5 - A verdadeira lei

668 41 35

A mata foi deixada para trás. Amie ainda conseguia ouvir o som dos pássaros ficando um pouco mais distante.

Ainda dava para sentir a brisa leve deixando o corpo da menina mais suave. Um animal estranho passou correndo por eles. Amie sorriu de animação. Aquele lugar era tão belo e ela só estava percebendo isso agora.

Hilary segurava seu arco e flechas. O olhar da menina sereia nem sempre era tão assustador assim. Eles estavam bem verdes agora, parecia normal. Pelo pouco tempo que Amie tinha estado com ela, deu para perceber que era a cor verdadeira deles.

Dolly caminhava ao lado de Milo. Ambos estavam bem distraídos. Milo levava sua adaga e Dolly carregava consigo uma lança. Amie se perguntava o porquê de eles andarem sempre com essas armas. Eles não poderiam simplesmente usar magia?

— Você está se sentindo bem? — Perguntou Cavin.

Assustou-se com a chegada repentina de Cavin. Ele trazia consigo sua espada, ela tinha o cabo vermelho e a lamina brilhosa. A menina tentou olhar nos olhos dele, mas achou melhor fitar os seus próprios pés. Era estranho isso que sentia.

— Eu estou bem — ela disse.

Hilary olhou para trás, desconfortável.

— Hum... lamento pelo comportamento de Hilary, — Cavin se desculpou — ela é muito protetora.

— Eu não vejo dessa forma — Rebateu.

Cavin pareceu não entender.

— E vê de que forma então?

Tentou pensar em alguma resposta, algo que não comprometesse muito, algo que não o deixasse tão abalado, pois, dava para perceber que ele não percebia os motivos da sereia, mas Amie sentiu uma pontada perfurar seu ombro esquerdo. A menina pensou no momento, que seria um mosquito bem grande, mas quando direcionou seu olhar ao braço viu que não era esse o caso.

— Dardos! — Cavin alertou, antes mesmo de Amie pensar qualquer coisa. — Preparem-se. Tem alguém ai!

Hilary parou onde estava e posicionou seu arco para a frente. Todos estavam atentos e em poucos segundos vários homens vestidos com armaduras vermelhas surgiram.

Um barulho de espadas chiando contra outras surgiu, Amie se sentiu perdida. Cavin corria em direção aos guerreiros da Elite e logo os derrubava.

Dolly, que antes parecia uma jovem doce e quieta, deixou seus dentes ficarem mais pontudos e suas orelhas maiores. A menina estava tão agressiva e enfiava a lança em quem ousasse se aproximar.

Milo pegava sua adaga e a manejava de maneira muito graciosa.

Amie estava tão paralisada que não percebeu quando um dos homens voou em sua direção. A menina sentiu todo o seu corpo colidindo contra o chão e sua cabeça batendo na grama fria. O homem pressionou-a com muita força e ela sentiu como se seu sangue estivesse se esvaindo, de relance percebeu quando a capa dele caiu da cabeça e as presas apareceram.

— Me solt... — Não conseguia falar direto. — Por fav...

Sangue saiu de sua boca enquanto tossia com a dor que estava sentindo. As costas começaram a arder e a visão ficou densa demais para poder distinguir o que acontecia em sua volta.

Ela tentou se debater e empurrar o vampiro, mas ele pesava muito.

Tudo acabou mais rápido do que começara, ela fitou o céu e no mesmo instante uma flecha caiu em direção ao vampiro, acertou bem no coração e ele caiu sobre Amie.

A Princesa de Ônix - (Degustação) Leia esta história GRATUITAMENTE!