Prólogo

171 17 4

Estava frio e a escuridão era quase palpável. Respirei fundo tentando controlar o meu pânico. O medo parecia rastejar sobre o meu corpo como uma cobra venenosa. Girei ao meu redor, avaliando o lugar. Estava escuro demais para decifrar formas ou mesmo onde exatamente estava. Senti minha pele arrepiar e instintivamente cruzei meus braços tentando me aquecer. Havia algo extremamente errado com aquele lugar.

— Laura.

Virei rapidamente, procurando quem havia me chamado. Ninguém. Nenhum barulho, nenhum movimento.

Meu coração disparou em antecipação. Quem estava ali? O que queriam?

— Laura.

Eu reconhecia aquela voz. Todos os meus pesadelos eram acompanhados por essa estranha voz chamando o meu nome. Abri a boca para questionar quem era, mas não consegui articular palavra alguma. Levei as mãos até minha garganta, certificando-me de que nada tentava me sufocar. Gritei, ou tentei gritar, mas não saia som algum.

— Laura.

A voz estava perto, eu sabia que em segundos me alcançaria. Lágrimas escorriam pelo meu rosto e meu corpo tremia aterrorizado. Senti o ambiente mudar, algo se movia em meio à escuridão. Um toque quente percorreu o meu rosto.

— Eu te encontrei.

        

Noite SombriaLeia esta história GRATUITAMENTE!