Capítulo 45 - Aurora PARTE I

350 36 79

Não posso simplesmente me esconder no interior de meu antigo casulo e aguardar uma transformação. Não adiantaria já que nunca terei a chance de me transformar em uma linda borboleta. Como eu sei? Eu tentei. Mas minhas asas falharam. Falharam precisamente quando pulei de uma janela e elas não se abriram. Então eu continuo sendo uma lagarta.


A Rainha de Gelo e o armário

Por algumas horas Rafael desistiu de sua voz e aderiu a minha pratica de trocar bilhetes me perguntando sobre tudo e qualquer coisa remotamente interessante ou não que eu possa ter feito em uma década e entre uma olhada e outra para as estrelas, muitas risadas e sorrisos e olhares desconcertantes, perdemos a hora. Já era madrugada quando finalmente cheguei em casa para me deparar com um bilhete de Finn esperando por mim em cima da cama bem ao lado de uma cadela roncando em um sono pesado com o focinho aninhado em uma das blusas que eu havia deixado jogada pelo chão antes de sair. Imagino que a Imundice provavelmente ainda não tinha se acomodado quando os rabiscos foram escritos.

Pelo menos eu acho, não é?! Afinal, não encontrei minha cama na garagem.

Finn disse que Jully achou simplesmente espetacular não ter sido obrigada a me aturar durante sua visita e que prometeu voltar em mais duas semanas depois de tagarelar no seu ouvido por duas horas inteiras. O bilhete também dizia que eu era uma desalmada por abandoná-lo à mercê de uma pessoa tão terrível e que haveriam consequências para minha infinita ingratidão para com o homem que gentilmente me cedeu seu escritório para que eu não tivesse que dormir no capacho de boas-vindas. Eu tinha que esconder muito bem aquele cachorro). Por fim, Finn escreveu que havia surgido uma pista em um de seus casos e que teria que passar o final de semana fora da cidade. Fora instruções para: Não beber, fumar, me drogar, dar festas, ficar gravida ou matar alguém em sua ausência.

Ele não queria mesmo que eu me divertisse, não é?! Dizimou minhas melhores opções de distração para o final de semana. Fui obrigada a jogar as garrafas de bebida e as drogas fora e ainda por cima cancelar a festa. Bom, agora quanto ao corpo escondido em baixo da cama era tarde demais para fazer alguma coisa a respeito!

Enfim, sem Finn em casa não encontrei razões para ser educada e fora vasculhar a geladeira e cometer um pequeno ato de vandalismo contra nossos vizinhos passei meu domingo trancada dentro do quatro abraçada a blusa de Rafael, comendo batatinhas fritas com uma cadela esfomeada ao meu lado, assistindo mais episódios daquela coisa legal de zumbis e imaginando como seria tratada pelo Mister Arrogância, agora vulgo, Mister Simpatia na manhã seguinte. Audrey nem mesmo se dignou a ver se eu ainda estava viva e isso me fez pressentir que sua boa vontade em me acolher era usada apenas na frente do marido. Mas quem liga? Não a garota com o nariz enfiado em um moletom, com certeza!

Na manhã de segunda feira eu desperto com uma sensação inquietante de que estou sendo observada e meus olhos se abrem para encontrar Finn inclinado sobre mim me olhando dormir. Não sei qual de nós dois levou um susto maior, mas apenas um de nós dois gritou. Ele deu um pulo para trás colocando ambas as mãos no peito. Hum, infarto? Não. É só frescura na bunda mesmo.

— Droga, você me assustou! — Jura? Se não fosse pelo gritinho afetado eu nunca teria imaginado. Suspiro e estico a mão para pegar o caderno no criado mudo.

Olhar uma pessoa dormir é doentio e estranho, sabia?

— Eu não sabia como te acordar. Fiquei com medo de te cutucar e terminar com um olho roxo. Eu podia ter gritado ou te chutado. Mas ainda não sei como fazer o que eu vim fazer e fiquei distraído pensando nas opções. — Suspira dando de ombros e eu aguardo olhando-o com aquele olhar impaciente de: Desembucha, cara! — Bom... Eu vim brigar com você! — Conta parecendo animado e eu me animo também porque pressinto que isso será divertido. Meus olhos se arregalam de expectativa e eu sorrio me ajeitando na cama.

Enquanto seus pés não tocarem o chão - Aurora & RafaelLeia esta história GRATUITAMENTE!