Prólogo

242 15 11


      Sara correu pelos campos do grande , subiu as escadas do castelo, passou pelos guardas da biblioteca real e abriu suas portas, tão animada que ninguém fora capaz de impedi-la de continuar a correr por entre as estantes, até encontra-lo. O velho guardião escutava, atento, a leitura de um de seus novos artigos, um estudo detalhado sobre as Batalhas de Rulliver e o seu legado, quando ela, agora muito mais calma, o abraçou sobre os ombros.

           — Olá minha pequena. — Disse ele, ao tatear suas mãos.

           — Olá vovô, vim ouvir uma história. — Respondeu Sara, dando a volta em sua cadeira e sentando-se ao lado de Morgan, a assistente, que ainda aguardava pacientemente, pelo retorno da leitura.

           — Por favor, Morgan, guarde os pergaminhos, terminamos isso amanhã. — Pediu ele, estendendo as mãos a neta, que prontamente as segurou, conduzindo-o até uma outra poltrona, meticulosamente posicionada por seus homens ao lado da janela.

           Enquanto Aérian se acomodava, a menina olhava curiosa para uma rosa diminuta, cujas pétalas claras pareciam-lhe imersas na taça de um vinho purpura.

           — Que rosa é essa vovô?

           — Não reconhece as rosas carmesins do nosso jardim?

           — Não vô, essa aqui do lado da janela, a pequenininha.

           — Ah. —Disse ele, refrescando a memora. —Este é um raro vinho do norte, cultivado para permanecer como uma miniatura da flor original. Foi dado a sua bisavó   há muitos anos atrás e ouvi dizer, que dele nasceu uma fada.

           — Uma fada? — Perguntou ela, aproximando-se da rosa, para ver melhor.

           — Uma fada chamada Gina e uma princesinha chamada Lucy.

           — Uma princesa nasceu da flor!? — Questionou Sara, incrédula.

          Aérian no entanto, lhe respondeu com uma risada calorosa, voltou seus olhos para os jardins e, como se ainda pudesse vê-los, sorriu. A brisa que entrava suave pelas janelas, tocava-lhe os cabelos e trazia-lhe o cheiro da chuva, ainda distante. Já começara a se deixar levar pelas lembranças quando sua assistente retornou e acedeu a lareira, sentou-se entre eles e percebeu quase sem querer, que também queria ouvir aquela história.

"Lucy era uma fada, nascida e criada em nosso castelo por Gina, uma fada anciã, vinda do norte com uma feroz princesa nortenha, como sua avó, Wyndi. E talvez por isso, todos a tratassem como se ela também o fosse. Quer dizer, todos exceto a velha Gina, é claro! Um dia..."


*****

São os leitores que dão vida a estas páginas.

Para manter este projeto sempre vivo, apoie o autor:

Acessando o Baú Arcano (bauarcano.com.br)
E curtindo a fanpage no Facebook (https://www.facebook.com/meianoiteobardo).

*Copyright ∞ 2016 Meia Noite, o bardo

Todos os direitos reservados incluindo o direito de reprodução total ou parcial.
Obra intelectual resguardada pela Lei 9610/98.

Lembrem-se: plágio é crime! =D

Lucy, a FadaLeia esta história GRATUITAMENTE!