando-se no banco ao meu lado. Viro-me rapidamente surpresa e o vejo sorrindo para mim. A vontade de responder esse sorriso lindo era imensa, no entanto minha raiva era muito maior. Olhei para frente e vi seu carro estacionado em frente a um muro onde outros carros estavam também parados.

– Bom, EU – enfatizo bem a palavra para ver ser ele entende – vou pegar o em direção ao terminal. – respondo em desdém, ainda de braços cruzados, e olho novamente para o outro lado o evitando. Não preciso de sua companhia, estou muito bem sozinha do  que com esse cafajeste safado que só quer me iludir!

Sean fica quieto, sem falar nada, contudo sua presença me enfurece. Posso senti-lo ao meu lado, vejo pelo canto do olho que sorri e isso me deixa puta da vida. Porque tem que ser tão bonito, meu Deus? Por quê?! Para piorar como estamos próximos consigo também sentir seu cheiro, aquele aroma gostoso que dá vontade de me jogar nele toda vez. Merda! Porque ele não vai embora?!

Por conta disso fico me remexendo a todo o momento, pulando irritada no banco e bufando, mas nem isso o abala. Sean continua ao meu lado todo o tempo e para piorar não para de sorrir igual á um bobo alegre. Minha raiva parece o entreter de alguma forma, o alegrando ainda mais. 

- Ai! - praguejo irritada e bufante. - Porque você tá aqui? – finalmente pergunto.

- Já disse. – fala calmo e depois disso se cala. Fico esperando sua resposta até que desisto e me viro para olha-lo, pedindo uma explicação.

- Só saio daqui com você. – ele mira meus olhos com uma intensidade enorme, que até dissipa um pouco da minha raiva... Tá, só um pouquinho. – Não vou mais deixa-la ir, querida. – sorri mirando meus lábios. – Não a tratei como merece e por conta disso estou aqui. Preciso de você, minha Emma. – enfatiza o "minha" e isso me causa arrepios. – Preciso que me perdoe.

Porcaria, esse homem não para! Porque tem que ficar falando essas coisas e me olhando desse jeito?!

Foco, Emma. Lembra o que ele fez!

- Boa sorte com isso. – retruco brava, sem demostrar emoção e me viro novamente, ficando de costas.

Ouço sua risada baixa e tem grande impacto em mim.

- Será um delicioso desafio, meu anjo... Você tem um cheiro incrível... – murmura baixo perto do meu ouvido e suspira algumas vezes, fazendo com que meu corpo inteiro pegue fogo. Sua respiração quente em meu pescoço está me enlouquecendo. Pulo em meu assento e me afasto dele enquanto resmungo alguns xingamentos.

Ficamos desta forma até que finalmente o ônibus que estou esperando chega. Nem me despeço de Sean e faço sinal para que pare, corro até o ônibus sem olhar para trás. Passo meu MetroCard, pagando minha passagem, mas quando vou entrar me desequilibro no instante em que o ônibus se movimenta e caio em cima de alguém. Antes que eu me vire para me desculpar sinto suas mãos pelo meu corpo.

Sempre sua Luce  (COMPLETO)Leia esta história GRATUITAMENTE!