Parte 4 - Pelo amor de Deus, Lídia!

176 33 24

- Estou tentando ser positivo, sabe? Ela disse que quer conversar - Pablo estava dizendo - Ah, qual é, não faz essa cara.

- Que cara? Eu não fiz cara nenhuma - Lídia tentou esconder a cara que estava fazendo dentro do cardápio do restaurante.

- Você acha que ela vai terminar comigo, pode dizer.

- Eu não acho nada. Ela só disse que precisa conversar. Talvez, ela vá te pedir em casamento.

A garota do trabalho voluntário tinha começado muito bem com Pablo. Tão bem que em menos de um mês tinha ganhado o selo de aprovação de Lídia. Não foram uma nem duas e nem apenas três noites, mas noites de perder a conta em que Lídia ficou ouvindo o amigo dizer como a garota era linda, engraçada e inteligente. Até os detalhes que Lídia achava particularmente ridículos, Pablo achava fofo, como o fato da menina usar apenas blusas com gatinhos estampados. Não era difícil enxergar uma menina de dezesseis anos quando Pablo chegava dizendo que "Acho que estou me apaixonando por essa garota". Lídia não tinha nada contra adoradores de gatos, até tinha amigos que eram, e a garota realmente marcava pontos em todas as outras frentes. Pablo nunca tinha sido uma pessoa murcha, como a própria Lídia, mas, depois do namorico com a menina do trabalho voluntário, ele estava simplesmente transbordando alegria. Alguma coisa na cara dele, no rosto iluminado e corado, fizera Lídia notar que Pablo estava até mais atraente.

Mas agora aquela abusada queria terminar com ele. Sim, era óbvio que ia ser um término. Com "Precisamos conversar", nada mais precisava ser dito. Pablo não estava querendo enxergar a verdade, e Lídia se sentia incapaz de quebrar aquele otimismo já tão frágil. Era uma coisa tão bonita de se ver num mundo difícil! Era como uma flor minúscula nascendo no concreto, uma flor na qual Lídia não iria pisar. Mas que a garota ia, isso ia.

- É, talvez ela me peça em casamento - Ele disse, sem nenhuma convicção, e olhou para Lídia.

- Você nem ia aceitar mesmo.

Pablo deu um dos seus raros sorrisos amarelos.

Lídia detestava ser egoísta, mas não conseguia parar de pensar que todos os pontos conquistados pela futura ex-namorada de Pablo seriam perdidos com aquele término totalmente fora de hora. Pablo tinha um coração mole e estava feliz de verdade com o andamento da relacionamento. Era um choque para ele e talvez até por isso essa negação tão evidente. Ia ficar arrasado. E Lídia estaria lá para ampará-lo como mandava seu senso de obrigação e gratidão... Quer dizer, ela teria que estar lá, mas não sabia se haveria condições de ser apoio para ninguém.

Depois de mais de duas semanas de espera, o resultado do concurso literário sairia hoje. Gênios estava concorrendo com quinhentas e vinte e duas histórias. Era esse tanto de gente que ela teria que superar se quisesse ganhar o prêmio. Pablo, Marta e Barbie não a deixavam duvidar de si mesma nem por um mísero segundo, então ela tinha que duvidar apenas dentro da própria cabeça. Convenhamos, quais eram as chances? Mas, de vez em quando, ela se permitia sonhar com a vitória. Ia ser realmente muito legal. O vencedor do concurso ganharia dez mil reais e a publicação do conto, dividindo espaço numa coletânea com nomes famosos da literatura. Dez mil reais! Dez mil! Era apenas mais uma confirmação de sua pobreza, como se precisasse, mas dez mil reais era dinheiro demais para ela. Lídia não sabia nem por onde começar a gastar dez mil reais, mas a publicação mexia muito mais com seu coração. O nome dela na capa de um livro, mesmo que pequenininho perto dos outros, era como um grande sonho se tornando realidade. E mais e mais gente leria Gênios, o que não a assustava nesse cenário, porque, rá, ela já era publicada! Alguém com conhecimento de causa tinha reconhecido que o conto de fato tinha valor. Não adiantava muita coisa Pablo e as outras duas elogiarem horrores a história, porque eles eram muito parciais. E entendiam de sapatos, vestidos e administração de negócios promissores. Escrita criativa era outra coisa. Nem Lídia entendia, pra começo de conversa.

Não Sei Lidar com GêniosLeia esta história GRATUITAMENTE!