Capitulo 9

4.1K 360 10

Amanhã é terça feira, o dia combinado para falarmos com as crianças e para o restante do pessoal, estou inquieta. E se as crianças acharem realmente que eu quero tomar o lugar da mãe delas? E se tudo que foi construído entre nós desmoronasse? Eu amo muito às crianças e me apeguei bastante a elas. Foi recíproco, elas são uns doces.

Arrumei meu quarto. Eu já tinha terminado de arrumar o quarto das crianças, agora elas brincavam no jardim da mansão. Daqui a pouco eu irei até elas, combinamos de elas não encostarem na piscina enquanto eu não chegar. Sei que pode parecer besteira e que eles sabem nadar muito bem. Até melhor que eu, eu diria.
Mas é melhor não arriscar.
Não vi o Alexandre e não dormimos juntos. A Alicia pediu para dormir comigo e sem cogitação eu aceitei. Ela disse que não estava conseguindo dormir e pediu para que eu contasse uma história para ela. Acabou que nós duas dormimos juntas no meu quarto.
Às crianças já tinha almoçado e já estava quase na hora do "descanso" delas. A hora em que elas tomam banho e vão para sala e se esparramam no sofá, alguns acabam dormindo outros preferem assistir todo o filme. Hoje seria o dia da Soph escolher o filme.

—Mari, eu vou colocar as crianças no banho e daqui a pouco eu venho te ajudar tá?!

Marília organizava os produtos de limpeza para limpar o terceiro andar.

—Obrigada Juju, mas não se preocupe, faça tudo no seu tempo e não se incomode.

—Não é nenhum incômodo ajudar uma parceira de trabalho!

E até porque, tenho que fazer jus ao meu salário que é altíssimo.
E as crianças nem dão tanto trabalho.

—Você que sabe!_Subiu as escadas sorrindo.

Seria muita paranoia ficar imaginando o que vai acontecer amanhã, quando falarmos para as crianças e para todos da casa. Como eu queria que a minha Candinha estivesse aqui, bom, talvez se ela estivesse nada disso aconteceria. Não gostaria de pensar nisso, aliás, não quero pensar nisso.
Eu estou super ansiosa e dividida.

Todas as crianças já estavam prontas na sala, vão assistir a um filme escolhido pela Sophia. Agora eu teria que limpar a sala de jantar, ajudar a Marília não é trabalho nenhum. Ela é um amor de pessoa, todos são uns amores de pessoas.

A campainha tocou. Fui até a porta e a abrir.
Uma bela moça, estava em minha frente com uma mala e uma bolsa. Como as pessoas conseguem ser bonitas assim em pleno calor?

—Boa tarde senhora!_A saudei.

—Boa tarde! É nova aqui na mansão?_ entrou.

—Sim, sou Júlia Cooglen, a babá das crianças.

—Sou Cindy Campybel. Vou ficar no quarto de sempre. O Alexandre já chegou?

—Não senhora!

—Senhorita! Ainda não me casei. Cadê a Abigail?

Será alguma prima do Alexandre que chegou de viajem?

—Ela está na cozinha senhorita. Quer que eu a chame?

—Não, leve minha mala para o quarto de sempre. E avise a Abigail para prepará-lo. E peça a Estela para me preparar um suco de laranja natural com gelo e sem açúcar. Eu já vou subir, Ah! Quando o Alexandre chegar, me avise por favor!

Depois, de tantas ordens, enfim um por favor!

— Claro, agora mesmo!

Subiu as escadas, ela deve conhecer absolutamente tudo na mansão, deve ser alguma parente do Alexandre, para conhecer todos os empregados por nomes.
Melhor fazer o que a "Senhorita Cindy" pediu.
Aliás, Cindy parece nome de cachorrinho. Já tive uma cachorrinha chamada Cindy.
A moça pediu para que eu levasse a mala para o quarto de sempre, porém ela se esqueceu que eu trabalho aqui por apenas oito meses e nunca havia ouvido falar absolutamente nada sobre ela e nem sobre o quarto em que ela ficaria. E modéstia parte, a mala dela estava super pesada.
Subir com a mala até o andar onde fica os quartos, a porta do quarto ao lado do Alexandre estava entreaberta, só podia ser lá.
Bati na porta.

A BabáOnde as histórias ganham vida. Descobre agora