- Íris Púrpura -

260 27 20

Apresentando: Pandros, personagem de Os Guerreiros de Alquemena  



A roda de história está mais apertada, os convidados não param de chegar. Alguns estão aqui desde o começo com você, mas outros parecem se interessar pelas histórias do Fauno ainda que não conheçam os episódios já narrados. Com um sorriso, Naví dá as boas-vindas a uma senhora de cabelos vermelhos, quase roxos, com uma misticidade envolta nos seus olhos verdes. Há uma jovem loira que também se aprochega, pegando uma coberta ao lado da garota de cabelos azuis que acompanha os fatos narrados pelo Fauno desde a primeira fogueira acesa. A brasa ainda está viva mesmo com o frio que dissipa aos poucos o calor aconchegante.

O Fauno decide fazer algo diferente: ele pula da pedra em que costuma ficar em pé, em todo o seu visual exótico, e pede licença aos seus ouvintes para sentar entre eles, participando do círculo. Encarando cada um, com as mãos tocando as folhinhas que perambulam o ar junto ao sereno, ele cria uma atmosfera de tensão e a as sombras tenebrosas das árvores parecem te abraçar. Sua espinha treme, você sente o Fauno investigando as profundezas e há certo desconforto nisso - mas ele passa. De repente, há uma dança ritmada nas fagulhas de fogo na lenha que lhe hipnotiza, mantendo-lhe seguro dentro das linhas que começam a ser narradas pelo Filho do Elemental...


Este conto agora faz parte da antologia 'Vilões' da Editora Wish.

Devido aos direitos autorais e contratuais, ele não se encontra mais disponível digitalmente.

Você pode adquiri-lo no site da Editora Wish ou direto com o autor por inbox ;)


Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.








A Bolsa de Contos de NavíLeia esta história GRATUITAMENTE!