Capítulo 34

24K 1.7K 81


— HUNTER! HUNTER! HUUUNTER. GREEEG, TOMÁS! - a voz família de Bob, fez perdemos nossa concentração.

Matt sai antes de dizer alguma coisa, sem camisa e com sua calça moletom. Fico recuperando o ar, enquanto ele desesperadamente desce as escadas.

— VENHA VAMOS PARA O SÓTÃO! - Brianna aparece do nada, como se tivesse visto um homem morto em sua frente.

— O que está acontecendo? - pergunto confusa enquanto ela abre uma porta, quase invisel no teto. Ao abrir, cai uma escada de corda com pedaços de madeira.

— Sobe logo! - ela me puxa para subir, assim o faço, ao ouvir um barulho de tiro.

Eu fiquei tensa, tiro? Foi um tiro? O que estava acontecendo, por que raios estariam atirando dentro do pátio? Matthew não havia me dito absolutamente nada, sobre o que iriam fazer em respeito ao cara que assassinou seu amigo, não que eu pensasse que eles iriam o matar, pensei que denunciaram. Brianna estava agachada olhando pelo inferior do chão, do sótão. Conferi se ela tinha fechado á portinha, estava até trancada. Brianna levou a mão até á boca, como se estivesse mandando eu ficar quieta. Concordei.

Acabei me agachando na sua frente e espiando pela greta, que dava de ver no meio da sala. Bob estava ao lado da porta. Enquanto Matt e Greg ficaram atrás do balcão daquela imensa cozinha. Havia batidas frenéticas na porta, até que um tiro ecoou por todo o cômodo.

A porta é arrancada fora, enquanto um sujeito com cara de malandro entra com sua pistola, minha respiração fica acelerada, o que ele queria? Bob atira na cabeça do homem, que logo cai no chão.

— SEUS FILHOS DA MÃE! VENHAM AQUI FORA BRIGAR COMO HOMENS, SE NÃO IREI EXPLODIR A CASA INTEIRA - uma voz alta o suficiente para dar medo, fez Brianna estremecer. Dois homens entram na casa e começam á brigar com os braços, eles os queriam vivos, por sorte. Bob era forte e aguentava, só que um terceiro indivíduo entrou. Matthew pulou o balcão e começou á socar á cara dele, que revidava.

— Seu filho da puta, não acredito que você não morreu ainda - O homem dizia enquanto batia nele com total força, Matt não parecia não sentir dor pois continuava á contra atacar. Greg estava com uma arma na mão, suponho que esperando o momento certo.

— Você é um vagabundo - Matt grita para o cara que acabou de levar uma joelhada na costela.

— Eu te odeio, Mike! - Matt derruba o cara que parece desmaiado, então ele dá uma cutuvelada, em um dos cara que está atacando Bob. Enquanto isso um senhor entra, todos ficam atônitos.

— Meus caros amigos - ele debocha deles, aonde está Tomás? — Vocês pensaram que eu não iria achar vocês?

— Fica aonde está! - Greg grita apoiando sua Magnum em cima do balcão. E com outra mão segura uma granada. Eu fico pasmada, o que ele queria? Como ele sabia de nosso paradeiro?

— Meu tempo é dinheiro, quero que vocês venham comigo agora - o velho diz conferindo o relógio. Matt começa a rir, mas Greg está mais atento que nunca.

— Você pensa que é quem? Estamos com o seu querido Sócio, com mais cinco caras, em um esconderijo. Você acha que iremos nos entregar assim tão fácil - Matt limpa a garganta ao terminar, vejo que Bob; vagarosamente anda um pouco para trás.

— Você já se entregou quando minha filha o enganou - o velho anda em direção ao Matt, que fica confuso. -Sofhia era de longe uma garota genial, sempre com seus dons de persuasão e charme, você caiu fácil fácil, na verdade todos caíram."

— Eu não acredito em você -Matt diz, enquanto fico atenta. — Ela não era assim, mesmo que tenha errado, Sof não era assim.

— Sofia conseguiu todas as informações que eu queria. Todas - ele parece orgulhoso. — Micael Donovan, filho de um policial, mora em Ibiza, não trabalha e apenas gasta o dinheiro do pai. - ri. — Gabriel dos Santos, filho de faxineiros e tem uma pequena bebê. Que por ventura amanhã é aniversário dela — Bob olha para ele com raiva. Então Bob se chamava Gabriel!?

— Matthew McVay Forbes, filho de Macollin Revigori e Katherine Forbes, dois ícones da moda. Pensava que estava noivo de minha filha, até meu anjo morrer, por sua CULPA! - ele se altera e da um tapa na cara de Matt, que está atônito e com lágrimas nos olhos. — Você pensa que eu não iria descobrir? Aonde está sua namorada.. Emmanuela.. Eu vou te pegar..- ele canta á última parte, enquanto olho chocada para Brianna que segura minha mão com força.

— Você não se atreveria! - Matt diz, enquanto uns dez homens fortemente armados entram na casa. Depois o que eu vejo é chocante, três homens dão uma surra em Matt, que está literalmente todo machucado. Levam Bob e pedem para trocar por um tal de Alfred.

— Matthew espero que você se recupere, pois eu voltarei, e você será á prioridade - ele debocha e sai desfilando, enquanto os seus homens recuam para defende-lo. Depois dois homens pegam os que tinham desmaiado e somem.

— Meu nome é Karen - Brianna diz, enquanto estou chorando em seus braços. Eu queria descer, mas os homens ainda não tinham partido. Matt estava lá caído no canto da escada enquanto Greg ou Micael havia ido correndo para o porão.

Então foi ai que eu percebi que o amava. Eu amava Matt e eu estava disposta á tudo para protegê-lo.

Abri á porta, antes de Brianna me impedir, corri escada abaixo, e tentei levantar, nada se resolvia ele era o dobro do meu tamanho.

— Matt por favor aguenta. Vou chamar uma ambulância - digo beijando sua testa, que estava com respingo de sangue.

— Me desculpa - ele tenta falar mas sem excito fica mais tonto.

— Por favor não me deixa, por favor - escuto ele soluçar devagar enquanto sua respiração começa a normalizar.

— Obrigado por estar aqui - fala.

— Eu te Amo Matt - não consigo controlar e retorno a chorar, eu não podia perde lo, não podia e nem queria. Ele me deixava louca na maior parte do tempo mas era especial para mim.

— Eu sou o cara mais sortudo do mundo.. - ele ri. — Eu te Amo desde quando você optou por ficar ao meu lado - seu olhar é de esperança, ele não teve muito sorte no seu antigo romance, talvez fosse destino.

Mas aqui e agora eu estava amando, cada caráter dele, cada gesto, sua mentalidade infantil e adulta. Eu o amava e tinha indubitavelmente é inconsequentimente certeza disso.

Querida BabáOnde as histórias ganham vida. Descobre agora